Uso do corticóide para tratamento capilar

Uso do corticóide para tratamento capilar

Os corticóides são medicações amplamente utilizados na medicina. Na dermatologia, um bom exemplo é o uso do corticóide no tratamento da alopecia e das dermatites do couro cabeludo.

Corticóides

Os corticóides são remédios que possuem os mesmos efeitos do cortisol, hormônio produzido naturalmente pela glândula adrenal.

Dependendo da dose que são prescritos, eles agem como anti-inflamatórios ou imunossupressores.

Assim, eles podem reduzir sintomas inflamatórios como dor e coceira e tratar doenças como asma, artrite e dermatites.

Além disso, por também suprimir o sistema imunológico, ele acaba sendo usado no controle de doenças auto-imunes.

As doenças auto-imunes são condições em que o sistema imune ataca erroneamente tecidos do próprio organismo.

Alguns exemplos de doenças auto-imunes tratadas com corticóides são o lúpus e a alopecia areata.

Alopecia

O termo alopecia quer dizer perda de cabelo.

Existem diferentes tipos de alopecia, algumas com importante participação de processos inflamatórios e auto-imunes.

Entre essas estão boa parte das alopecias cicatriciais e a alopecia areata.

As alopecias cicatricias são condições que levam à perda definitiva dos cabelos, por substituição dos bulbos capilares por cicatrizes.

Elas podem ser primárias, ou seja, causadas por doenças associadas ao fio e couro cabeludo ou serem secundárias a traumas.

As principais condições primárias que levam à perda de cabelo com formação de cicatrizes são doenças inflamatórias.

Alguns exemplos são: liquen planopilar e sua variante alopecia frontal fibrosante, lupus discóide e alopecia central centrífuga.

O maior exemplo de alopecia associada à alterações do sistema imune é a alopecia areata.

Trata-se de uma reação imune anormal contra o cabelo, que leva à queda capilar abrupta e intensa, com formação de falhas nos cabelos.

Tanto nas alopecias cicatriciais primárias como na alopecia areata, o corticóide é frequentemente lembrado como opção terapêutica.

Uso do corticóide no tratamento da alopecia

Os corticóides usados para tratar problemas capilares podem ser administrados por diferentes vias:

  • Tópico: creme, pomada, loção, solução capilar, xampu
  • Oral: comprimido ou solução oral
  • Injetável: aplicação cutânea ou intramuscular

Corticóide tópico para alopecia areata, dermatites e alopecias cicatricias

Corticóides tópicos têm ação mais leve do que os injetáveis ou os orais.

Em geral, eles agem de forma mais superficial no local da aplicação, sendo, portanto, mais usados em dermatites do couro cabeludo e quadros iniciais ou brandos de alopecia areata e alopecias cicatricias.

Outra indicação comum do uso do corticóide tópico é para tratamento da alopecia areata em pacientes pediátricos.

Sempre que possível, eles são usados com o  intuito de  evitar traumas e efeitos colaterais desnecessários em crianças.

Efeitos colaterais dos corticóides tópicos

Apesar de geralmente serem mais brandos, os corticóides tópicos também podem causar efeitos adversos locais e sistêmicos.

A pele onde se aplica o corticóide pode ficar mais fina, com manchas vermelhas e espinhas.

A ocorrência dessas alterações dependem  da potência do corticóide tópico usado, bem como a frequência de uso e duração do tratamento.

Outros fatores importantes são: idade do paciente, método de aplicação e integridade da pele.

Assim, crianças, aplicações sob oclusão ou em dobras cutâneas e peles machucadas são mais propensas a apresentarem efeitos adversos.

Dependendo da área a ser tratada, ainda há um risco adicional de efeitos sistêmicos, como a insuficiência adrenal.

Reportada em alguns relatos de caso, trata-se da redução da atividade da glândula adrenal, responsável pela produção de importantes hormônios como, por exemplo, o cortisol.

Alguns exemplos de corticóides tópicos:

  • Hidrocortisona: Berlison
  • Desonida: Adinos, Desonol
  • Metilprednisolona: Advantan
  • Mometasona: Topison
  • Betametasona: Diprosone, Betaderm, Betnovate
  • Fludrocortida: Drenison
  • Clobetasol: Clob-X, Psorex, Therapsor

Além do aumento do risco de efeitos colaterais, o uso prolongado de corticóides tópicos também pode levar à taquifilaxia.

A taquifilaxia é a diminuição progressiva do efeito da medicação com o passar do tempo, necessitando de doses cada mais maiores para surtir o mesmo efeito.

Assim, a expressão “funcionava no início, mas meu organismo se acostumou com o produto e preciso trocar constantemente” pode ser aplicada aos corticóides tópicos.

Infiltração de corticóide no tratamento da alopecia areata e outras alopecias

A infiltração com corticóide é o método de escolha de muitos médicos para tratamento da alopecia areata e casos selecionados de alopecias cicatriciais.

Na alopecia areata, a aplicação de corticóide se faz na pele do couro cabeludo exposto após a queda de cabelo.

Alopecias cicatriciais inflamatórias e bem localizadas também podem se beneficiar das infiltrações.

Os corticóides injetáveis são compostos capazes de se depositarem nos tecidos, mantendo seu efeito por semanas.

Assim, as aplicações costumam ser periódicas, com intervalos variáveis dependendo do produto utilizado.

Apesar de ser usado para infiltração cutânea, não é indicado a aplicação intramuscular de corticóide no tratamento da alopecia areata ou de qualquer outra alopecia.

Isso porque as alopecias são geralmente processos crônicos e restritos à pele, não se justificando aplicações seriadas de corticóide de efeito sistêmico.

Os principais efeitos colaterais associados à infiltração cutânea de corticóides são temporários. Esses incluem palidez, vasinhos e afinamento da pele no local da aplicação.

Entretanto, se usado por períodos prolongados e de forma indiscriminada, a infiltração de corticóide pode causar efeitos sistêmicos.

Os principais corticóides usados em infiltrações do couro cabeludo são:

  • Triancinolona hexacetonida: Triancil, Triancinolona acetonida: Theracort
  • Dipropionato de betametasona: Betatrinta

Já para aplicação intramuscular, os principais medicamentos com corticóides são:

  • Hidrocortisona: Flebocortid
  • Dexametasona: Decadron
  • Betametasona: Celestone soluspan, Diprospan
  • Metilprednisolona: Depo-medrol
  • Clobetasol: Therapsor

Corticóide oral para tratamento da alopecia

O corticóide oral é utilizado quando se pretende manter tratamentos prolongados de condições inflamatórias crônicas.

Diversas doenças inflamatórias cutâneas se beneficiam do uso do corticóide oral.

Entretanto, eles dificilmente são indicados para casos de alopecia.

Isso porque além de possuir resposta irregular nas alopecias cicatricias, geralmente há recorrência e até piora da queda após sua suspensão em casos de alopecia areata.

Também não se recomenda corticóide para alopecia androgenética, apesar das evidências de participação de processos inflamatórios na progressão da calvície.

Efeitos colaterais do corticóide oral

Uma vez que os corticóide orais têm ação sistêmica, eles são os mais envolvidos em efeitos adversos.

Os efeitos colaterais do corticóide oral dependem da dose e do tempo de uso.

Esses incluem:

  • Inchaço, edema
  • Ganho de peso
  • Depósito de gordura no abdome, face e nuca
  • Hipertensão arterial
  • Aumento do açúcar no sangue, diabetes
  • Osteoporose
  • Aumento do risco de infecções
  • Irritação, perda de memória
  • Insuficiência adrenal
  • Catarata
  • Glaucoma

Os principais corticóides orais disponíveis são:

  • Prednisona: Meticorten, Corticortenm
  • Prednisolona: Predsim, Prelone
  • Betametasona: Celestone
  • Dexametasona: Decadron
  • Deflazacorte: Calcort

Uso do corticóide no tratamento da alopecia e queda de cabelo: considerações finais

Os corticóides são medicações muito úteis para tratamento de diversas doenças inflamatórias.

Seu uso indiscriminado, no entanto, pode acarretar sérios danos à saúde.

Assim, antes do iniciar o uso de corticóide no tratamento da alopecia ou da queda de cabelo, é recomendado buscar ajuda de um médico especialista.

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

9 respostas

  1. Estou fazendo uso..do Triancil…estou muito satisfeita com resultado. Pois na 3 aplicação….sendo uma placa bem grande….ja nao preciso mais de infiltrações…..Mais Percebi q tive um aumento de peso….de uns 4 kilos…e agora…o corticóide sai do organismo…?? Ou vai continua reagindo??

    1. Olá, Michely

      O corticóide vai saindo do organismo após algumas semanas, mas isso não significa que ele elimina o ganho de peso durante o seu uso.
      Parte do ganho de peso se deve ao acúmulo de líquidos proporcionado pelo corticóide, que tende a melhorar.
      Mas o corticóide também aumenta o apetite e o acúmulo de gorduras, por isso também é necessário que se faça dieta e exercício para voltar ao peso anterior,

  2. Boa noite!

    Minha médica indicou o uso tópico “clob x” (creme) para tratamento da minha alopecia aresta e já estou finalizando a terceira semana e não vejo resultados. Apenas espinhas ao redor da aplicação e em outras áreas do couro cabeludo.

    Alguém já passou por isso, quanto tempo durou para crescer de novo os cabelos ?

  3. Meu nome e jessica meu cabelo caiu todo e os pelos das axilas nao nascem mas ja fui na dermatologista passou exame de sanque pra mim fiz constou que estou com tireoide alta mas o medico disse que a tireoide cai o cabelo mas nao desse jeito que esta o meu estou praticamente sem cabelo nenhum. Sera que estou com alopecia areatra ou outro tipo de alopecia e sera que essa aplicacao de corticoide. Vai adiantar crescer meu cabelo outra vez nao aquento mas ficar assim .

    1. Olá, Jessica

      A indicação medicamentos e outras formas de tratamento dependem de uma prévia avaliação médica completa (https://clinicadoppio.com.br/diagnostico-e-exames-para-queda-de-cabelo/), com análise do fio de cabelo, couro cabeludo e exames de sangue.
      Portanto, sugiro que agende uma consulta para que possamos discutir possibilidades terapêuticas.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *