Quando o assunto é tratamento da calvície em homens, um dos assuntos mais discutidos é sobre possíveis efeitos colaterais da finasterida.

Efeitos colaterais da finasterida

A finasterida é uma medicação eficaz e segura para tratamento da calvície.

Os efeitos colaterais da finasterida são incomuns e não duradouros.

Para avaliar a ocorrência desses efeitos, foram feitas pesquisas em que se comparavam um grupo que usava finasterida e um grupo controle, formado por pessoas que tomaram placebo, que é um comprimido inócuo, sem efeitos farmacológicos.

Impotência sexual e perda de libido

Os resultados desses estudos mostraram baixa incidência de efeitos adversos, com valores próximos entre os usuários de finasterida e aqueles que usaram placebo:

  • Redução da libido: 1,8% versus 1,3% com placebo
  • Dificuldade em ter ereção: 1,3% versus 0,7%
  • Diminuição da quantidade de sêmen: 0,8% versus 0,4%.

 

Os efeitos colaterais da finasterida observados não foram persistentes, com resolução em todos aqueles que interromperam da medicação. Nos que mantiveram a medicação, mesmo após observar algum efeito colateral, houve uma melhora com o passar do tempo, com diminuição da incidência de efeitos adversos para 0,3% após 5 anos de seguimento.

Outros efeitos colaterais da finasterida que constam na bula são: reações alérgicas, depressão, dor testicular, sensibilidade e aumento das mamas e maior risco de câncer de mama em homens.

Fertilidade

Quantidades mínimas de finasterida podem ser encontradas no sêmen de homens em uso da medicação. Por conta disso, mulheres grávidas devem evitar o contato com o sêmen de pacientes em uso de finasterida, uma vez que essa medicação pode levar à malformação do genital do feto.

A finasterida parece não interferir na fertilidade de homens em geral. Alguns estudos apontam que a finasterida pode causar redução do número de espermatozóides em uma parcela de homens. Nesses indivíduos, a contagem melhorou dramaticamente após a interrupção da medicação.

Baseado nessas informações, a finasterida só deve ser evitada por homens com infertilidade, especialmente aqueles que apresentam espermograma com oligospermia.

Fígado

A finasterida pode provocar uma discreta e passageira elevação de enzimas hepáticas, mas sem sinais clínicos de lesão no fígado.

A melhora dos níveis das enzimas ocorre mesmo sem suspensão da medicação ou redução de sua dose.

O mecanismo desse aumento das enzimas do fígado é desconhecido.

Como a finasterida é metabolizada no fígado, pacientes com comprometimento da função hepática devem evitar seu uso.

Depressão

Há poucos estudos que relacionam o uso de finasterida à depressão.

O mecanismo sugerido para essa associação seria o bloqueio na formação de neuroesteróides, hormônios com atividade neurológica.  A menor quantidade desses compostos diminuiria a atividade de certos sistemas neurológicos, como o GABAa, o que favoreceria o desenvolvimento de depressão.

Por outro lado, há muitos outros estudos, alguns bem significativos como o feito no Prostate Cancer Prevention Trial, com mais de 17 mil participantes, que não encontraram relação entre finasterida e depressão.

Apesar de não haver consenso sobre o tema, recomenda-se evitar a finasterida em pacientes com antecedentes de depressão grave.

Câncer de próstata

Não há estudos conclusivos sobre a associação entre finasterida 1mg/d e câncer de próstata.

Os estudos com finasterida 5mg/d, usada para tratar doenças prostáticas, sugerem que ela possa prevenir ou retardar o aparecimento do câncer de próstata, sendo, entretanto, associada a um aumento da incidência de uma forma mais agressiva desse câncer.

Entretanto, nenhuma das associações parecem interferir na expectativa de vida da população com ou sem câncer.

“Síndrome pós-finasterida”

Existem diversos relatos em mídias sociais e fóruns na internet sobre persistência dos efeitos colaterais sobre a função sexual mesmo após a interrupção do uso da medicação, a chamada síndrome pós-finasterida.

Somente recentemente esses efeitos vêm sendo estudados pela comunidade médica. Entretanto, não há consenso nos poucos estudos existentes e a incidência de tais fatos não é conhecida.

Dúvidas sobre efeitos colaterais da finasterida: o que fazer?

Apesar de existirem poucas opções de medicações aprovadas para o tratamento da calvície, a escolha da melhor estratégia depende de diversos fatores que precisam ser levados em conta, incluindo os possíveis efeitos adversos adversos e riscos à saúde.

Por isso, é interessante procurar uma orientação médica antes de iniciar um tratamento ou medicação.

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

 

6 Comentários. Deixe novo

  • Fábio Augusto Andrade
    02/09/2018 04:41

    Olá

    Me chamo Fábio e estou interessado em tratamento para queda de cabelo

    Me recomendaram a clinica doppio. Qual o valor da consulta?

    Responder
  • Ola

    O que a prática clinica de vocês diz sobre o uso de finasterida em pessoas com histórico ou em tratamento para ansiedade/depressão?

    Responder
    • Olá, Theodoro

      Pacientes com problemas capilares estão mais sujeitos a desenvolverem quadros como a ansiedade e a depressão (https://clinicadoppio.com.br/depressao-e-queda-de-cabelo/).
      Portanto, isso acaba confundindo a avaliação sobre uma possível associação entre finasterida e esses transtornos de humor.
      Mas, em geral, não é comum pacientes que não apresentem histórico de ansiedade ou depressão virem a apresentar esses sintomas depois do iniciar o uso de finasterida.

      Responder
  • Marcelo Domiciano Pacheco
    12/09/2019 20:36

    Boa tarde, estou pensando em fazer o tratamento com finasterida mas tenho medo dos efeitos colaterais são duradouros ?

    Responder
    • Dr. Nilton de Avila Reis
      12/09/2019 23:43

      Olá, Marcelo

      Os efeitos colaterais da finasterida são infrequentes e não costumam ser duradouros.
      No entanto, se você não se sente seguro, agende uma consulta com um médico especialista para esclarecer melhor suas dúvidas.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-lo.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu