Foliculite capilar: causas e tratamentos

A foliculite capilar é um problema que incomoda muitos homens e mulheres.

Sua origem é diversa, assim como suas possibilidades de tratamento.

Por isso, o controle da foliculite no couro cabeludo depende, antes de mais nada, do diagnóstico correto.

O que é foliculite?

A foliculite é a inflamação da região próxima ao folículo capilar, ou seja, da porção do pelo que fica dentro da pele.

Quando ela ocorre no couro cabeludo, temos a foliculite capilar.

Existem diversas causas de foliculite na cabeça ou no corpo.

Em geral, as causas de foliculite podem ser divididas em infecciosas ou inflamatórias.

Na foliculite infecciosa, o microorganismo invade o folículo piloso, desencadeando uma reação inflamatória.

As principais foliculites infecciosas são:

  • foliculite bacteriana;
  • foliculite fúngica;
  • foliculite viral;

Toda foliculite infecciosa tem inflamação, mas nem toda foliculite inflamatória tem um agente infeccioso.

Alguns tipos de foliculite se desenvolvem mesmo quando não há nenhuma contaminação por microorganismos.

Nesse caso, a inflamação pode ocorrer por alteração da resposta imune, formato do pelo ou ainda causas desconhecidas.

Foliculite no couro cabeludo

A presença de foliculite na cabeça não costuma passar desapercebida.

Além da presença de espinhas, casquinhas ou feridinhas no couro cabeludo, a foliculite capilar pode ainda ser acompanhada de coceira, dor, pus e até sangramento.

O incômodo causado pelos sintomas da foliculite no couro cabeludo pode ainda ser agravado pelo fato de que alguns tipos de foliculite capilar são acompanhados de queda de cabelo e calvície definitiva.

A seguir serão apresentados os principais tipos de foliculite capilar, suas causas e tratamentos.

Foliculite capilar infecciosa

A foliculite capilar infecciosa ocorre pela contaminação da raiz do cabelo por um microorganismo, seja ele bactéria, fungo ou vírus.

Para chegar ao folículo capilar, o agente infeccioso precisa atravessar a barreira cutânea, o que geralmente ocorre após um trauma da pele próximo ao fio de cabelo.

As principais causas de trauma associados à foliculite capilar são:

  • hábito de passar a mão ou coçar o couro cabeludo com frequência;
  • costume de retirar com a unha casquinhas ou bolinhas que se formam na cabeça;
  • raspar a cabeça;
  • prótese capilar ou aplique do tipo Mega hair;
  • tricotilomania, ou seja, o hábito de puxar e arrancar cabelo;
  • touca, chapéu, gorro, capacete ou boné apertados.

Uma vez que a pele está lesionada, é mais fácil para os germes invadirem o folículo e causarem a infecção.

Por se tratar de uma infecção, essa forma de foliculite capilar é contagiosa, podendo passar de uma pessoa para outra.

As principais infecções associadas à foliculite na cabeça serão apresentadas a seguir:

Foliculite capilar por bactéria

A causa mais comum de foliculite capilar é a infecção pela bactéria Staphylococcus aureus.

Esse tipo de bactéria faz parte dos microorganismos que vivem na superfície da pele do couro cabeludo e do corpo.

Enquanto o Staphylococcus está somente do lado fora, ele não causa tantos problemas.

Entretanto, quando há alguma lesão cutânea e o S. aureus entra para dentro da pele, ele causa infecção.

Dependendo da profundidade que a bactéria se aloja no folículo, temos diferentes manifestações clínicas.

Foliculite capilar superficial

Foliculite capilar superficial por S. aureus 

É a forma mais comum de foliculite do couro cabeludo. Em geral, formam-se espinhas doloridas na cabeça . Dependendo da quantidade e extensão das lesões, elas podem ser acompanhadas do aparecimento de ínguas ou caroços doloridos atrás da orelha e nuca.

Foliculite da banheira quente

outras bactérias como a Pseudomonas também podem causar foliculite capilar superficial. Nesse caso, o contágio ocorre mais frequentemente após imersão em banheiras e piscinas não bem higienizadas, o que também a faz ser conhecida como foliculite da banheira quente.

Foliculite capilar profunda

Sicose

Quando a bactéria S. aureus consegue atingir uma região mais profunda do folículo, ela pode desencadear a sicose.

A sicose é caracterizada por nódulos e abscessos profundos, áreas vermelhas, inchadas, com espinhas ao redor dos pelos.

O local mais comum de acometimento da sicose é a barba, principalmente ao redor da boca, mas ela também pode se estender ao couro cabeludo.

Furúnculo

Assim com a sicose, o furúnculo e o carbúnculo também são resultado da infecção bacteriana profunda do pelo, acometendo também a glândula sebácea.

No furúnculo, a lesão costuma ser mais bem localizada ao redor do fio, com grande inchaço, vermelhidão e dor.

O centro da lesão vai acumulando pus até drenar espontaneamente, soltando uma massa de pus e sangue chamada carnegão.

Carbúnculo

É quando a infecção é ainda mais profunda e extensa do que a do furúnculo. Em geral ocorre na nuca, sendo acompanhada de ínguas dolorosas e até febre.

Foliculite por bactéria gram-negativa

Esse tipo de foliculite capilar geralmente ocorre em pessoas em uso prolongado de antibióticos.

Nesses pacientes, ao matar as bactérias gram positivas, o antibiótico provoca um desequilíbrio na flora bacteriana da pele, propicia do a proliferação das bactérias gram-negativas.

Essas podem invadir os pelos e fios de cabelo causando uma foliculite capilar profunda.

Seu diagnóstico deve ser suspeitado pelo uso crônico de antibióticos e confirmado pela bacterioscopia e cultura da secreção purulenta coletado de suas lesões.

Foliculite fúngica

A contaminação do folículo capilar por fungos não é tão frequente quanto por bactérias.

Apesar de também fazerem parte da flora cutânea, eles costumam causar menos infecção e inflamação dos folículos capilares.

Quando ocorre, a foliculite capilar por fungos pode ser uma manifestação isolada ou ser acompanhada de micose do couro cabeludo ou impinge.

A foliculite capilar fúngica que ocorre de forma isolada é causada principalmente por leveduras como a Malassezia e Candida sp.

Ela acomete mais pessoas acamadas, imunossuprimidos ou com dermatite seborreica grave.

Já a foliculite fúngica que acompanha a micose do couro cabeludo é mais comum em crianças, podendo ser causada por fungos existentes na terra, em animais como cachorros, gatos, cavalo ou vir do contato direto com outras pessoas contaminadas.

Os principais agentes desse tipo de foliculite capilar são fungos do grupo Trichophyton e Microsporum.

Além da foliculite capilar, esses fungos provocam falhas no couro cabeludo de crianças, com descamação, coceira e vermelhidão.

Em alguns casos, a infecção pode ser mais grave, dando origem a quadros como o querion e a tinha favosa.

O kerion celsi é uma inflamação profunda do couro cabeludo por fungos que levam à formação de abscessos, com vermelhidão, inchaço, pus, ínguas e às vezes, até febre. Por se tratar de uma infecção fúngica grave, costuma ser acompanhada de formação de cicatriz e perda definitiva dos cabelos.

Outra micose do couro cabeludo que pode levar à alopecia cicatricial é a tinha favosa.

A tinha favosa é uma impinge do couro cabeludo causada por fungos do gênero Trichophyton.

Nesse tipo de tinea capitis, o fungo invade fio e pele provocando inflamação e casquinhas amareladas típicas, chamadas escútulas fávicas. O nome dessas estruturas vem da sua aparência, semelhante a favos de mel.

A tinha favosa é grave e pode ser evoluir com alopecia cicatricial definitiva.

Foliculite capilar viral

Não é muito comum se ter infecção dos pelos e fios de cabelo por um vírus.

Os vírus costumam ser agentes que infectam mais vias respiratórias, tendo nas mucosas a principal porta de entrada no organismo.

As infecções de pele por vírus ocorrem mais frequentemente pelo papiloma vírus humano (HPV) e pelo herpesvirus.

O HPV é o responsável pelo condiloma acuminado, conhecido como “crista de galo”, e lesões precursoras de câncer de boca, garganta, ânus e colo do útero.

Apesar de provocar verrugas na pele e mucosas, o HPV não está associado a nenhum tipo de foliculite capilar.

A foliculite capilar viral mais comum, apesar de rara, é a foliculite herpética.

Os principais agentes da foliculite herpética são o vírus herpes simples e o da varicela zoster, o mesmo da catapora.

Foliculite decalvante

A foliculite decalvante é um tipo de foliculite capilar em que há inflamação e destruição do folículo, que passa então a ser substituído por cicatriz.

Apesar de alguns autores associarem a foliculite decalvante à presença da bactéria Staphylococcus aureus, a causa desse tipo foliculite capilar ainda é desconhecida.

Por não se tratar de uma foliculite capilar infecciosa, a foliculite decalvante não é contagiosa.

Na foliculite decalvante, a bactéria não é o agente causal direto, mas talvez o fator capaz de desencadear uma resposta inflamatória anormal do organismo contra o fio de cabelo.

O ataque inflamatório ao fio determina sua destruição, com formação de fibrose e cicatriz da pele ao redor dos fios.

O processo acaba gerando o agrupamento dos fios remanescentes em pequenos tufos, com vários fios saindo do mesmo óstio folicular, ou seja, do mesmo buraco no couro cabeludo.

Esse aspecto é conhecido como politriquia ou “fios de boneca”.

Assim, a foliculite decalvante se apresenta como placas vermelhas endurecidas, inchadas, com vários fios agrupados e envoltos por pus.

A foliculite decalvante acomete mais frequentemente adultos do sexo masculino, principalmente imunossuprimidos.

Foliculite queloidiana da nuca

Outro tipo de foliculite capilar inflamatória não infecciosa e portanto, não contagiosa, é a foliculite queloidiana da nuca.

Mais comum em homens da raça negra, esse tipo foliculite na nuca também pode cursar com perda de cabelo e formação de cicatrizes, só que dessa vez, do tipo queloide.

O quelóide é um processo de cicatrização anormal da pele, com formação de um tecido tumoral fibrótico que vai além dos limites da lesão que o deu origem.

No caso da foliculite queloidiana, esses quelóides se formam espontaneamente após quadros de foliculite na nuca.

Tanto a foliculite capilar quanto a formação de quelóide na foliculite queloidiana da nuca têm causa desconhecida.

Um quadro que precisa ser distinguido da foliculite queloidiana é a pseudofoliculite capilar.

De ocorrência mais comum na barba de homens negros, a pseudofoliculite também pode ocorrer na nuca, onde é chamada de acne queloidiana.

A pseudofoliculite é uma condição resultante da irritação crônica provocada pela ponta dos pelos ou fios na pele.

O formato enrolado dos fios faz com que, quando raspados, suas pontas se recurvem pra dentro da pele, provocando irritação, coceira e inflamação.

A manipulação do local pelo incômodo e coceira acabam levando à inoculação de bactérias e agravamento do quadro.

Foliculite dissecante

Mais uma foliculite inflamatória não infecciosa e não contagiosa é a foliculite dissecante.

Esse tipo de foliculite grave faz parte de um grupo de reações inflamatórias exacerbadas da pele que ainda incluem a hidrosadenite e a acne conglobata.

A foliculite abscedante é caracterizada pela formação de nódulos flutuantes e abscessos interconectados, com fístulas que drenam secreção purulenta no couro cabeludo.

A reação inflamatória que dá origem aos abscessos é tão intensa que leva a queda de cabelo com fibrose dos tecidos e alopecia cicatricial permanente.

Outras doenças do couro cabeludo com foliculite

Dentre as outras doenças de pele que podem a acometer o couro cabeludo e causar foliculite capilar estão:

  • Liquen planopilar;
  • Foliculite actínica;
  • Acne necrótica;
  • Erupção acneiforme como a cloracne;
  • Foliculite eosinofílica;
  • Foliculite por medicamento para quimioterapia como o geftinib e o cetuximab.

Como tratar foliculite capilar?

Duas medidas são fundamentais no tratamento para foliculite capilar:

  • fortalecer a imunidade;
  • bloquear o que está causando a foliculite.

Como a foliculite capilar têm inúmeras causas infecciosas e não infecciosas, a escolha do remédio para foliculite capilar vai depender primariamente do diagnóstico.

No caso da foliculite capilar superficial por bactérias, o tratamento da foliculite pode ser feito com antibióticos e anti-inflamatórios tópicos.

Se a foliculite capilar bacteriana for grave, o uso de um antibiótico oral é fundamental para controle da doença.

O tratamento da foliculite capilar por fungos e vírus também costuma exigir uso de medicamentos orais.

Nesses casos, o remédio para foliculite capilar vai ser pode ser orientado por exames como a cultura para fungos ou o Tzanck, exame para diagnóstico de herpes.

O tratamento para foliculite capilar inflamatória não infecciosa é mais diversificado e complexo.

Como se trata de um processo inflamatório de causa desconhecida, há muitas possibilidades terapêuticas, com resultados variáveis.

Na foliculite decalvante do couro cabeludo, o tratamento, por exemplo, pode incluir pomadas de corticoide, antibiótico tópico ou oral, medicamentos como isotretinoína oral até infiltração com corticoide.

O tratamento da foliculite queloidiana da nuca inclui além de antibiótico e corticoides tópicos ou orais, cirurgia para retirada dos queloides que se formam.

Já o tratamento para foliculite dissecante costuma ser uma combinação de todas as modalidades terapêuticas apresentadas nas outras foliculites: drenagem dos abscessos, antibiótico, corticoide, isotretinoína e cirurgia.

Prevenção da foliculite no couro cabeludo

Algumas dicas para prevenir quadros de foliculite no couro cabeludo incluem:

  • lave o cabelo diariamente, especialmente após suar;
  • não coce ou manipule as lesões;
  • evite raspar o cabelo com máquina 0 ou 1;
  • não deixe o cabelo preso com força;
  • cuidado para não aplicar óleos ou cremes próximo a raiz do cabelo;
  • procure não compartilhar seu pente, toalha ou outros objetos de higiene pessoal;
  • certifique-se que a piscina, banheira de hidromassagem ou spa estejam limpos;
  • use um shampoo suave, com ph adequado.

Qual o papel do shampoo para foliculite capilar?

Não existe um shampoo específico para foliculite no couro cabeludo, mas existem produtos que podem ser associados ao plano terapêutico.

Além de remover a sujeira, toxinas e portanto, higienizar o couro cabeludo, o shampoo pode colaborar o tratamento da foliculite do couro cabeludo.

Ativos como corticoide, antifúngicos e outros compostos com poder anti-inflamatório como os óleos essenciais podem ser encontrados em shampoos prontos ou ser adicionados a um shampoo manipulado feito para o tratamento da foliculite capilar.

Apesar de poder ser um auxiliar, é importante ter em mente que o shampoo não costuma ser suficiente para acabar com a foliculite do couro cabeludo.

Como acabar com foliculite no couro cabeludo?

O controle da foliculite capilar depende primariamente do diagnóstico correto.

A partir do momento que se sabe com o que está se lidando, fica mais fácil traçar estratégias de tratamento para controle do quadro.

Em muitos casos, além de reduzir o desconforto provocado pelas lesões, o tratamento precoce também evita a perda dos cabelos.

Portanto, o quanto antes se iniciar o tratamento da foliculite capilar, maiores são as chances de conter a doença.

Para saber como acabar com foliculite no couro cabeludo, faça-nos uma visita!

A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

blank

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Esfoliação do couro cabeludo: indicações, benefícios e riscos
A esfoliação do couro cabeludo pode ser necessário para deixá-lo mais saudável. Mas por que... (Leia mais)
Desintoxicação capilar: cuidados com o cabelo e couro cabeludo
A desintoxicação capilar é um importante passo para a manutenção da saúde dos cabelos. Por... (Leia mais)
Água oxigenada: usos, riscos e efeitos para o cabelo
Muitos usuários de tinturas capilares têm dúvida sobre se usar água oxigenada no cabelo faz... (Leia mais)

19 Responses

    1. Olá, Gleidson

      O endereço é Avenida Lavandisca, 777, conjunto 31, bairro Moema em São Paulo capital.
      Esperamos sua visita!

    1. Olá, Eneida

      Não fazemos consulta online, somente presencial.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-la.

  1. Tenho 75 anos, desde jovem tenho o couro cabeludo com bolhas , COCEIRAS, inflamações, q.acredito tbm emocional, ajudam p.as crises, tive catapora nas infância, HERPES surgem de vez em quanto no couro cabeludo, acredito, ptto m.idade não ajuda p.solucao. p Sr. tem alguma indicação aqui onde eu moro, profissional conhecido,? Ou me indique algum produto tópico para usar?

  2. Dr,
    Tenho uma parte do couro cabeludo atrás que era um pequeno carinho, começou descamar a pele ficou tipo inchado e doi muito, ficou vermelho e ardendo.
    O que pode ser ?

    1. Olá, Alexandre

      Apesar da sua descrição, não é possível dar um diagnóstico sem examinar o paciente.
      Portanto, caso queira que eu te explique o que é essa lesão, sugiro que agende uma consulta.
      Para mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-lo.

  3. Tenho foliculite capilar há mais de um ano. Nenhum dermatologista que fui conseguiram o medicamento para acabar. Vcs poderiam me sugerir algum, que fosse eficaz? Tive herpes ocular.

  4. Cortei o cabelo na máquina pente 0,5 e depois e alguns dias, começaram aparecer bolinhas avermelhadas e com pus, em algumas delas.

    Já utilizei cimecort, ferid, betogenta. Já lavei o cabelo com shampoo cetoconazol, mas elas não desaparecem.

    O que eu devo fazer ?

    1. Olá, Lucas

      Sugiro que não raspe mais o cabelo nem utilize nenhuma pomada ou tratamento local antes de se consultar com um médico especialista.
      É importante que o médico examine a lesão ativa para fazer o diagnóstico e te dar as orientações de forma mais precisa.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-lo.

  5. Eu tenho foliculite, mas o uso de isotretinoina não ta fazendo efeito, e to numa situação um pouco grave onde tenho foliculite no couro cabeludo e agora na cabeça, tem outro tipo de tratamento?

    1. Olá, Diowandro

      A indicação de medicamentos e outras formas de tratamento dependem de uma prévia avaliação médica completa (https://clinicadoppio.com.br/diagnostico-e-exames-para-queda-de-cabelo/), com análise do fio de cabelo, couro cabeludo e exames de sangue.
      Portanto, sugiro que agende uma consulta para que possamos discutir possibilidades terapêuticas.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-lo.

    2. Eu tive foliculite capilar e o dermatologista me receitou vibramicina por 30 dias e Bactroban para passar a noite no local das lesões. Melhorou bastante!!

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *