Grávida pode pintar o cabelo?
A dúvida sobre se grávida pode pintar o cabelo é muito comum.
O receio das futuras mães é prejudicar o bebê com compostos químicos presentes na tinta.
Apesar de geralmente ser desaconselhada a tingir os cabelos, a resposta parece não ser unânime, mesmo entre médicos.
Há poucas pesquisas sobre o tema, sem consenso sobre o uso ou não de colorações capilares durante a gestação.
Além disso, como há dados na literatura médica sobre os dois lados, cada profissional se baseia naquilo que lhe convém.

Pintar o cabelo na gravidez prejudica o bebê?

As gestantes costumam evitar diversos remédios e substâncias durante a gravidez.
A lista de compostos proibidos é longa e dinâmica, ou seja, está em constante mudança.
Os componentes das tintas de cabelo também variam.
Em geral, as substâncias químicas mais presentes em tintas são a fenilenediamina, 3-aminofenol, resorcinol, tolueno-2,5-diaminosulfato, sulfito de sódio, ácido oleico, hidróxido de sódio, hidróxido de amônio, propilenoglicol e álcool isopropílico.
Dependendo do efeito de uma substância para o feto, ela é classificada como:
  • Agente mutagênico: capaz de induzir uma mutação no DNA das pessoas;
  • Carcinógeno ou cancerígeno: colabora para o aparecimento de câncer;
  • Agente teratogênico: produz danos a estruturas ou funções do feto.
Alguns estudos científicos apontam possíveis riscos ao bebê associados à tinta de cabelo.
Dentre os riscos apresentados encontram-se má-formações, baixo peso ao nascer e até câncer.

Tintura de cabelo e câncer infantil

Um dos estudos a abordar a ligação entre tinta de cabelo na gestação e câncer no bebê foi feito no Brasil.
O estudo envolveu 13 estados e dados referentes ao acompanhamento de bebês com câncer entre 1999 e 2007.
Segundo a pesquisa, houve associação entre o uso de química no cabelo e leucemia em crianças menores de 2 anos.
A avaliação englobou o uso de química, seja para alisamento ou coloração, sendo o risco mais associado ao uso dos produtos no primeiro trimestre da gestação.
Além do câncer no sangue, trabalhos científicos também apontam o risco de bebês desenvolverem cânceres na bexiga e cérebro.
Em um artigo de revisão, três de quatro estudos sobre o tema mostraram chances aumentadas de câncer cerebral em crianças cujas mães tingiram o cabelo na gestação.

Tinta no cabelo e baixo peso ao nascer

Além do risco de câncer, a tinta de cabelo também poderia causar retardo no desenvolvimento do feto.
Pelo menos isso é o que indica um estudo chinês de 2018.
Após avaliar 6203 grávidas, os pesquisadores chineses observaram uma taxa maior de recém-nascidos com baixo peso entre usuárias de tinta até mesmo antes da gestação.

Malformação fetal

Experimentos em ratos e coelhos também sugeriram risco aumentado de teratogenicidade por compostos da tinta de cabelo.
Segundo esses testes em laboratórios, substâncias como a fenilenodiamina, aminofenóis e etalonamina em altas doses poderiam causar defeitos no bebê.

Argumentos a favor de que grávida pode pintar o cabelo

Assim como existem artigos científicos apontando possíveis riscos de grávidas usarem tintura capilar, há também dados científicos defendendo que grávida pode pintar o cabelo.
Um desses artigos é a revisão publicada em 2005 na importante revista científica JAMA.
Ao levantar dados de outros estudos, os investigadores concluíram não haver aumento do risco de desenvolver leucemia em usuários de tinturas capilares.
Um artigo escrito por médicos de família do Canadá também defendem não haver evidências suficientes de defeitos ou câncer no feto causados pela tinta de cabelo.
Segundo esse artigo, muitos dos possíveis compostos químicos cancerígenos foram retirados das fórmulas das tintas capilares ainda nos anos 1980.
Além disso, eles argumentam que a maioria dos estudos sobre o uso de tintas de cabelo pra uso pessoal ou profissional não revelam aumento do risco de câncer nos usuários.
Ainda de acordo com os pesquisadores, os estudos sobre câncer infantil possivelmente provocados por tintura capilar são inconsistentes.

Má-formações fetais e tinta de cabelo

Os pesquisadores canadenses também questionam os estudos com animais que mostraram potencial teratôgenico das tintas.
Eles apontam que os estudos em humanos revelam uma absorção muito limitada de compostos da tinta pela pele. Eles alertam, no entanto, que essa absorção pode aumentar em casos de existência de portas de entrada no couro cabeludo, como feridas ou infecções.
Os pesquisadores ainda destacam ser improvável que substâncias químicas da tinta alcancem a placenta em quantidades suficientes para prejudicar o feto.

Cabeleireira grávida pode pintar o cabelo de clientes?

A dúvida se a tinta de cabelo prejudica o bebê não se restringe somente às usuárias do produto.
Profissionais da área capilar se expõem frequentemente e também temem os possíveis riscos associados ao manuseio de colorações.
Para esclarecer a dúvida, o grupo de pesquisadores do Canadá levantou trabalhos envolvendo cabeleireiras grávidas.
O objetivo da revisão era avaliar se uma profissional de salão grávida pode pintar o cabelo de clientes.
Um dos trabalhos descritos na revisão foi feito com 18 cabeleireiras que faziam até 6 colorações por dia.
Ao medir os índices de componentes da tinta nas funcionárias, observaram-se valores dentro do limite permitido pelos órgãos de saúde.
Além disso, segundo outro estudo apresentado pelos canadenses, o número de colorações realizadas pela profissional não se relaciona com as chances de ela ter aborto espontâneo.
Para concluir o assunto, os canadenses apontam que os riscos para os bebês são baixos desde que as cabeleireiras adotem cuidados básicos como:
  • uso de luva para manusear produtos;
  • jornada semanal de até 35 horas;
  • ambiente ventilado.

Grávida pode pintar o cabelo com qual tinta?

Não há só uma marca de tintura para grávidas disponível no mercado.
Quando optam por pintar, as colorações usadas por gestantes acabam sendo as mesmas daquelas aplicadas por quem não está grávida.
Alguns médicos ginecologistas, pediatras e dermatologistas adeptos à opinião de que grávida pode pintar o cabelo, no entanto, têm suas preferências.
Em geral, eles orientam suas pacientes a usar um determinado produto, como henna, tonalizante, ou até mesmo alguma marca de tintura.
As orientações e escolhas dependem do conhecimento e experiência de cada profissional.

Cuidados para pintar o cabelo durante a gravidez

Segundo a agência britânica de saúde NHS, as químicas presentes em tintas de cabelo, sejam elas permanentes ou semi-permanentes, não são altamente tóxicas.
Ainda de acordo com a agência, as pesquisas sobre o assunto, mesmo limitadas, parecem apontar que grávida pode pintar o cabelo.
A NHS até cita estudos mostrando determinadas substâncias presentes na tinta que poderiam causar danos à saúde.
Mas o órgão do governo britânico em seguida afirma que as doses tóxicas para causar tais efeitos são muito altas do que aquelas encontradas em mulheres ao tingirem o cabelo.
Para quem se decide por pintar o cabelo na gestação, a NHS recomenda alguns cuidados como:
  • esperar pelo menos 12 semanas de gestação, ou seja, após o 3o mês de gravidez;
  • usar luvas;
  • fazer um teste prévio em uma pequena mecha de cabelo;
  • deixar a tinta pelo mínimo tempo possível;
  • fazer o procedimento em um lugar bem ventilado;
  • lavar o couro cabeludo após terminar de tingir o cabelo.
 
A agência também lembra que se as mechas ou luzes forem feitas somente no comprimento dos fios os riscos são ainda menores.
Por fim, a NHS aponta o uso da henna, tinta vegetal semi-permanente, como uma alternativa segura para pintar o cabelo durante a gestação.

O que fazer com o cabelo branco na gravidez?

Ao descobrir a gestação, um dos primeiros conselhos que grávidas costumam ouvir é para parar de pintar os cabelos.
Por estar carregando o filho em formação no ventre, a mãe aumenta a responsabilidade e atenção quanto à exposição a remédios e possíveis agentes tóxicos.
Ainda mais se tratando de um produto de fim puramente estético.
Por outro lado, ter cabelos brancos durante nove meses também não agrada boa parte das gestantes.
Diante desse dilema, o que fazer?
A ciência e a opinião médica se dividem se grávida pode pintar o cabelo.
Alguns estudos apontam riscos associados à tintura capilar.
Outras pesquisas, no entanto, indicam achados diferentes.
Teoricamente, a pele absorve uma quantidade limitada de tintura de cabelo.
Entretanto, se houver irritação, infecção, corte ou machucados na cabeça, a absorção pode ser maior.
As pesquisas sobre se grávida pode pintar o cabelo também ainda são limitadas e inconclusivas.
Portanto, antes de optar por fazer qualquer procedimento capilar com química durante a gravidez, é importante consultar um médico de confiança.
Ele pode não só ajudar a esclarecer não só riscos da gestante e do bebê, como também orientar sobre o uso e escolha do método de coloração.
Ainda em dúvida se grávida pode pintar o cabelo? Então faça-nos uma visita.
A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.
Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.
blank

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Hidrofobia capilar: causas, prevenção e tratamento
A hidrofobia capilar acomete principalmente pessoas com cuidados excessivos com os cabelos. O que é... (Leia mais)
O que há por trás do cabelo ruivo?
O cabelo ruivo natural desperta muitas curiosidades nas pessoas. Não por acaso, os ruivos chamam... (Leia mais)
Tratamento para queda de cabelo com Nioxin funciona?
O Nioxin é uma marca de produtos capilares do grupo Wella. A sua principal proposta... (Leia mais)

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *