óleos essenciais para cabelo

Benefícios e riscos do uso de óleos essenciais para o cabelo

A busca de soluções naturais para cuidados capilares e queda de cabelo tem aumentado o interesse pelo uso de óleos essenciais.

O que é um óleo essencial?

Os óleos essenciais são extratos naturais altamente concentrados derivados de flores, frutas, ervas e especiarias.

Para se obter esses óleos, são utilizados métodos físicos de extração como a hidrodestilação e a prensagem a frio.

Em geral, os óleos extraídos das plantas costumam ser voláteis, ou seja, facilmente transformados em vapor, o que facilita a dispersão de seu aroma no ar.

Esses compostos contêm uma grande variedade de substâncias químicas responsáveis por suas diversas propriedades terapêuticas.

Dentre os inúmeras aplicações dos óleos essenciais na aromaterapia, cosmética e medicina, algumas se estendem à área capilar.

Benefícios do uso de óleos essenciais para os cabelos

Hidratação dos cabelos

Muitas pessoas optam por usar químicas fortes para conseguir o tom desejado ou dar brilho, maciez e movimento aos cabelos.

O problema é que os produtos usados em colorações e relaxamentos contêm substâncias que danificam a superfície do fio, tornando-o mais ressecado e frágil.

Mesmo pessoas que não fazem química podem ter a barreira natural de óleo dos fios e couro removida pelo uso inadequado de shampoos, especialmente quando tomam banho de água quente.

Essa fina camada natural de óleo é essencial para diminuir a perda de água e manter a hidratação do couro e dos cabelos.

O uso de óleos essenciais, por outro lado, restabelecem a oleosidade dos fios por completo, melhorando sua hidratação.

Prevenção da oleosidade

As glândulas sebáceas do couro cabeludo são responsáveis pela produção do óleo que mantém o couro e os fios hidratados.

Quando essas glândulas estão hipertrofiadas, elas passam a produzir muito óleo, o que deixa a raiz do cabelo oleosa, predispõe a seborréia e queda de cabelo.

Um dos estímulos à produção exagerada de sebum é justamente a retirada excessiva de óleos por shampoos, causando a chamada oleosidade rebote.

O uso de óleos essenciais ajuda a restabelecer a barreira lipídica natural dos fios e couro, modulando, dessa forma, a produção de sebo, o que, por sua vez, evita o efeito rebote.

Redução do estresse

O estresse está relacionado à queda de cabelo e calvície de diversas maneiras.

Seja pela formação de radicais livres, inflamação, desregulação da imunidade ou por desequilíbrios hormonais, o estresse agrava quadros de dermatite seborréica, eflúvio telógeno, além de contribuir para progressão da alopecia areata e androgenética.

Por outro lado, a aromaterapia com uso de óleos essenciais calmantes ajuda a reduzir o estresse e restabelecer o equilíbrio do corpo.

Controle da caspa

Além da oleosidade, desidratação e queda capilar, outra queixa frequente é a caspa.

A causa mais comum de caspa é a dermatite seborréica, inflamação do couro cabeludo associada a oleosidade e proliferação de fungos.

Em geral, a caspa é acompanhada de sintomas como coceira, sensibilidade, dor e, às vezes, feridas e queda de cabelo.

Diversos fatores estão associados ao seu agravamento como: hábitos de vida, estresse e uso incorreto de shampoos, condicionadores e cremes.

Algumas propriedades dos óleos essenciais como seborregulador, antiinflamatório e antimicrobiano são muito úteis no tratamento da caspa.

Por isso, não é incomum encontrá-los em formulações de shampoos anticaspa.

Tratamento da queda de cabelo

Ao notar queda de cabelo, a primeira coisa a se fazer deve ser sempre buscar as suas possíveis causas.

Para isso, é necessário se realizar uma avaliação médica completa, que inclui anamnese, análise do fio de cabelo, do couro cabeludo e exames de sangue.

Uma vez estabelecido o diagnóstico, o tratamento da queda deve ser direcionado à raiz do problema, seja ele a falta de irrigação e nutrição dos folículos, a inflamação do couro ou ressecamento dos fios.

Se usados corretamente, os óleos essenciais podem ser aliados no controle de diversos desses aspectos que levam a queda e quebra de cabelos.

Óleos essenciais para cabelos

Como cada óleo tem suas propriedades e benefícios particulares, eles serão apresentados separadamente.

1. Óleo essencial de melaleuca

O óleo de melaleuca, ou tea tree em inglês, talvez seja um dos óleos essenciais mais utilizados em cosméticos e produtos capilares.

Originário da Austrália, o óleo extraído da planta Melaleuca alternofolia é frequentemente usado como antisséptico e antiinflamatório.

Aliás, suas propriedades antifúngicas e antibacterianas são comprovadas por diversos estudos científicos.

Uma dessas publicações, da revista Journal of the American Academy of Dermatology, destaca sua ação no combate à caspa.

Para o estudo foram selecionados 120 voluntários, entre homens e mulheres, com mais de 14 anos e que apresentavam dermatite seborreica e caspa.

Os pacientes foram divididos aleatoriamente em 2 grupos: um deles usava shampoo com óleo de melaleuca 5% e outro xampu comum.

Os participantes da pesquisa foram orientados a lavar os cabelos diariamente por 4 semanas.

Dentro do grupo de pessoas que usaram o shampoo com óleo de melaleuca houve melhora da caspa em 41% dos casos.

Enquanto isso, no grupo que usou xampu comum, apenas 11% melhoraram.

Além disso, o grupo com shampoo contendo tea tree notou melhora significativa da coceira e oleosidade, sem efeitos adversos.

A conclusão dos pesquisadores foi de que o shampoo com óleo de melaleuca 5% é efetivo e bem tolerado para tratamento da caspa.

Uma outra pesquisa interessante buscou avaliar se os óleos essenciais poderiam ajudar a engrossar os cabelos.

No estudo realizado em pacientes com alopecia androgenética, os pesquisadores compararam o minoxidil puro com um blend contendo minoxidil, óleo essencial de melaleuca e antiinflamatórios.

Ao fim da pesquisa, as pessoas que usaram o blend de minoxidil e óleos essenciais perceberam que o processo de engrossar os cabelos foi mais rápido do que aqueles que usaram somente minoxidil.

2. Óleo essencial de alecrim

O óleo de alecrim, rosamarino ou rosemary em inglês, é um dos óleos essenciais mais estudados como tratamento capilar alternativo.

Na medicina tradicional, ele é usado para melhorar a memória, a imunidade, aliviar dores, estresse e problemas digestivos.

Suas aplicações terapêuticas também se estendem a problemas capilares como caspa, calvície e cabelos brancos.

O alecrim, nome científico Rosmarinus offinalis, é uma pequena planta da família do hortelã, da qual também fazem parte a lavanda, manjericão, murta e sálvia.

A maior parte dos efeitos benéficos do alecrim estão associados ao alto poder antioxidante de seus componentes.

Esses incluem o carnosol, ácido carnósico, ácido ursólico, ácido rosmarínico e ácido cafeíco.

Além do combate aos radicais livres, o óleo de alecrim também parece atuar em outros aspectos da saúde capilar.

Para testar os possíveis efeitos do óleo de alecrim na progressão da calvície, um grupo de pesquisadores formulou uma estudo que avaliou 100 homens com alopecia androgenética.

Depois de selecionados, os voluntários foram então divididos em 2 grupos de 50 pessoas cada.

Um grupo foi tratado apenas com óleo de alecrim, enquanto o outro usou minoxidil 2% tópico.

Nos 3 primeiros meses de tratamento, não foi observada melhora em nenhum dos dois grupos.

Entretanto, após o 6º mês de tratamento, ambos apresentaram resultados positivos e semelhantes.

O óleo essencial de alecrim ainda demonstrou uma vantagem adicional. Nos pacientes pesquisados, ele causou menos coceira no couro cabeludo do que o minoxidil.

O resultado positivo do estudo abre muitas possibilidades, mas também desperta dúvidas.

Uma delas é qual seriam os possíveis mecanismos de ação desse óleo essencial no tratamento da calvície.

Nesse sentido, um outro estudo, dessa vez realizado em ratos no Japão, pode ser parte da resposta.

No estudo, o óleo de alecrim foi capaz de bloquear o hormônio DHT, principal responsável pela alopecia, em ratos com calvície induzida por testosterona.

3. Óleo essencial de lavanda

A lavanda, alfazema ou lavender, em inglês, é uma planta muito conhecida por sua característica fragrância.

O óleo de lavanda, obtido de flores, caules e folhas da Lavandula officinalis, tem em sua composição o acetato de linalila, linalol e geraniol.

Esses compostos parecem ter ação na recuperação do cansaço, estresse, assim como no crescimento celular.

O acetato de linalila, por exemplo, além de ser usado em tintas, também está associado ao relaxamento dos nervos.

Por sua vez, o linalol parece ter efeitos antifúngicos.

Um estudo coreano feito em ratos de laboratório sugeriu que o óleo essencial de lavanda também poderia ter influência sobre o crescimento capilar.

Na pesquisa, 5 grupos de ratos tiveram seus pelos raspados para em seguida serem tratados com loções tópicas contendo:

  • óleo essencial de lavanda a 3%
  • óleo essencial de lavanda a 5%
  • óleo de jojoba
  • minoxidil 3%
  • soro fisiológico

Cada grupo de ratos testava um desses produtos.

A loção foi aplicada uma vez ao dia, 5 vezes por semana, durante 4 semanas.

O óleo de jojoba foi o veículo usado para diluir as essências de lavanda. Para tirar a dúvida se ele seria o responsável pelos resultados da solução com óleo de lavanda, ele também foi testado separadamente.

O minoxidil foi usado como controle positivo, por ser o medicamento padrão referência no tratamento da calvície.

Por sua vez, o soro fisiológico foi o controle negativo, ou seja, o esboço de como seria sem tratamento.

As análises fotográficas e as biópsias do estudo sugeriram que o óleo essencial de lavanda possa ter um efeito positivo no crescimento capilar.

Além disso, outro aspecto positivo foi que o uso tópico de loções de óleo de lavanda mostrou-se seguro durante a pesquisa.

4. Óleo essencial de hortelã

Também conhecido como óleo de menta, ou em inglês peppermint, o óleo de hortelã é extraído das folhas da Mentha piperita.

Usado como estimulante gástrico e para aliviar gases, esse óleo também tem sido adicionado a formulações cosméticas.

Além da fragrância, seu uso seria justificado pela possível ação hidratante, antioxidante, antiinflamatória e antimicrobiana do seu principal ingrediente, o mentol.

Para testar a ação do óleo essencial de hortelã no tratamento capilar, um estudo científico realizado em ratos comparou esse óleo com o minoxidil, óleo de jojoba e soro fisiológico.

Assim como no estudo com o óleo de lavanda, o óleo de hortelã também acelerou a repilação dos ratos.

Nesse estudo, no entanto, o óleo de hortelã se mostrou mais rápido e eficiente em promover o crescimento dos pelos até mesmo quando comparado ao minoxidil, considerado referência no tratamento tópico da calvície.

5. Óleo essencial de cedro

Estudos sugerem que óleo de cedro, em inglês cedarwood, possa contribuir para o crescimento capilar e controle da queda de cabelo.

Um dos possíveis motivos para isso seria o melhor controle da caspa e dermatite, através de ações que incluem o controle da oleosidade, propriedades antifúngicas e antibacterianas desse óleo.

6. Óleo essencial de palmarosa

O óleo extraído das pétalas da palmarosa, nome científico Cymbopogon martini, contém entre seus principais componentes o geraniol.

Estudos científicos têm apontado uma possível ação do óleo de palmarosa em fungos e bactérias.

A associação desses patógenos com quadros de dermatites do couro cabeludo justificaria uma possível aplicação desse óleo em produtos de tratamento capilares.

7. Óleo essencial de patchouli

O óleo de patchouli é extraído da planta medicinal Pogostemon cablin.

Nativa das Filipinas, esse óleo é usado na medicina tradicional chinesa como antioxidante, analgésico, antiinflamatório, anticoagulante, regulador intestinal, calmante e afrodisíaco.

Existem mais de 140 substâncias em sua composição, sendo as principais o álcool patchouli (patchoulol), alfa e beta patchoulene, alfa-bulnesene, seychellene, norpatchoulenol, eugenol, pogostone e pogostol.

Segundo estudos, esses componentes são responsáveis, dentre outros, pelo seu poder antimicrobiano, analgésico, antiinflamatório e cicatrizante.

Essas propriedades fazem do óleo essencial de patchouli um potencial aliado no combate a inflamações e infecções do couro cabeludo.

8. Óleo essencial de ylang ylang

Ylang ylang é um óleo essencial extraído da flor amarela da Cananga odorata, árvore nativa de arquipélagos tropicais do sudeste asiático.

Além do agradável fragrância, ela é conhecida por ser afrodisíaca e por seu uso na aromaterapia.

Entre os usos medicinais da planta incluem-se o tratamento de doenças como malária, asma, gota, reumatismo, hipertensão, depressão e ansiedade.

Dentre outras propriedades associadas ao óleo de ylang ylang estão suas ações como antiinflamatório, antimicrobiano, repelente e calmante.

Apesar de seus possíveis potenciais benefícios à saúde em geral e também capilar, é preciso ter cautela para não correr riscos desnecessários.

Isso porque há relatos de reações alérgicas a cosméticos contendo óleo de ylang ylang.

9. Óleo essencial de argan (moroccan oil)

O óleo de argan ou moroccan oil é produzido a partir da semente da planta Argania spinosa L, nativa do Marrocos.

Esse óleo é rico em antioxidantes como a vitamina E e polifenóis, além de escalenos, esteróis e álcool triterpeno.

Dentre os possíveis benefícios do óleo de argan para a saúde, segundo estudos, estão o controle da pressão arterial e da glicemia, ou seja, do açúcar no sangue.

Além disso, outros estudos apontam que ele é capaz de melhorar a elasticidade e hidratação da pele por restaurar a barreira cutânea e manter sua capacidade de reter água.

O mesmo raciocínio pode ser aplicado aos cabelos: por restaurar a camada lipídica natural dos fios e do couro, ele colabora na manutenção de fios mais hidratados, sedosos, resistentes e com brilho.

Talvez por isso, shampoos e condicionadores com moroccan oil tenham se tornado tão bem aceitos e populares.

10. Óleo essencial de jaborandi

O óleo de jaborandi, um dos óleos essenciais mais usados em produtos capilares, é retirado da planta Pilocarpus microphyllus, presente em áreas nativas do Brasil.

Entre os componentes químicos do jaborandi encontram-se, dentre outros, a pilocarpina, pilocarpidina, 2-tridecanone, beta-cariofileno, 2-pentadecanone, germacreno, jaborine, jaborandine, limoneno e o mirceno.

A pilocarpina, um dos componentes do jaborandi, virou princípio ativo de remédios devido a sua capacidade de aumentar a salivação e o suor, além de também reduzir a pressão intraocular e provocar o fechamento da pupila, ou seja, da abertura do olho.

Se por um lado há muitos estudos sobre o uso da pilocarpina, componente do jaborandi, em tratamentos médicos em geral, por outro, quando o assunto é cabelo, não há o mesmo grau de evidência científica. 

Dessa forma, ao que parece, os benefícios do óleo essencial de jaborandi no tratamento de problemas capilares parecem ser mais especulativos do que realmente comprovados cientificamente.

Receitas caseiras: como usar óleos essenciais para cabelos?

Os óleos essenciais são facilmente encontrados na internet ou em lojas de produtos naturais ou botânicos.

Em geral, receitas caseiras utilizam óleos 100% puros.

Entretanto, por serem muito potentes, eles não devem nunca ser aplicados diretamente no couro cabeludo ou ingeridos.

Para se fazer uso em casa, ele precisa ser diluído em um outro veículo antes de estar pronto para ser aplicado nos fios ou couro.

Os óleos e produtos carreadores mais utilizados são:

1. Óleo de coco

Contém gorduras boas, os chamados ácidos graxos de cadeia média, como o ácido láurico e cáprico.

Esses lipídeos além de hidratar, têm atividade antifúngica, antibacteriana e antiviral.

Dessa forma, o óleo de coco é um carreador que pode potencializar os efeitos dos óleos essenciais no combate à caspa, por exemplo.

2.Óleo de jojoba

O óleo de jojoba tem alto poder de hidratação da pele, sendo muito utilizado como veículo em blends com óleos essenciais.

Inclusive, boa parte dos estudos científicos que testam a eficácia de óleos essenciais em engrossar os cabelos e acelerar seu crescimento usam óleo de jojoba como veículo base.

3. Óleo de oliva

O azeite é sempre lembrado como uma opção saudável de óleo vegetal.

Também não é à toa que ele ganhou essa fama.

O óleo de oliva é rico em gorduras saudáveis, como a vitamina E e outros antioxidantes.

Além de hidratar, essas gorduras têm a capacidade de combater os radicais livres produzidos pelo estresse e responsáveis pelo envelhecimento da pele, aparecimento de cabelos brancos e queda de cabelos, dentre outros.

Por ser frequentemente utilizado na culinária, o óleo de azeite costuma ser o veículo oleoso de maior disponibilidade para ser usado receitas caseiras.

4. Shampoo, condicionador e creme hidratante

Gotas de óleos essenciais também podem ser adicionadas a produtos de higiene e condicionamento capilar.

Nesse caso, a idéia é potencializar possíveis efeitos como hidratação, controle da oleosidade e combate a dermatites do couro cabeludo.

Óleos essenciais: riscos e efeitos colaterais

Os óleos essenciais são ingredientes populares na medicina alternativa.

Muitos deles são aclamados por seus benefícios, através da aromaterapia, em diversas condições de saúde.

Entretanto, o uso tópico de óleos puros ou misturados em loções capilares, especialmente em receitas caseiras, tem seus riscos.

Quando o óleo essencial não é diluído ou aplicado adequadamente, ele pode produzir efeitos indesejados.

Entre as complicações já relatadas do uso incorreto de óleos essenciais estão: vermelhidão, inchaço, ardência e até feridas com pus.

Outros potenciais efeitos colaterais incluem problemas respiratórios, queimaduras químicas, alergia e queda de cabelo.

A queda, no caso, é secundária à irritação da pele provocada pelo uso inadequado de óleos essenciais no couro cabeludo.

Os riscos do uso inadvertido de óleos essenciais não se restringem a sua aplicação tópica.

Um exemplo é o óleo essencial de hortelã, usado como digestivo ou em suplementos para crescimento dos cabelos.

Entre os efeitos adversos da sua ingestão encontram-se dor de cabeça e lesões orais.

Óleos essenciais para cabelos: quando e como usar

Além de serem famosos pelas suas fragrâncias, os óleos essenciais também contêm compostos químicos que podem ser benéficos à saúde e para os cabelos.

Quando usados corretamente, os óleos essenciais podem proporcionar benefícios para a beleza e saúde dos fios.

Entretanto, por ser muito concentrados e fortes, é preciso ter cuidado com a forma de uso desses óleos.

Seu uso em blends ou fórmulas caseiras devem ser feitos com cautela, pois eles podem causar irritações, dermatites e até outros problemas de saúde.

De preferência, é melhor usá-los em produtos capilares especificamente desenvolvidos para aproveitar suas propriedades medicinais.

Mesmo quando eles fazem parte produtos capilares como shampoo, condicionador, máscara, cremes, protetor térmico ou reparador de pontas, problemas podem ocorrer.

Em casos de irritação, queimação, formigamento ou dor em pontadas significativas após uso de produtos capilares contendo óleos essenciais, deve-se interromper seu uso e buscar por um médico especialista.

Esse, através de um patch test, pode determinar se há algum tipo de alergia ou reação a algum dos ingredientes, incluindo os óleos essenciais.

A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Atendimento

  • Avenida Lavandisca, 777 - Moema, São Paulo, SP. CEP: 04515-011
  • Terça à Sexta: 09hs às 19hs.
    Sábado: 09h às 18hs
  • +55 (11) 3853-9175
Categorias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo protegido.