Creatina causa calvície ou queda de cabelo?

Ainda existem muitos temas controversos na área da saúde, especialmente no ramo capilar. Um desses dilemas é se a creatina causa calvície ou queda de cabelo.

A discussão vai além das opiniões de blogs, sites, preparadores físicos e outros profissionais.

As análises sobre o assunto se dividem mesmo na literatura médica. Assim como há dados a favor, também tem quem conteste essa relação entre creatina e calvície. 

O que é a creatina?

A creatina é um composto energético que o corpo produz a partir dos aminoácidos arginina, glicina e metionina.

Além da produção endógena, a creatina também pode ser obtida através da alimentação. Suas principais fontes naturais são alimentos como carnes e frutos do mar.

A formação da creatina ocorre no fígado, rins e pâncreas. 

Em seguida, ela se dirige para os músculos esqueléticos, ou seja, os responsáveis pelos movimentos do corpo.

Nas fibras musculares, o papel da creatina é fornecer energia para contração. Desse modo, ela funciona como uma reserva energética, especialmente durante atividades físicas de alta intensidade.

Sua ação é mais necessária em exercícios que exigem “explosões de energia” como sprints ou levantamento de peso.

Justamente por ter essa função, a suplementação de creatina se tornou uma prática recorrente entre atletas e praticantes de musculação. 

Nesses casos, a proposta é obter melhora do desempenho esportivo, restauração da musculatura e recuperação após o exercício.

Além disso, a creatina parece prevenir lesões, ser neuroprotetora, termorreguladora e ter ação benéfica no processo de envelhecimento.

Existem muitos trabalhos científicos comprovando eficácia e bom perfil de segurança da creatina para esse fim.

Os poucos relatos de efeitos colaterais se limitam ao ganho de peso, provavelmente decorrente do aumento da massa magra.

Além disso, uma das possíveis questões é se a creatina causa calvície ou queda de cabelo.

Como ocorre a calvície?

A alopecia androgenética é o principal mecanismo responsável pela perda de cabelos em homens e mulheres.

Em ambos os casos, a rarefação capilar muda a aparência e formato dos fios, deixando o couro mais aparente.

Tipicamente, a calvície masculina afeta somente o topo da cabeça, com manutenção dos fios nas laterais e nuca. Entradas e a coroa são clássicos sinais da alopecia androgenética em homens.

Já nas mulheres, a queda de cabelo é mais difusa, com redução do volume ou comprimento dos fios e alargamento da risca central.

Ela é mais evidente após a menopausa, quando há uma queda significativa dos níveis de hormônios femininos. 

Papel dos hormônios na alopecia

Para saber se a creatina causa calvície, é preciso antes entender bem o papel dos hormônios no processo.

Como o próprio nome indica,  a alopecia androgenénica ocorre devido à ação dos andrógenos em pessoas com tendência genética.

Assim, em indivíduos predispostos, os hormônios masculinos como a testosterona e a di-hidrotestosterona (DHT) vão afinando os fios progressivamente.

Esse processo, conhecido como miniaturização, leva à atrofia gradual do folículo piloso até haver interrupção na produção de novos fios.

Tanto a testosterona quanto a diidrotestosterona são capazes de induzir tal afinamento. Entretanto, o DHT se mostra muito mais potente em provocar a perda capilar.

O DHT é resultado da conversão da testosterona  pela enzima 5-alfa-redutase.

Aliás, o bloqueio dessa enzima é o principal mecanismo de ação dos remédios para calvície masculina finasterida e dutasterida.

Embora os hormônios masculinos acentuem a calvície, os pacientes com alopecia androgenética não necessariamente possuem níveis de testosterona mais altos. Inclusive, na grande maioria dos casos, as taxas hormonais são normais.

Entretanto, quando a testosterona aumenta, também se intensifica a ação do DHT no folículo piloso acelerando a queda de cabelo.

Por essa razão, o uso de anabolizantes ou reposição hormonal podem precipitar quadros de calvície em homens e mulheres predispostos.

O que dizem os estudos sobre se creatina causa calvície e queda de cabelo?

A discussão sobre creatina x alopecia começou após a publicação de um artigo científico em 2009.

A pesquisa envolveu 20 jogadores colegiais de rugby da África do Sul.

Os voluntários foram divididos aleatoriamente em 2 grupos, tomando:

  • teste: creatina 25 g/dia por 7 dias, seguido de 5 g/dia do 7⁰ ao 14⁰ dia;
  • controle: placebo, ou seja, algum composto sem ação sobre os níveis hormonais.

No estudo, houve uma aceleração da taxa de conversão de testosterona em DHT após 7 e 14 dias de suplementação com creatina. 

Os níveis de DHT aumentaram 56% após o suplemento, mantendo-se 40% acima do valor inicial mesmo depois de 2 semanas.

Além disso, a relação DHT:testosterona também aumentou 36% após 7 dias de suplementação, permanecendo 22% com a dose de manutenção.

Um outro dado interessante foi que, embora tenha ocorrido aumento do DHT, não houve alteração significativa dos níveis de testosterona.

Com esses achados, os autores concluíram que a suplementação de creatina poderia aumentar a taxa de conversão de testosterona em DHT.

Como o DHT é um forte indutor da alopecia, logo, o artigo leva a crer que a creatina causa calvície.

Embora nem sempre presente, a queda de cabelo também é um dos sinais da alopecia androgenética.

Dessa forma, além de agravar a calvície, a creatina também poderia causar queda de cabelo

Argumentos contra a hipótese de que a creatina causa calvície 

Um artigo de 2021, no entanto, contesta os resultados da publicação sul africana, apontando várias questões a se considerar.

Uma delas é o fato da média do DHT inicial dos jogadores ser 23% menor do que do grupo controle.

Por si só, esse dado já poderia indicar uma diferença nos atletas em relação ao grupo comparativo.

Mas os questionamentos não param por aí.

O estudo de 2021 avaliou ainda dados de  outras 12  pesquisas sobre efeitos da suplementação de creatina  nos hormônios masculinos.

Nesses estudos, somente 2 identificaram um aumento mínimo nos níveis de testosterona, sendo os outros 10 normais.

Além da testosterona livre e total, também não houve aumento considerável do DHT após uso da creatina em 5 estudos.

Por isso, os autores sugerem não haver evidências suficientes para afirmar que a creatina causa calvície ou queda de cabelo.

Vale a pena pacientes com alopecia tomarem creatina?

Embora seja uma dúvida frequente, há poucos dados na literatura médica sobre se a creatina causa calvície.

Portanto, diante da situação, cabem as duas interpretações para essa polêmica discussão.

Na prática, a decisão das pessoas em tratamento capilar sobre usar ou não creatina vai depender do contexto.

Por isso, é interessante conversar com um médico especialista para ter mais subsídios para fazer a escolha.

A assistência médica é indispensável para estabelecer pontos cruciais como diagnóstico, estadiamento, tratamento e definição de prognóstico.

Com essas informações, fica mais fácil tomar a decisão final.

Quer ajuda para solucionar essa questão? Então faça-nos uma visita!

A Clínica Doppio  possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, contamos ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Perda de volume capilar: causas e tratamento
A perda de volume capilar é uma das queixas mais frequentes da área tricológica. Embora... (Leia mais)
Tipos de alopecia: como reconhecer a causa da perda de cabelos?
Alopecia não é tudo igual. Existem diversos tipos de alopecia, cada uma com um tratamento... (Leia mais)
Foliculite decalvante: causas, sintomas e tratamentos
Uma das possibilidades a se considerar quando se tem espinhas na cabeça é a foliculite... (Leia mais)

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *