Hidrofobia capilar: causas, prevenção e tratamento

A hidrofobia capilar acomete principalmente pessoas com cuidados excessivos com os cabelos.

O que é hidrofobia capilar?

O termo “hidro” vem do grego hudro e significa água. Já o sufixo “fobia” tem origem grega da palavra phóbos e quer dizer medo ou aversão.
Assim, hidrofobia significa aversão à água.
A hidrofobia capilar, por sua vez, é a expressão usada para designar a dificuldade da água em penetrar nos fios de cabelo.

Por que o cabelo repele a água?

O fio de cabelo é formado por camadas concêntricas, como uma casca de cebola.
A camada mais superficial da haste capilar é a cutícula, composta por escamas.
As escamas da cutícula são recobertas por uma fina membrana de proteínas, a epicutícula, e certa quantidade de óleos naturais.
A composição desses óleos inclui o ácido 18-metileicosanoico (18-MEA) e lipídeos livres.
Como água e óleo não se misturam, a presença dessa fina capa contendo proteínas e 18-MEA acaba por garantir a repulsão natural do cabelo à água.
Além de conferir hidrofobicidade ao fio, os óleos naturais também contribuem para outras propriedades capilares.
Dentre elas estão, por exemplo, lubrificação, manutenção da hidratação, redução da fricção e do desgate gerado pelo contato entre os fios.

Quais as causas da hidrofobia capilar?

A repulsão à água pode ser natural do cabelo, mas também pode ser adquirida ou exacerbada por hábitos e rotinas capilares.
Apesar da hidrofobia poder acometer todos os tipos de cabelo, ela é mais comum em cabelos crespos.
De acordo com os estudos científicos, o cabelo étnico contém mais lipídeos em sua composição.
Por isso, ele tende a repelir mais a água, dificultando sua absorção.
Além da composição natural do fio, outros fatores também podem interferir em sua hidrofobia.
Um deles é o hábito de passar muito creme, máscara, pomadas ou óleos no cabelo.
O acúmulo de resíduos na haste capilar dificulta a absorção de água pelos fios, ou seja, aumentam a hidrofobia capilar.
Geralmente o problema é causado pela deposição de compostos derivados do petróleo. Esses incluem, por exemplo, a parafina, silicones e petrolatos presentes nos produtos capilares.
Essas substâncias são comuns em condicionadores, pomadas, leave-in, máscaras e ativadores de cacho, dentre outros.
Como pessoas com fios cacheados e crespos usam mais esses produtos, elas tendem a ter mais propensão a apresentar a hidrofobia capilar.
Mas não é só isso.
Além do uso excessivo de produtos capilares como cremes e finalizadores, existem outras causas para a hidrofobia, como:
  • lavagem dos cabelos de forma incorreta ou infrequente;
  • escolha de um shampoo inadequado para remover os produtos aplicados.
Mesmo quem não usa produtos com petrolatos e silicone, ou seja, adeptos do low poo e no poo, também estão sujeitos a ter hidrofobia capilar.
No caso, a repulsão à água ocorre não pelo acúmulo de derivados do petróleo, mas de outros resíduos, resultantes do menor poder de limpeza dos produtos usados nessas técnicas.

Quais os sinais e sintomas da hidrofobia capilar?

O acúmulo de resíduos deixados por produtos capilares torna o fio menos permeável à agua.
Com isso, ocorrem algumas mudanças nas características do cabelo, sinalizando para o possível excesso de resíduos nos fios.
Dentre esses sinais encontram-se, por exemplo:
  • opacidade;
  • rigidez;
  • aspecto de cabelo úmido;
  • dificuldade de arrumar o cabelo;
  • quebra do fio.

Como prevenir a condição?

Para prevenir a hidrofobia capilar é preciso adotar uma rotina regular de cuidados como:
  • lavagem do cabelo de acordo com as características do fio;
  • uso de um shampoo adequado ao tipo de cabelo e, se possível, sem resíduos;
  • optar por condicionadores à base de silicones solúveis;
  • fazer enxágue abundante do shampoo e condicionador no banho, evitando o acúmulo desses produtos no cabelo;
  • adotar um cronograma capilar com rotina regular de hidratação e cuidados com máscaras capilares à base de óleos vegetais;
  • não exagerar na frequência ou quantidade de produtos finalizadores.

Como é o tratamento da hidrofobia capilar?

O tratamento para hidrofobia capilar consiste em retirar o excesso de resíduos deixados pelos produtos no fio.
Isso pode ser feito com o uso de um shampoo antirresíduo, detox ou com sulfato.
Todos eles são fortes o suficiente para remover o excesso acumulado de substâncias na haste capilar.
Para os seguidores do low poo, a recomendação é alternar com xampus de limpeza profunda até o aspecto do fio melhorar.

Hidrofobia capilar: o que fazer?

Diferentemente de outras condições capilares, a hidrofobia está mais relacionada ao cuidado excessivo com os fios do que com a ausência de higienização.
Portanto, seu tratamento consiste em algumas mudanças na rotina capilar, incluindo hábitos e produtos.
Entretanto, se o problema persistir ou se houver enfraquecimento capilar, procure um especialista. 
A investigação clínica é necessária para entender quais os problemas com o fio e como tratá-lo da maneira mais acertada e eficiente.
Além disso, casos de quebra ou queda intensa do cabelo, caspa, coceira ou dor no couro cabeludo também necessitam de avaliação médica.
Tem a impressão que seu cabelo está repelindo a água? Então faça-nos uma visita!
A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.
Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.
blank

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Desintoxicação capilar: cuidados com o cabelo e couro cabeludo
A desintoxicação capilar é um importante passo para a manutenção da saúde dos cabelos. Por... (Leia mais)
Diminuição do peso do cabelo: causas e tratamentos
O peso do cabelo é influenciado por diversos fatores, como, por exemplo, comprimento, densidade, espessura... (Leia mais)
Água oxigenada: usos, riscos e efeitos para o cabelo
Muitos usuários de tinturas capilares têm dúvida sobre se usar água oxigenada no cabelo faz... (Leia mais)

4 Responses

    1. Olá, Cleide

      Fico feliz de que tenha gostado do atendimento e que entendido o seu caso.
      Não se esqueça de que é importante continuar acompanhando e reavaliando sua evolução para definir melhor as estratégias de tratamento.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *