Arrepio na cabeça: o que pode estar acontecendo?

Parestesia é o termo médico para designar a sensação de arrepio na cabeça ou formigamento no couro cabeludo.

A parestesia acontece, por exemplo, quando se deita sobre o braço por muito tempo. Ao liberar o membro, parece então haver um misto entre adormecimento e presença de múltiplos alfinetes no local.

Quando essa sensação atinge couro cabeludo, o resultado pode ser bem incômodo, causando desconforto e preocupação.

Quais são as causas mais comuns de arrepio na cabeça?

Para maior compreensão, é possível dividir as razões para se ter formigamento no couro cabeludo em 2 grupos.

No primeiro estão as parestesias agudas, ou seja, aquelas com um início repentino e curta duração.

Em geral, esse tipo de parestesia é temporário, muitas vezes com resolução espontânea do quadro.

Nesse caso, algumas causas de arrepio na cabeça são:

  • irritação da pele;
  • queimadura;
  • dermatite seborreica;
  • espinhas;
  • ferimento ou trauma;
  • infecção ou infestação como, por exemplo, herpes zoster, berne e piolho;
  • dor de cabeça;
  • estado emocional, incluindo ansiedade  e estresse;
  • remédios;
  • drogas psicoativas;
  • resposta sensorial autônoma do meridiano (ASMR);
  • neuropatia, ou seja, uma alteração  dos nervos;
  • interrupção momentânea da circulação sanguínea.

Já no grupo das parestesias crônicas, o início da sensação de arrepio na cabeça costuma ser mais lento e progressivo. Com o tempo, o formigamento tende a ir aumentando e persiste até se descobrir e tratar o motivo do problema.

Dentre as principais causas de arrepio na cabeça de evolução crônica estão:

  • dermatite seborreica;
  • eczema atópico;
  • psoríase;
  • alergia a tintura ou shampoo;
  • foliculites inflamatórias: decalvante, abscedante e queloidiana da nuca;
  • alopecias cicatriciais: líquen planopilar, lúpus, alopecia central centrífuga;
  • quadros psiquiátricos como delírio de parasitose, tricotilomania ou a escoriação neurótica;
  • depressão, ansiedades e outros aspectos psíquicos graves e persistentes;
  • medicações;
  • neuropatia com dano neural permanente;
  • doenças arteriais como a arterite temporal;
  • câncer de pele.

Como se percebe, há algumas condições comuns entre os blocos agudos e crônicos de parestesia do couro cabeludo. Isso ocorre porque nesses casos os quadros até começam de forma aguda, mas se cronificam pela falta de identificação e tratamento corretos.

Por isso, vale a pena explorar um pouco mais algumas dessas causas de arrepio na cabeça.

Condições de pele

Algumas doenças dermatológicas também podem resultar na sensação de formigamento do couro cabeludo. Essas incluem, por exemplo:

  • dermatite atópica: manifesta-se como manchas vermelhas, com descamação seca e fina, além de coceira no couro cabeludo;
  • foliculite: consiste na inflamação dos folículos capilares, seja por infecções bacterianas, fúngicas e virais ou doenças inflamatórias. Algumas foliculites inflamatórias podem cursar com destruição e fibrose do folículo, causando alopecia definitiva. Esse é o caso da foliculite dissecante, decalvante e queloidiana da nuca;
  • dermatite de contato: a alergia a produtos capilares também pode se manifestar como formigamento no couro cabeludo. Diversas substâncias como parafenilenodiamina, formol, propilenoglicol, dentre outros, podem ser os responsáveis por essa reação;
  • psoríase: quadro inflamatório na pele no qual há formação de placas espessas, prateadas e de fácil sangramento no couro cabeludo;
  • dermatite seborreica: a seborreia é uma inflamação muito comum do couro cabeludo. Seus sinais e sintomas incluem caspa, coceira, dor e sensação de arrepio na cabeça.

À primeira vista, todos essas patologias cutâneas podem ser bem semelhantes, causando confusão e má conduta, perpetuando o quadro.

Por isso, a avaliação de um médico especialista é fundamental para o diagnóstico correto e definição do tratamento mais apropriado.

Doenças de vasos, nervos ou sistêmicas

Além da pele, outras estruturas adjacentes também podem estar por trás do formigamento no couro cabeludo.

Assim, patologias diversas como neuropatias periféricas, doenças degenerativas ou vasculites podem ser a causa do arrepio na cabeça.

O diagnóstico dessas alterações exige um ótimo exame clínico conduzido por médicos especialistas experientes e muito bem preparados.

Algumas dessas condições serão descritas a seguir.

Cefaleia

Quadros de enxaqueca  podem levar a diferentes experiências sensoriais, conhecidas como aura.
Essas incluem alterações visuais, auditivas, enjôo ou até sensação de arrepio na cabeça.

Arterite de Células Gigantes (ACG)

A arterite temporal consiste na inflamação das grandes artérias do corpo, incluindo a temporal, daí o nome.

Essa condição pode causar má circulação, levando a sintomas como dor de cabeça, alterações na visão e sensibilidade no couro cabeludo.

Outras causas de arrepio na cabeça

O formigamento do couro cabeludo pode não ter uma causa orgânica, ou seja, uma doença que justifique seu aparecimento.

Existem algumas situações nas quais a parestesia pode ser uma consequência de tratamentos ou situações que modificam a percepção sensorial.

Remédios, hormônios e até o subconsciente podem colaborar para a sensação de arrepio na cabeça

Efeitos colaterais de medicamentos

Alguns remédios mais fortes, como anticonvulsivantes, quimioterápicos e psicotrópicos podem causar alterações capazes de gerar formigamento no couro cabeludo.

Além das informações da  bula, a orientação médica prévia sobre essa possível reação adversa ajudam a lidar com a situação.

Ansiedade e/ou estresse

O cortisol e a adrenalina são hormônios liberados em quadros de estresse e ansiedade.

O aumento desses hormônios pode alterar o fluxo sanguíneo no cérebro ao desencadear a resposta de “luta ou fuga”.

Por sua vez, essa alteração pode desencadear a sensação de arrepio na cabeça e formigamento em outras regiões do corpo.

Sensibilidade

A parestesia pode ocorrer por um questão de sensibilidade da pele.

Nesses casos, o incômodo pode ser secundário a fatores ambientais, como calor ou queimadura solar, química ou mesmo produtos capilares.

Esses agravos ao couro provocam uma irritação local, cuja manifestação pode ser a de arrepio na cabeça.

A inflamação, então, seria a causa de tal desconforto.

Porém, além dos agentes externos, a percepção e interpretação da resposta corporal também tem um componente pessoal.

Assim, a sensação a um mesmo estímulo varia de acordo com o momento e carga emocional do paciente.

Dessa forma, é importante entender mais a fundo o contexto ao qual se insere o formigamento do couro.

Arrepio na cabeça: o que fazer?

Em boa parte dos casos, a parestesia do escalpo é secundária a condições dermatológicas que acometem a região.

Por isso, faz muito sentido iniciar a investigação desse tipo de queixa pelo médico especialista em couro cabeludo.

Além da lesão em si, o profissional vai observar sinais e sintomas como descamação, coceira, vermelhidão e queda de cabelo

O conjunto desses achados, bem como a história do paciente, ajudam a determinar a necessidade de exames para revelar as causas do problema.

Portanto, se você está com formigamento no couro cabeludo e não sabe como tratar, venha nos fazer uma visita!

A Clínica Doppio  possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, contamos ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema na busca de um bom resultado.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Queda de cabelo por Ozempic e outros inibidores de apetite
A possibilidade de haver queda de cabelo por Ozempic é uma das preocupações das pessoas... (Leia mais)
Shampoo antirresíduos: composição, ação e indicações
O shampoo antirresíduos ou de limpeza profunda pode ser uma boa aquisição para a rotina... (Leia mais)
Terapia com células estaminais para calvície
A alopecia androgenética, popular calvície, pode ter na terapia com células estaminais a resposta que... (Leia mais)

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *