Forti5: suplemento  para queda de cabelo

Forti5: suplemento  para queda de cabelo

O Forti5 é um suplemento alimentar para queda de cabelo vendido nos Estados Unidos.

Composição

A fórmula do Forti5 tem os seguintes ingredientes: vitamina D, extrato de chá verde, ômega 3, ômega 6, beta sitosterol, melatonina, extrato de isoflavona, gelatina, maltodextrina, dióxido de silício, estearato de magnésio.

Como funciona o Forti5?

O Forti5 é um produto da Q-SkinScience, empresa americana sediada em Miami, na Flórida.

Conforme informações do fabricante, o produto ajudaria o cabelo fino a ficar mais forte e crescer mais rápido.

Ainda segundo a empresa, esse processo se daria através de 5 mecanismos:

  • Auxílio ao estímulo do crescimento capilar
  • Participação na prevenção da queda
  • Suporte nutricional para bloquear a dihiidrotestosterona (DHT)
  • Fornecimento de importantes antioxidantes 
  • Propriedades anti-inflamatórias

A melhor forma de avaliar efeitos e possíveis benefícios do suplemento é saber como age cada um dos seus componentes.

Melatonina

A melatonina é um hormônio produzido pela glândula pineal, localizada no cérebro.

Esse hormônio, importante para o controle do ciclo sono-vigília, também é um potente antioxidante.

Os antioxidantes são compostos que protegem o organismo do ataque de radicais livres.

Além disso, esse hormônio é capaz de estimular o reparo do DNA das células danificados pelos radicais livres.

Vitamina D3 (colecalciferol)

Dados de estudo em animais sugerem que a vitamina D desempenha um papel no ciclo do cabelo.

Um estudo em modelos animais, por exemplo, mostra o aumento dos receptores de vitamina D durante as fases de crescimento do cabelo.

Outro estudo em ratos sugere haver queda de cabelo provocada por deficiência de vitamina D.

Em humanos, um pequeno estudo mostrou níveis menores de vitamina D em mulheres com queda de cabelo.

Fatores de risco para deficiência de vitamina D incluem: baixa exposição solar, pele escura, obesidade, má-absorção de gorduras, bypass intestinal.

Beta sitosterol

O beta-sitosterol é um fitoesterol, ou seja, um composto derivado de planta que tem estrutura semelhante ao colesterol.

Os fitoesteróis podem ajudar no controle do colesterol por dificultar sua absorção e facilitar sua excreção.

Um estudo em animais sugeriu que altas doses de beta-sitosterol poderia alterar o metabolismo da testosterona por inibir a enzima 5-alfaredutase.

O consumo excessivo de fitoesteróis, no entanto, também pode causar efeitos indesejáveis, como redução dos carotenóides no sangue.

Isoflavona

A isoflavona é um derivado da soja muito utilizado como alternativa para tratamento dos sintomas da menopausa.

Alguns estudos sugerem que seus benefícios poderiam se estender aos cabelos.

Um estudo de 2007, por exemplo, testou capsaicina e isoflavona em ratos e humanos.

No estudo, houve aumento do fator de crescimento IGF1 associado ao crescimento capilar em humanos e ratos.

Outro estudo de 2017 mostrou possível ação anti-androgênica da isoflavona em ratos com síndrome dos ovários policísticos.

A possibilidade de ação inibitória da isoflavona na enzima 5-alfa-redutase também foi abordada em um outro estudo em 2018.

Extrato de chá verde (Camelia Sinensis)

O extrato de chá verde é um composto botânico rico em polifenóis, substâncias com ação antioxidante e, portanto, protetora.

Além disso, o chá verde possui atividade anti-inflamatória, o que poderia ser útil para a queda de cabelo.

Apesar de suas propriedades medicinais, o consumo do chá verde não é isento de riscos.

Entre os problemas causados pelo seu uso encontra-se, por exemplo, danos hepáticos.

Ômega 3 e ômega 6

O ácido linoléico, ou ômega 6, e o ácido alfa-linoléico, ou ômega 3, são considerados ácidos graxos essenciais.

Isso porque eles são gorduras poliinsaturadas que o corpo não consegue produzir.

Dessa forma, torna-se necessário que eles sejam adquiridos através da alimentação. 

Alimentos ricos em ácidos graxos essenciais incluem: salmão, atum, truta, vegetais verde escuros, semente de linhaça e alguns óleos vegetais.

O ômega 3 e 6 são importantes para a boa saúde do organismo.

Além de fazer parte da estruturas de membranas, eles ainda têm propriedades anti-inflamatórias.

Quem pode tomar o Forti5?

A dose recomendada é de 2 cápsulas por dia. 

A princípio, por ser um suplemento nutricional, não há muitas restrições para consumo.

Entretanto, gestantes, mulheres em amamentação e crianças de até 3 anos devem fazer uso somente com orientação médica.

Forti5 engorda?

Não há informações nutricionais no produto.

Portanto, não é possível saber se ele engorda.

Quais os efeitos colaterais do Forti5?

Não há efeitos adversos significativos relatados pelo fabricante ou na literatura médica.

Forti5 funciona?

O Forti5 foi avaliado em um pequeno estudo publicado em 2017, em que participaram 10 adultos com alopecia androgenética. 

Do total de participantes, havia 6 homens e 4 mulheres.

Para fazer parte da pesquisa, os pacientes não podiam ter feito nenhum tratamento nas 24 semanas anteriores.

Além disso, eles também foram orientados a não usar nenhum medicamento durante o período do estudo.

Os resultados foram avaliados após uso exclusivo desse suplemento por 24 semanas.

Na opinião dos avaliadores, houve alguma melhora em 8 casos, sendo essa significativa apenas em 1 caso.

Apesar do estudo mostrar melhora com o uso do suplemento, cabem várias ressalvas.

Primeiramente, um estudo com 10 pessoas para se avaliar a eficácia de um produto não é significativo.

Outro fato que depõe muito contra à credibilidade dos resultados é que o principal pesquisador desse estudo é um dos acionistas da empresa que desenvolveu o suplemento.

Com esses argumentos, os resultados desse estudo passam a ser questionáveis.

Outro ponto importante é que possíveis benefícios dos produto também não são garantidos com a sua suplementação.

Isso porque em alguns casos só haveria melhora  se houvesse deficiência do composto e em outros porque a quantidade necessária para se obter os benefícios seria muito alta.

Além disso, o Forti5 é um suplemento alimentar e não um medicamento.

Ele não tem nenhum princípio ativo aprovado para tratar a alopecia androgenética.

Portanto, ele não deve ser visto como um tratamento para queda de cabelo ou rarefação capilar.

Forti5: considerações finais

Desde que bem indicados, suplementos alimentares podem auxiliar no tratamento da queda de cabelos.

Assim antes de usar esse ou outros suplementos alimentares, é importante consultar um médico.

Somente após avaliação completa do fio de cabelo, couro cabeludo e exames de sangue é possíveis determinar a necessidade do uso desses compostos.

A Clínica Doppio, além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *