Como cuidar do couro cabeludo e prevenir a queda de cabelos?

Como cuidar do couro cabeludo e prevenir a queda de cabelos?

Cuidados com o couro cabeludo são essenciais para saúde e aparência dos cabelos, além de prevenir dermatites e doenças capilares.

Anatomia do couro cabeludo

O couro cabeludo é um tecido vivo que recobre o crânio, sendo também o local de produção dos cabelos.

O couro tem uma rede de vasos sanguíneos que fornece oxigênio e nutrientes aos fios, além de remover toxinas.

Fatores que interferem na irrigação do couro cabeludo afetam diretamente os cabelos.

É o caso, por exemplo, do minoxidil e do cigarro. Enquanto o minoxidil melhora a circulação sanguínea e favorece o crescimento capilar, o cigarro o prejudica.

Apesar de possuir apenas alguns milímetros de espessura, geralmente entre 4 a 9 milímetros, o couro cabeludo tem cinco camadas.

Partindo da superfície temos:

  • Pele: local onde ficam as raízes dos fios e portanto, sua produção. Também possui vasos, nervos e glândulas como a glândula sebácea, responsável pela produção de óleo que dá brilho aos fios.
  • Tecido conectivo denso: logo abaixo da pele, é representado pela gordura e traves fibrosas.
  • Gálea aponeurótica: contém tecido fibroso que conecta músculos, sendo firmemente aderida às camadas superficiais.
  • Tecido conectivo frouxo: responsável pela mobilidade do couro cabeludo. Essa camada possui vasos que se comunicam com a parte interna do crânio.
  • Periósteo: fina camada vascular que reveste o osso do crânio, sendo responsável pela sua nutrição.
  • Uma outra forma de memorizar as camadas é através da sigla SCALP, que significa couro cabeludo em inglês.

Assim, tem-se:

  • Skin: pele
  • Connective tissue: tecido conectivo denso
  • Epicranial Aponeurosis: gálea aponeurótica
  • Loose connective tissue: tecido conectivo frouxo
  • Pericranium: periósteo

Quais os cuidados com o couro cabeludo para prevenir a queda de cabelos?

É natural que pessoas com queda ou perda capilar foquem suas preocupações nos fios de cabelos.

Afinal de contas, eles são os responsáveis pela aparência e parte da identidade delas.

Entretanto, é preciso destacar que a maior parte dos problemas capilares não está restrita aos fios.

Os fios de cabelo são estruturas sem vida, razão pela qual não sentimos dor ao cortá-los.

Além disso, não há comunicação entre as diversas partes do fio, o que faz com que o corte não influencie no seu crescimento ou força.

Assim, a maior parte dos problemas de queda de cabelos, afinamento ou calvície ocorrem por problemas que ocorrem dentro do couro cabeludo.

Portanto, ao adotar cuidados com o couro cabeludo, também se colabora para o combate e prevenção à queda.

Cuidados com couro cabeludo: pontos críticos

Alguns pontos devem ser avaliados para se estabelecer a melhor forma de cuidar do couro cabeludo.

Como cada pessoa tem suas particularidades, é importante determinar de forma individual o melhor esquema que atende as suas demandas.

Para tanto, fique atento aos seguintes pontos.

Frequência de se lavar o couro cabeludo

Não há uma frequência pré-definida para todas as pessoas.

Para se estabelecer a melhor rotina para se lavar os cabelos é preciso levar em conta diversos fatores.

Dentre eles, por exemplo, está o tipo de cabelo, atividades físicas e tendência a dermatites no couro cabeludo.

Como tanto a falta quanto o excesso de lavagens pode ser prejudicial, esse é um dos principais cuidados com o couro cabeludo.

Qual a melhor temperatura da água para lavar os cabelos?

Um dos fatores que prejudica aqueles que lavam muito os cabelos é a remoção excessiva da oleosidade do couro.

Apesar da oleosidade poder contribuir para a inflamação do couro, ela também exerce efeito protetor.

Isso porque ela é importante para manter o equilíbrio e proteção da pele do couro cabeludo.

A remoção exagerada dessa camada protetora expõe o couro a agentes externos, aumentando os riscos de inflamações e infecções.

Como a água quente remove a gordura com mais facilidade, ela também resseca mais a pele, aumentando sua exposição.

Produtos capilares

Xampu

A escolha do xampu é outro fator importante nos cuidados com o couro cabeludo.

Como há diferentes tipos de cabelo e graus diferentes de oleosidade, a escolha é muito individualizada.

Dessa forma, para assegurar a saúde do couro é preciso definir a frequência e tipo de xampu utilizado.

Pessoas com seborréia, por exemplo, são beneficiadas por xampu anticaspa.

Condicionador, máscara, creme para pentear ou leave in

O uso de agentes condicionantes ajuda a tornar o fio mais maleável, macio e fácil de pentear.

Quando usados de forma correta, os condicionadores e cremes para cabelo não provocam queda.

Entretanto, esses produtos são feitos para o fio de cabelo, podendo ser prejudiciais para ao couro cabeludo.

Assim, quando aplicados no couro cabeludo eles podem agravar quadros de dermatite e facilitar a queda.

Gel, pomada, cera, argila, mousse, spray, laquê

Assim como os condicionadores, os fixadores de penteado podem aumentar a oleosidade e umidade do couro cabeludo.

Dessa forma, eles podem criar condições favoráveis a proliferação de fungos e desenvolvimento de dermatites. 

Xampu e condicionador a seco

Tanto o xampu a seco quanto o condicionador a seco não costumam afetar o couro cabeludo.

Entretanto, como costumam diminuir a aparência de oleosidade dos fios, eles tendem a alterar a rotina de higiene capilar.

Assim, pessoas que passam a lavar os cabelos com menor frequência por conta desses produtos ficam mais propensas  às dermatites.

Maquiagem capilar

Uso de maquiagem para couro cabelo, como por exemplo o Toppik, também não costuma provocar queda.

O problema desses produtos é que muitas vezes as pessoas não lavam os cabelos para preservar seu efeito por mais tempo.

Com isso, assim como acontece com o xampu a seco, há maior tendência a desenvolver dermatites.

Produtos e procedimentos capilares envolvidos nos cuidados com o couro cabeludo

Apesar da química, chapinha ou outros técnicas serem realizadas nos fios, o couro cabeludo também pode ser afetado.

Esse assunto foi abordado em um estudo científico publicado em 2011.

Nele foram avaliadas 201 meninas afro-americanas.

A pesquisa mostrou haver correlação entre procedimentos capilares e o desenvolvimento de seborréia.

Além disso, o uso desses produtos fortes pode provocar irritações e até queimaduras no couro.

Por sua vez, as queimaduras podem levar à alopecia definitiva, como a descrita nesse relato de casos de 2007.

Hábitos e costumes 

Algumas atitudes simples do dia a dia podem ajudar nos cuidados com o couro cabeludo.

Uma vez que a umidade, oleosidade e abafamento favorecem a proliferação de fungos, dermatite e queda, diversos hábitos devem ser evitados.

Dentre eles, por exemplo, está o costume de dormir ou prender cabelos molhados.

Da mesma forma, deve-se evitar o uso prolongado e frequente de boné, chapéu, capacete, touca ou gorro.

Além disso, os cabelos devem ser lavados após atividades físicas, banhos de mar ou piscina.

O secador pode ser usado para secar os cabelos e evitar que eles fiquem úmidos por tempo prolongado.

O uso correto do secador não agrava quadros de dermatite ou queda.

Dermatites

A dermatite seborréica é a inflamação mais frequente do couro cabeludo, sendo, por isso, também a mais associada à queda.

Pessoas que apresentam seborréia devem ficar atentos a todos os cuidados com o couro cabeludo descritos acima afim de se evitar o agravamento do quadro.

Por se tratar de uma condição crônica, sem cura, esses cuidados devem ser constantes e permanentes.

Cuidados com o couro cabeludo: o que fazer?

Cada pessoa tem particularidades no que diz respeito a cabelos, couro cabeludo, saúde e rotina.

Esses fatores devem ser avaliados antes de estabelecer a forma mais adequada de se cuidar dos cabelos e couro cabeludo.

Sintomas como coceira, dor ou caspa podem estar estritamente relacionados à queda de cabelos.

Dessa forma, se existem dúvidas sobre sua rotina capilar, o mais indicado é procurar um médico especialista.

A Clínica Doppio, além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

2 respostas

  1. Bom dia doutor! Tive chicungunya em março e ainda estou com muitas dores, mas observei q tive uma queda brusca de cabelo, sempre tive muito cabelo, apesar da doença, tomei pouca medicação. Tenho 60anos e não ponto o cabelo .Me ajuda doutor…em nome de Jesus! Moro no Rio

    1. Olá, Dircelene

      Existem muitas causas para queda de cabelo (https://clinicadoppio.com.br/causas-de-queda-de-cabelo-feminino/), inclusive doenças infecciosas (https://clinicadoppio.com.br/queda-de-cabelo-por-doencas-infecciosas/).
      Entretanto, não é possível determinar o motivo da sua queda sem antes passar por uma avaliação médica especializada.
      Somente após avaliação completa (https://clinicadoppio.com.br/diagnostico-e-exames-para-queda-de-cabelo/), com análise do fio de cabelo, couro cabeludo e exames de sangue, é possível determinar os motivos da sua queda de cabelo.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *