Irritação no couro cabeludo: o que pode ser?

Não é incomum escutar alguém se queixando de sintomas de dermatite do couro cabeludo como coceira, dor ou queimação.

Embora esses sejam indícios de desordens inflamatórias, há mais de uma possibilidade diagnóstica para o quadro.

Por isso, é importante esclarecer as causas do problema para tornar o tratamento mais efetivo.

Causas de dermatite no couro cabeludo

A dermatite é uma inflamação da pele. Portanto, todas as condições capazes de desencadear um processo inflamatório cutâneo são consideradas dermatites.

Dentre os principais tipos de dermatite do couro cabeludo estão, por exemplo:

  • dermatite seborreica;
  • eczema ou dermatite de contato;
  • psoríase;
  • dermatite atópica;
  • foliculite;
  • alopecias cicatriciais;
  • micose do couro cabeludo.

Para facilitar a compreensão e ajudar no raciocínio diagnóstico, é possível dividir essas condições nos seguintes grupos:

  • doenças infecciosas;
  • desordens inflamatórias;
  • alopecias.

Dermatite do couro cabeludo por agentes infecciosos

Assim como outras áreas do corpo, o couro também está sujeito a infecções, inclusive, por agentes do próprio microbioma capilar.

Essas dermatites do couro cabeludo podem ocorrer por inoculação desses microorganismos na pele ou por um desequilíbrio da microbiota. Esse é o caso, por exemplo, das foliculites bacterianas.

A infecção também pode ser por um agente não habitual, como ocorre na micose ou impinge.

Dermatite do couro cabeludo predominantemente inflamatória

Nesse grupo encontram-se algumas doenças inflamatórias nas quais, mesmo podendo ter a participação de agentes infecciosos, não há infecção.

Fazem parte dessa classe a dermatite seborreica, psoríase e a dermatite atópica, de contato ou eczema.

O desequilíbrio na população de fungos até contribui para a exacerbação da dermatite seborreica, porém eles não invadem a pele.

Desse modo, a inflamação da seborreia visa controlar a proliferação exagerada de fungos e não combater uma infecção.

Por sua vez, o eczema ou dermatite de contato é uma alergia da pele por substâncias químicas.

Dentre os produtos mais comuns de causar dermatite no couro cabeludo estão, por exemplo, as tinturas e o shampoo.

Na dermatite atópica, além da hipersensibilidade, há falhas da barreira cutânea, ou seja, da camada de proteção da pele.

Nos pacientes atópicos, o corpo reage de forma exacerbada a agentes comuns como poeira, ácaros ou pólen, por exemplo.

Além disso, nesses pacientes, a camada de gordura natural que protege a pele é deficiente, gerando ressecamento e irritações.

Já a psoríase é uma desordem inflamatória cutânea de causa desconhecida.

Dermatite do couro cabeludo com alopecia

As alopecias cicatriciais são doenças nas quais a inflamação derruba e destrói o folículo capilar.

Portanto, nesse grupo, há lesões de pele, com queda e perda definitiva do cabelo, substituindo-o por cicatrizes.

Dentre as alopecias inflamatórias encontram-se:

  • líquen planopilar e sua variante alopecia frontal fibrosante;
  • lúpus discóide;
  • foliculite decalvante;
  • pseudopelada de Brocq;
  • foliculite dissecante;
  • alopecia central centrífuga;
  • foliculite queloidiana da nuca.

Sinais e sintomas 

A inflamação do couro cabeludo provoca sintomas como vermelhidão, caspa, coceira, carocinhos, feridas, casquinhas, formigamento, dor, ardência, queimação ou sensibilidade.

Espinhas também podem estar presentes nas foliculites, sejam elas inflamatórias ou infecciosas.

Alguns tipos de dermatite do couro cabeludo ainda podem cursar com queda de cabelo. Esse é o caso, por exemplo, da seborreia e das alopecias cicatriciais.

A dermatite seborreica nem sempre faz o cabelo cair, mas isso pode ocorrer quando há agravamento do quadro.

Diagnóstico 

Embora as dermatites do couro cabeludo apresentem muitos sinais e sintomas em comum, é possível diferenciá-las.

Um bom exame clínico na maior parte das vezes é o suficiente para dar o diagnóstico.

Em alguns casos, no entanto, a tricoscopia digital pode ser necessária, assim como a biópsia.

Além disso, a investigação do eczema e da tinha capitis exigem exames complementares específicos.

Ainda que o diagnóstico dessas condições seja clínico, é preciso se definir seus agentes causais.

Na dermatite de contato, o padrão-ouro é o patch test ou teste de contato.

Já na Tinea capitis, ou seja, na micose do couro cabeludo, é recomendável se fazer exame micológico direto com cultura.

Dermatite do couro cabeludo: tratamento

O tratamento das doenças inflamatórias do couro depende primariamente da causa responsável pela inflamação.

Nas dermatites infecciosas, o objetivo é eliminar os microorganismos responsáveis pela infecção. Desse modo, na foliculite bacteriana utilizam-se antibióticos e para micose, antifúngicos.

Já na dermatite de contato, o tratamento consiste no uso de corticoide e, principalmente, identificação e suspensão do agente causal.

O corticoide ainda faz parte da terapêutica da dermatite atópica, psoríase e de boa parte das alopecias cicatriciais.

Além do corticoterapia, essas patologias geralmente necessitam de outros medicamentos como, por exemplo, imunomoduladores, calcipotriol, cloroquina, metotrexate, retinoides e imunobiológicos

Por sua vez, xampus anticaspa e orientações sobre hábitos são as principais medidas para controle da seborreia.

Inflamação no couro cabeludo: o que fazer?

Embora nem sempre seja possível evitar as desordens inflamatórias do couro cabeludo, alguns cuidados preventivos podem ajudar.

Nesse sentido, uma boa rotina de higiene, com produtos corretos, é fundamental para manter o equilíbrio da microbiota e da oleosidade.

O tipo de corte, acessórios, pentes e hábitos como secar, amarrar, coçar ou manipular também podem interferir.

Por isso, todos esses atos devem ser ajustados, considerando-se as necessidades do tipo de cabelo e a causa da inflamação.

Assim, antes de tratar qualquer dermatite no couro cabeludo, deve-se primeiro buscar um médico especialista para fazer o diagnóstico.

A partir da determinação das causas da dermatite, fica mais fácil orientar as medidas e tratamentos necessários.

Portanto, se você está incomodado com o seu couro cabeludo irritado, não perca mais tempo!

Faça-nos uma visita!

A Clínica Doppio  possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, contamos ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Triconodose: como evitar?
A triconodose é uma situação literalmente embaraçante. Além de prejudicar a saúde capilar, essa condição... (Leia mais)
Terapeuta capilar, tricologista e médico especialista: qual a diferença?
Existem diversos termos para denominar os profissionais que lidam com problemas no cabelo ou couro... (Leia mais)
Finasterida ou minoxidil: qual é a diferença?
Parte dos pacientes com problemas capilares ficam em dúvida se devem usar finasterida ou minoxidil.... (Leia mais)

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *