Espinhas no couro cabeludo: o que pode ser?

Espinhas no couro cabeludo: o que pode ser?

A presença de espinhas no couro cabeludo pode ser sinal de uma série doenças inflamatórias ou infecciosas.

Como identificar as espinhas no couro cabeludo?

A palavra espinha geralmente é usada para descrever caroços ou nódulos vermelhos, com ou sem pus, que aparecem na pele.

No couro cabeludo, dependendo da quantidade de cabelos, essas lesões podem não ser visualizadas facilmente.

Nesse caso, elas costumam ser notadas durante palpação do couro, quando se percebe a presença de pequenas saliências, muitas vezes acompanhada de inchaço, ardência, dor ou coceira.

Outras vezes, essas lesões são descritas como “bolinhas” ou machucados com “casquinhas”, ou seja, crostas no couro.

Quadros mais graves incluem bolhas ou feridas com pus, com possibilidade de formação de cicatrizes e perda definitiva dos cabelos.

Quais as causas mais comuns de espinhas no couro cabeludo?

Apesar de acne ser o termo científico mais usado para designar espinhas, no couro cabeludo, foliculite seria mais apropriado.

Isso porque nessa região a inflamação geralmente acomete o folículo piloso, parte do fio que fica dentro da pele.

Mesmo que o quadro clínico possa ser semelhante, as causas de foliculites ou espinhas do couro cabeludo podem ser diversas.

Infecções bacterianas, fúngicas, virais pelos encravados ou doenças inflamatórias da pele são as causas mais comuns.

Algumas delas serão descritas a seguir.

Foliculite bacteriana

Esse tipo comum de espinha ocorre quando os folículos pilosos são infectados por bactérias, geralmente Staphylococcus aureus (estafilo).

Os estafilos estão presentes na superfície da pele, fazendo parte da microbiota normal.

Entretanto, quando há cortes ou machucados, por menores que sejam, pode haver a entrada deles para dentro da pele causando infecção.

A foliculite pode atingir qualquer pessoa, sendo alguns grupos mais suscetíveis a condição. São eles, por exemplos:

  • Baixa imunidade
  • Portador de doenças como diabetes, leucemia crônica, HIV/AIDS
  • Pessoas que fazem o uso de medicamentos com esteróides ou antibióticos
  • Raspar a cabeça com lâminas
  • Uso de acessórios que provocam o calor e suor, como toucas e bonés
  • Acne ou dermatites

Qualquer dermatite do couro cabeludo, seja ela atópica, por alergia a algum produto ou mesmo a seborreica podem causar foliculite.

Uma das explicações para o aparecimento de espinhas no couro cabeludo de pessoas com dermatite seria a inoculação de bactérias pelo frequente ato de coçar a cabeça.

Infecções fúngicas

Apesar de ser menos comum do que a infecção bacteriana, a infecção fúngica também pode levar à formação de espinhas no couro cabeludo.

A micose é uma infecção fúngica que se desenvolve em diferentes partes do corpo. No couro cabeludo, ela é conhecida como tinha capitis.

A micose do couro cabeludo é bem mais frequente em crianças do que em adultos.

A lesão da tinha capitis tem um aspecto escamoso, vermelho e pode resultar em áreas com queda de cabelo.

Especialmente na sua forma inflamatória, conhecida como kerion, também pode haver a presença de espinhas no couro cabeludo.

Trata-se de uma doença contagiosa, que costuma ser transmitida por pessoas ou animais contaminados

Foliculites inflamatórias

Diversas doenças inflamatórias podem se apresentar como espinhas no couro cabeludo.

Em geral, são doenças raras, não contagiosas e que podem levar a formação de cicatrizes e perda definitiva dos cabelos.

A causa exata dessas condições não é conhecida, acreditando-se que elas talvez possam ser causadas por uma reação anormal a bactérias como o Staphylococcus aureus.

Nesse grupo estão, por exemplo, a foliculite decalvante, a foliculite abscedante e a foliculite queloidoina da nuca.

Foliculite decalvante

A foliculite decalvante acomete tanto homens quanto mulheres, sendo mais comum em homens. Adultos são mais acometidos do que crianças.

Além de sinais inflamatórios como vermelhidão, descamação, crostas e espinhas no couro cabeludo, essa foliculite apresenta tipicamente diversos fios saindo de um mesmo orifício, como se fossem cabelos de boneca.

Foliculite dissecante ou abscedante do couro cabeludo

Consiste em uma inflamação crônica caracterizada por nódulos flutuantes e interconectados.

É mais comum em homens jovens e está relacionada com falhas irregulares no cabeludo.

Foliculite queloidiana da nuca

Inflamação rara que ocorre na região posterior do couro cabeludo e pescoço, especialmente em homens negros com menos de 40 anos de idade.

A condição manifesta-se como espinhas foliculares acompanhada de fibrose e formação de queloide.

Espinhas no couro cabeludo: o que fazer?

Foliculites são extremamente comuns, mesmo no couro cabeludo.

Na maior parte das vezes, são lesões isoladas com resolução espontânea em alguns dias.

Entretanto, caso apareçam diversas espinhas no couro cabeludo e a condição se torne persistente ou se agrave procure um médico.

Isso porque o atraso no reconhecimento de condições mais graves como infecções e foliculites cicatriciais pode agravar o quadro e causar sequelas definitivas.

A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *