Foliculite dissecante: causas, diagnóstico e tratamento

Alguns tipos de foliculite do couro cabeludo podem cursar com alopecia cicatricial. Esse é o caso, por exemplo, da foliculite dissecante.

O que é foliculite dissecante?

A foliculite dissecante ou abscedante é uma rara doença inflamatória crônica, progressiva e não contagiosa do folículo capilar. Trata-se de um processo supurativo no couro cabeludo capaz de resultar em alopecia cicatricial extensa e irreversível.

A condição é mais frequente entre homens de 20 e 40 anos com ascendência afro-americana ou afro-caribenha.

Quais são as causas da foliculite dissecante?

Não se sabe ao certo porque algumas pessoas desenvolvem a foliculite dissecante.

Embora alguns autores sugiram uma possível relação com bactérias, fungos ou ácaros, as causas exatas da condição não são claras.

Sabe-se, no entanto, que há uma obstrução da saída dos folículos, gerando entupimento, acúmulo de material e inflamação.

Graças a sua natureza obstrutiva, ela faz parte do grupo de doenças oclusivas foliculares junto a hidrosadenite supurativa, acne conglobata e cisto pilonidal.

Sinais e sintomas da foliculite dissecante

O quadro de foliculite dissecante geralmente se inicia com vermelhidão, espinhas e nódulos cheios de pus no couro cabeludo. É comum os pacientes queixarem de coceira ou dor no local.

Na evolução, os nódulos vão crescendo e se conectando, dando origem a abscessos com fístulas. Além disso, há perda de cabelo com formação de cicatrizes elevadas, semelhantes a queloides nas áreas acometidas.

Em geral, as lesões acometem mais frequentemente a nuca e a região da coroa. Na evolução, pode haver acometimento de todo o couro cabeludo.

A doença é grave?

A reação inflamatória da foliculite dissecante no couro cabeludo costuma ser bem intensa.

A doença pode evoluir com tumorações tão grandes a ponto de deformar a cabeça. 

Além disso, há saída de grande quantidade de pus desses abscessos.

É comum os pacientes se queixarem de sujar as roupas de cama com o sangue e pus das lesões. Isso acaba constrangindo os pacientes em viagens ou até mesmo na ida ao cabeleireiro.

Não bastasse os nódulos, o quadro ainda evolui com perda de cabelo e formação de grandes áreas cicatriciais.

As cicatrizes, por sua vez, são um fator de risco para o desenvolvimento de câncer cutâneo posteriormente.

Mas, apesar da foliculite dissecante ser um quadro grave e agressivo localmente, ela costuma ser restrita à pele. 

Desse modo, mesmo em graus avançados, ela não costuma evoluir com acometimento de órgãos internos.

Diagnóstico 

O exame clínico é suficiente para o diagnóstico da foliculite dissecante, já que a apresentação é bem característica.

Em casos iniciais ou atípicos, no entanto, pode ser necessário se realizar uma biópsia.

Exames de sangue têm pouca utilidade para o diagnóstico, uma vez que se trata de uma doença da pele. Contudo, eles acabam sendo necessários para controle dos efeitos sistêmicos das medicações.

Exames bacteriológicos e culturas para identificação do patógeno também não têm grande valor.

Isso porque a inflamação na foliculite dissecante não é oriunda da ação de patógenos externos.

Tratamento

A foliculite dissecante não se comporta como uma foliculite normal.

No caso de foliculite bacteriana, a administração de antibiótico tópico ou via oral costuma ser suficiente para resolver o quadro.

Já o tratamento da foliculite dissecante acaba sendo mais complexo, surgindo diferentes abordagens terapêuticas. Essas incluem, por exemplo antibiótico, corticoides, drenagem de abscessos, isotretinoína e até cirurgia em alguns casos.

Como se trata de uma doença crônica, com frequentes recidivas, é importante fazer o seguimento médico adequado.

Foliculite no couro cabeludo: o que fazer?

Existem diversos quadros com espinhas no couro cabeludo, sendo alguns mais severos, como por exemplo a foliculite dissecante.

Além de formar grandes abscessos deformando a cabeça, esse tipo de foliculite pode deixar áreas de alopecia cicatricial definitiva.

Por isso, ao apresentar sinais de foliculite capilar, como espinhas, vermelhidão, coceira e ardência,  procure orientação médica especializada.

A Clínica Doppio  possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, contamos ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Queda de cabelo por Ozempic e outros inibidores de apetite
A possibilidade de haver queda de cabelo por Ozempic é uma das preocupações das pessoas... (Leia mais)
Shampoo antirresíduos: composição, ação e indicações
O shampoo antirresíduos ou de limpeza profunda pode ser uma boa aquisição para a rotina... (Leia mais)
Terapia com células estaminais para calvície
A alopecia androgenética, popular calvície, pode ter na terapia com células estaminais a resposta que... (Leia mais)

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *