Alopecia senescente: queda de cabelo em idosos

Alopecia senescente: queda de cabelo em idosos

Existem diversas causas para queda de cabelo em idosos, seja em homens ou mulheres. Uma dessas possibilidades é a alopecia senescente.

Alopecia senescente ou alopecia senil

A alopecia senescente, senil ou alopecia involutiva, é o nome dado à perda de cabelos causada pela idade.

Acredita-se que essa redução dos cabelos aconteça em homens e mulheres a partir dos 50 anos de idade.

Em geral, a alopecia senescente é caracterizada pelo afinamento difuso dos fios acompanhada ou não de queda de cabelo em idosos.

O cabelo se torna fino, esparso, geralmente com fios ressecados e diferentes do que costumavam ser.

O afinamento da alopecia senescente ocorre mesmo em pessoas sem história familiar de calvície genética.

Queda de cabelo em idosos: alopecia senescente x alopecia androgenética

Há alguns pontos que diferenciam a alopecia senescente da alopecia androgenética, ou calvície genética.

Um desses aspectos é o padrão de rarefação dos cabelos.

Apesar de haver afinamento dos cabelos em ambos os tipos de alopecia, não há miniaturização dos fios na alopecia senescente.

A miniaturização, presente na alopecia androgenética, é caracterizada pelo afinamento progressivo dos fios com participação de hormônios masculinos.

Além do mecanismo de afinamento dos fios ser diferente, o padrão da rarefação capilar também pode ser.

Enquanto a alopecia androgenética costuma ter diferentes padrões de rarefação entre homens e mulheres, na alopecia senescente o padrão é semelhante, ou seja, ocorre afinamento de maneira difusa tanto em homens quanto em mulheres.

Além disso, ao contrário da calvície genética, qualquer idoso estaria sujeito a desenvolver alopecia senescente, mesmo aqueles sem parentes calvos.

Alopecia senescente: estudos sobre queda de cabelo em idosos

A alopecia senescente não é um diagnóstico consensual.

Parte da comunidade médica ainda tem alguma dificuldade em reconhecer essa condição como uma entidade separada.

Um estudo realizado em 2011, por exemplo, sugeriu que a maioria dos idosos com perda de cabelo têm um componente androgenético.

Para se chegar a essa conclusão, foram realizadas 2149 biópsias de couro cabeludo em homens e mulheres com idade entre 20 e 99 anos.

Nesse estudo, a alopecia senescente difusa se restringiu a casos excepcionais.

Alopecia senescente: importância do colágeno 17A1

Por outro lado, a hipótese da perda capilar ligada ao envelhecimento ganhou força com um artigo publicado na revista Science.

No estudo, publicado em 2016, pesquisadores japoneses perceberam que fios de cabelos envelhecidos poderiam se transformar em células da pele, perdendo, dessa forma, a capacidade de produzir cabelo.

No estudo realizado em ratos, percebeu-se que o envelhecimento pode levar a perda de uma proteína do folículo piloso chamada colágeno 17A1.

A perda desse colágeno desencadeou a transformação das células-tronco do fio em célula de pele, levando o cabelo à queda.

Causa de rugas e queda de cabelo em idosos: o papel do DNA mitocondrial

Outro estudo de 2018, também realizado em ratos, trouxe ainda mais informação sobre a queda de cabelo em idosos.

Através de um experimento genético, com depleção do DNA mitocondrial (DNAmt), ratos foram artificialmente envelhecidos.

O DNAmt é o material genético presente na mitocôndria, organela responsável pela respiração dentro da célula.

Ao ter seus DNAmts alterados, os ratos desenvolveram intensos sinais de envelhecimento, como, por exemplo, rugas e queda de cabelo. Além disso, também foi observado aumento da inflamação cutânea nesses ratos.

Tanto a queda de cabelo quanto as rugas foram mais intensas nas fêmeas, sendo que nelas, a queda foi proporcional à idade induzida.

Isso é justamente o que se observa na alopecia senescente, em que a perda capilar aumenta com o tempo.

Por fim, no experimento, quando restauraram os DNAmt dos ratos, os sinais de envelhecimento e queda de cabelos foram revertidos.

Esses experimentos levantaram uma pergunta: seria essa a cura do envelhecimento e da queda de cabelo em idosos?

Queda de cabelo com a idade: o que fazer?

O conhecimento científico sobre a queda de cabelo em idosos tem aumentado, mas ainda são necessários mais estudos para melhor compreensão sobre o tema.

Na prática, sabe-se que existem diversas causas para queda de cabelo em idosos, sejam eles homens ou mulheres.

Assim, enquanto as pesquisas não esclarecem melhor como lidar com o envelhecimento, não se deve perder tempo.

Afinal de contas, em se tratando de queda de cabelos e alopecia, o tempo é fundamental.

Portanto, independente da idade, ao se notar queda de cabelo ou calvície, o melhor a ser feito é rapidamente procurar um médico especialista.

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

 

7 respostas

  1. Clínica confiável, equipe 10, médico 👨‍⚕️ Competente, sério, não o troco por nenhum! Confiança plena em estar sendo cuidada pela Clínica Doppio!

  2. boa noite tenho 63 anos mes cabelo estao caindonatesta nomais do lado esquerdo nao ttinha guaze testa hoge estou com mais de guatro dedos ea pele esta muinto fina as vezes cosa estou desesperado oque devo fazer des de ja deus o abensoa

    1. Olá, Divanete

      Existem muitas causas para queda de cabelo (https://clinicadoppio.com.br/queda-de-cabelo-em-mulheres/) e diversos tipos de alopecia (https://clinicadoppio.com.br/alopecia-tipos/).
      Entretanto, não é possível determinar o motivo da sua queda sem antes passar por uma avaliação médica especializada.
      Somente após avaliação completa, com análise do fio de cabelo, couro cabeludo e exames de sangue, é possível determinar os motivos da sua queda de cabelo.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *