drogas e queda de cabelo maconha cocaina

Drogas e queda de cabelo: qual a relação?

Existem diversas causas para queda de cabelo, desde fatores genéticos, nutricionais, ambientais, até mesmo doenças graves. Mas será que existe relação entre o uso de drogas e queda de cabelo?

O que pode ser considerado como droga?

Do ponto de vista farmacológico, o termo droga faz referência a qualquer composto químico capaz de provocar reações no organismo.

De acordo com esse conceito, por exemplo, medicamentos são considerados drogas.

No Brasil, no entanto, a palavra droga é mais conhecida como sinônimo de algo ilícito.

Assim, drogas seriam substâncias psicoativas ilegais usadas para fins não médicos, muitas vezes com potencial de provocar vício.

Trata-se de compostos capazes de alterar as percepções, emoções ou mesmo o estado de consciência de uma pessoa.

Quanto ao efeito que elas podem causar no organismo, elas podem ser divididas em 3 grupos:

  • Depressoras: quando acalmam e relaxam.
  • Estimulantes: geram disposição, energia e deixam o usuário em estado de alerta.
  • Alucinógenas: causam distorções da realidade, com alucinações.

As drogas ilícitas mais conhecidas são a maconha, cocaína, crack, heroína, LSD, ecstasy, ketamina, GHB, clorofórmio, entre outras.

Exame toxicológico dos cabelos

Além da urina, sangue e saliva, a análise dos fios de cabelo também permite o reconhecimento de drogas no organismo.

Segundo estudo publicado em 2017, trata-se de um método valioso para a detecção de diversas dessas substâncias conhecidas e outras emergentes.

Mesmo sendo útil, no entanto, ele não é um método infalível, como mostra um outro estudo científico.

O simples fato de estar em um ambiente em que o composto está sendo consumido, segundo pesquisa, pode ser suficiente para que o exame seja positivo.

Mesmo não sendo infalível, a presença de resíduos das drogas no fios de cabelo levanta a dúvida sobre quais as possíveis ações delas nos cabelos.

Drogas e queda de cabelo: qual a relação?

Há uma escassez de dados na literatura médica sobre o tema.

Os estudos científicos existentes não esclarecem se o uso de drogas causam queda de cabelo ou calvície.

Entretanto, mesmo sem dados conclusivos a respeito, algumas situações criadas pelo uso desses compostos poderiam agravar quadros associados à queda capilar.

Entre os diversos possíveis links entre drogas e queda de cabelo, um deles seria o hormônio adrenalina.

Parte das substâncias ilícitas é capaz de aumentar o nível da adrenalina no sangue.

Níveis elevados desse hormônio geram estresse ao organismo, com manifestações diversas, dentre elas a queda de cabelos.

Além disso, a queda de cabelos também pode ser secundária a deficiências nutricionais provocadas pela má-alimentação, comum entre usuários e viciados.

Outro ponto a ser considerado é a queda da imunidade, seja pela dieta precária ou pela alteração da qualidade e quantidade de sono.

Como a maconha, cocaína e outras drogas podem causar queda de cabelos?

A forma de queda de cabelo mais associada ao uso de substâncias psicoativas é o eflúvio telógeno.

O eflúvio telógeno é uma condição capilar em que ocorre passagem precoce de uma maior quantidade de fios para a fase de queda, chamada de fase telógena.

Geralmente o eflúvio ocorre como reposta a agravos ao organismo ou ao couro cabeludo.

No caso, ele provavelmente se deva às mudanças repentinas que esses compostos causam em diversos órgãos e sistemas do corpo.

Este estado de choque, associado a possíveis deficiências nutricionais e queda da imunidade, dentre outros, seriam os responsáveis pela associação entre drogas e queda de cabelo.

Quanto tempo dura a queda de cabelos associada ao uso substâncias ilícitas?

A queda de cabelos por drogas é uma condição passageira, ou seja, ela tende a se resolver com a interrupção do uso dessas substâncias.

O prazo para melhora da queda costuma ser de até 6 meses.

Entretanto, caso existam outras condições associadas como, por exemplo, deficiência nutricionais ou doenças sistêmicas, a queda pode se arrastar por períodos mais prolongados.

Uso de drogas e queda de cabelo: o que fazer?

A palavra droga não é usada para definir situações ruins ou coisas que dão errado à toa.

As drogas causam uma série de agravos ao corpo, com efeitos que vão além de prejuízos à saúde.

O efeito devastador que estas substâncias podem provocar na vida pessoal, afetiva, profissional e familiar também deve ser considerado.

Apesar de não haver uma relação direta entre drogas e queda de cabelo, o aumento da queda capilar pode ser um indicativo do uso dessas substâncias.

Assim, quando associada a mudanças repentinas de comportamento, a queda pode ser um sinal de alerta aos pais para possível uso de substâncias ilícitas por filhos adolescentes.

O reconhecimento e apoio familiar são fundamentais para recuperação de filhos viciados, assim como o cuidado médico multiprofissional.

Para saber mais como lidar com o assunto, procure um médico especialista.

A Clínica Doppio, além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento da queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Atendimento

  • Avenida Lavandisca, 777 - Moema, São Paulo, SP. CEP: 04515-011
  • Terça à Sexta: 09hs às 19hs.
    Sábado: 09h às 18hs
  • +55 (11) 3853-9175
Categorias

2 respostas

  1. Tenho muita anciedade e estou com queda de cabelo, nunca tive problema com queda capilar, a mais ou menos 7 meses percebi uma queda expressiva depois do meu médico almentar a dosagem do medicamento Aprazolam.
    N tenho caso de alopecia androgenetica na família

    A minha dúvida se é anciedade ou o uso de ansioliticos a longo prazo

    É qual o melhor tratamento se for no caso da anciedade?

    É se a técnica MMP resolve nesse caso?

    1. Olá, Laedson

      O Alprazolam é um medicamento que não costuma estar associado à queda de cabelo.
      Por outro lado, a ansiedade (https://clinicadoppio.com.br/emocional-da-queda-de-cabelo-e-alopecia/) e o estresse (https://clinicadoppio.com.br/queda-de-cabelo-por-estresse/) podem contribuir de diversas formas para o cabelo cair.
      Além disso, existem outras causas para queda de cabelo (https://clinicadoppio.com.br/causas-de-queda-de-cabelo-em-homens/) que precisam ser investigadas antes de se discutir possíveis formas de tratar sua queda.
      Portanto, sugiro que agende uma consulta com um médico especialista para fazer uma avaliação médica completa (https://clinicadoppio.com.br/diagnostico-e-exames-para-queda-de-cabelo/), com análise do fio de cabelo, couro cabeludo e exames de sangue.
      O MMP, intradermoterapia ou mesoterapia (https://clinicadoppio.com.br/mesoterapia-capilar/) é uma técnica que visa injetar remédios e outros ativos no couro cabeludo através de agulhas, sendo geralmente usado para tratar casos de alopecia ou calvície (https://clinicadoppio.com.br/tratamentos-para-alopecia/), não de queda de cabelo.
      Trata-se de um método de tratamento ainda controverso, com pouca evidência científica e não regulamentado pelas agências de saúde.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo protegido.