implante capilar sintético Hairstetics

Implante de cabelos sintéticos: indicações, riscos e limitações

A utilização do implante capilar sintético para reconstrução de falhas no couro cabeludo é um assunto polêmico.
Iniciada no final dos anos 70, a técnica foi proibida nos Estados Unidos devido a falta de embasamento científico
e riscos associados ao procedimento.

O que é o implante capilar sintético?

O implante de fios sintéticos, também conhecido como biofibra ou Hairstetics, é uma técnica minimamente invasiva em que fibras de poliamida (nylon) ou de outro material artificial são inseridas no couro cabeludo de pessoas com calvície para as cobrir áreas sem cabelo.
Apesar de por vezes ser erroneamente chamado de transplante capilar de fios sintéticos, o implante capilar difere do procedimento cirúrgico.
Primeiro porque não ocorre um transplante propriamente dito.
Para se ter um transplante capilar, é preciso ter a transposição de um tecido vivo, no caso, as unidades foliculares, de um local para o outro.
Além disso, esse processo precisa ser dividido em duas etapas bem definidas:
  • Coleta de unidades foliculares: caraterizada pela retirada de fios de cabelo com a raiz, geralmente da nuca ou laterais da cabeça;
  • Implantação dos fios nas áreas sem cabelo.
O transplante capilar requer toda uma adaptação do organismo para que os fios transplantados sejam nutridos e possam sobreviver.
Já no implante capilar só há uma fase, a de implantação.
Além disso, a fibra implantada não é um fio de cabelo, mas um produto sintético, ou seja, industrial.
Mesmo sendo de material biocompatível, por não ser naturalmente parte do organismo, e sim um corpo estranho, o implante capilar sintético pode causar reações de rejeição a curto e longo prazos.

Como é feito o implante de cabelos sintéticos?

Ao optar por um implante de fios sintéticos, a primeira etapa costuma ser a realização de exames de sangue para avaliação da saúde geral.
Pessoas com tendência às doenças autoimunes, por exemplo, podem apresentar maior predisposição à rejeição de implantes de diferentes tipos, incluindo o de cabelos sintéticos.
Uma vez constatado que não há contraindicações de saúde ao procedimento, passa-se ao estudo de imagens e escolha do material a ser usado.
As fibras artificiais estão disponíveis em diferentes cores, formatos (liso, ondulado, enrolado) e comprimentos, o que possibilita uma maior aproximação visual aos fios naturais do paciente.
O procedimento em si é bem simples.
Escolhidas as características e quantidade de mechas a serem utilizadas, essas passam a serem implantadas no couro cabeludo através de um aparelho apropriado, após anestesia do local.
Os fios sintéticos se fixam à parte profunda da pele por pequenos nós existentes em uma de suas extremidades.
Assim que são implantados, é realizado um teste de tração leve para confirmar que os implantes estão firmes e colocados no lugar correto.
Geralmente os implantes não são colocados todos de uma vez.
Eles costumam ser implantados em pequenas quantidades semanalmente para que seja possível avaliar as reações e testar a aceitação do organismo.
Caso não sejam observadas reações adversas durante esse período de teste, o procedimento passa a ser realizado com maiores quantidades de fios.

Orientações de cuidados após implante capilar sintético

Os cuidados pós-implantação incluem o uso de medicações tópicas e, a critério médico, antibióticos e outros remédios orais.
Em geral, há a recomendação de não se lavar os cabelos por 72 horas e não fazer tinturas por 3 semanas.
Após ser liberada, a higienização do couro cabeludo deve ser feita regularmente com água e shampoo, geralmente indicado pelo médico, que também orienta sobre cremes e outros produtos capilares mais apropriados.
A fim de se evitar a remoção dos fios por tração, um outro cuidado é usar de escovas macias para arrumar o cabelo.

Quais seriam as indicações do implante de fios sintéticos ?

Na teoria, as indicações do implante capilar sintético são muito parecidas com as do transplante cirúrgico.
Basicamente, a idéia é disfarçar a falta de cabelos em pessoas com alguma forma de calvície.
Um dos públicos-alvo do implante é justamente as mulheres com alopecia.
A possibilidade de já colocar fios longos, sem cirurgia, sem queda e com tempo tempo de recuperação curto são os principais atrativos.
Como mulheres costumam ter quadros de alopecia difusa que impossibilitam o transplante cirúrgico feminino, o implante poderia ser uma boa saída.
Homens com área sem cabelo maior do que a quantidade de cabelos restantes também estão entre os candidatos ao procedimento.
Afinal de contas, completar o espaço sem cabelos com fios de outras pessoas ou mesmo com fios sintéticos parece uma idéia bem interessante.
Mas assim como o corpo rejeita os fios de cabelo dos outros, a aceitação de fios sintéticos também não é a mesma do que a do próprio cabelo da pessoa.

Transplante x implante capilar sintético: vantagens e desvantagens

A principio, o implante capilar sintético parece ser bem mais vantajoso do que o transplante cirúrgico.
Enquanto o transplante é um procedimento caro, dolorido e demorado, o implante capilar é mais barato, rápido e menos invasivo, sem nem mesmo ser necessário raspar o cabelo.
Outra vantagem do implante capilar sintético é a possibilidade se ter uma maior densidade e volume de cabelos, uma vez que por serem sintéticos, os fios não precisam do espaço que os folículos transplantados geralmente precisam para preservar sua irrigação e nutrição.
Ao optar pelo implante, não é necessário se afastar do trabalho, com retorno às atividades habituais logo em seguida.
Além disso, o resultado do implante capilar sintético é imediato, enquanto do transplante cirúrgico leva meses para o cabelo crescer.
Todas essas vantagens estimulam à procura pelo implante, especialmente por mulheres com alopecia.
Afinal de contas, quem não gostaria de ter cabelos volumosos, longos, de forma rápida, a um custo mais acessível e sem passar por cirurgia?
Para os médicos também parece ser extremamente vantajoso aprender a fazer o implante capilar, pois se trata de um procedimento tecnicamente bem mais simples, que pode ser realizado no consultório, com uma equipe e estruturas bem menores. Se bem treinado, o médico até consegue fazer o procedimento sem auxiliares, o que é inviável no transplante.
Diante desse cenário, pacientes e médicos se veem bem estimulados a aderir à técnica.
Entretanto, antes de optar por um implante capilar sintético, ambos deveriam se informar bem sobre as possíveis complicações do método.
Nos Estados Unidos, por exemplo, reações como infecções, formação de cistos e inflamações fizeram com que o FDA, órgão de saúde americano, banisse o procedimento em 1983.

Limitações do implante capilar sintético

Assim como qualquer procedimento médico, existem alguns fatores que podem limitar o implante de fios sintéticos.
Dentre eles, têm-se:
  • área do implante: devido à menor espessura da pele, o procedimento é evitado nas laterais da cabeça;
  • quebra e queda de fios: estima-se que entre 15% a 30% das fibras sintéticas quebrem ou caiam anualmente, demandando que novos implantes sejam feitos periodicamente para manutenção dos resultados satisfatórios.
  • coceira no couro cabeludo: o hábito de coçar a cabeça frequentemente pode inviabilizar o procedimento por conta do risco de quebrar, arrancar ou deslocar os fios;
  • prejuízo ao fios naturais: ao implantar fios sintéticos há chance de prejudicar e destruir os cabelos naturais próximos aos do implante;
  • higienização frequente: antes de optar pelo implante, é preciso entender que vai ser preciso lavar com frequência o couro cabeludo para evitar a formação de rolhas de sebo na base das fibras sintéticas.
  • inviabilidade de transplante capilar posteriormente: a reação inflamatória provocada pelo implante sintético pode inviabilizar a possibilidade de transplante capilar no local.

Restrições e contraindicações do implante capilar sintético

Apesar de ser um procedimento simples e não-cirúrgico, nem todas as pessoas podem fazer implante de fios sintéticos.
Dentre as contraindicações do implante capilar sintético têm-se:
  • Doenças sistêmicas: diabetes mal controlado, HIV, hepatites, dentre outras;
  • Doenças autoimunes, incluindo a alopecia areata;
  • Patologias no couro cabeludo: foliculites, psoríase ou câncer de pele;
  • Alopecia frontal fibrosante: devido ao seu caráter inflamatório e passível de recorrência.

Quais os riscos e complicações associados ao implante capilar sintético?

Por mais biocompatível que seja o material, o organismo tende a encarar o implante como um corpo estranho.
Dessa forma, há risco de se desenvolver infecções, inflamações e cistos nos locais implantados.
Mesmo que não ocorra em um primeiro instante, há possibilidade de rejeição tardia dos fios implantados, com formação de cicatrizes de aparência inestética.
Além disso, a reposição de implantes por períodos prolongados pode causar severa atrofia do couro cabeludo, com alopecia cicatricial definitiva.
Seja por rejeição ou pela constante manipulação do couro para reposição, a formação de áreas de cicatriz ou atrofia se tornam mais propensas ao desenvolvimento de câncer de pele.
Estudos científicos apontam que entre 6% e 13% da pessoas submetidas ao implante capilar sintético apresentam complicações como alergias, inflamações e infecções.
Desses casos, cerca de 2% das complicações não foram resolvidas e exigiram a extração das fibras sintéticas.
Como possíveis causas das complicações apontada pelo estudo estão:
  • ausência de testes de tolerância;
  • má seleção das candidatos;
  • sessões massivas de implantação;
  • falta de acompanhamento e cuidados pós-implantação.

Implante capilar sintético: onde fazer?

Atualmente, algumas clínicas ainda oferecem o implante de cabelos sintéticos alegando uma evolução nos materiais usados para que haja maior compatibilidade biológica e minimização dos efeitos colaterais inicialmente relatados.
No Brasil, o método mais utilizado é o da Hairstetics que utiliza fibra nylon e nitinol.

Implante de fios sintéticos vale a pena?

Antes de se decidir pela realização do implante capilar sintético deve-se ponderar todos os seus riscos e benefícios.
Para se tomar a decisão certa é fundamental que o paciente tenha uma opinião médica especializada e de confiança.
A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema. Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.
 

Atendimento

Categorias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *