Latanoprosta: um colírio como tratamento tópico para alopecia?

Latanoprosta: um colírio como tratamento tópico para alopecia?

A calvície genética foi considerada por muito tempo como um fado ou algo para ser aceito como irreversível. Entretanto, novas medicações e procedimentos têm dado perspectivas a quem sofre com a perda dos cabelos. Recentemente, foi levantada a possibilidade do uso da Latanoprosta para alopecia.

Latanoprosta

A Latanoprosta, comercializado como Xalatan, é um composto encontrado em colírios para tratamento da hipertensão intraocular e glaucoma.

O glaucoma é o acometimento do nervo óptico e retina que pode levar à cegueira se não tratado. Um dos fatores de risco mais significativos para o desenvolvimento do glaucoma é o aumento da pressão dentro dos olhos.

Análogos de prostaglandina F2alfa, como o latanoprost e o bimatoprost, fazem parte das medicações para controle da pressão intraocular.

A possibilidade do uso desses colírios para tratamento tópico da alopecia surgiu a partir da observação de seus efeitos colaterais.

Dentre outros efeitos, notou-se que esses colírios levavam ao aumento do número, comprimento, espessura e pigmentação dos cílios. Além disso, eles também aumentavam o escurecimento das pálpebras, induzindo a acentuação de olheiras.

A partir desses efeitos, estudos foram desenvolvidos para avaliar seu uso em condições como vitiligo, cicatrizes hipocrômicas, alopecia por quimioterapia, alopecia areata e alopecia androgenética.

Calvície

A alopecia androgenética é a forma mais comum de calvície. Ela pode afetar até 70% dos homens e 40% das mulheres em algum ponto de suas vidas.

Os homens tipicamente apresentam um padrão de calvície que inclui entradas e formação da “coroa”. Mulheres apresentam padrão mais difuso, com rarefação inicialmente notada no topo da cabeça.

A diidrotestosterona (DHT), derivada da testosterona, é o principal hormônio envolvido no processo da calvície.

Em pessoas com predisposição genética, o DHT provoca o afinamento e encurtamento progressivo dos fios de cabelo. Esse processo, conhecido como miniaturização, pode evoluir até a completa e definitiva extinção dos cabelos na área acometida.

Como age a Latanoprosta para alopecia?

O mecanismo de ação exato da latanoprosta não é conhecido.

Análogo sintético da prostaglandina F2alfa, acredita-se que a latanoprosta age em um receptor do folículo piloso sem relação com os hormônios masculinos.

Seus efeitos seriam opostos ao do DHT, combatendo, dessa forma, a miniaturização.

Assim, ela poderia estimular o aumento e recuperação do calibre dos fios miniaturizados.

Latanoprosta para alopecia funciona?

Um dos poucos estudos sobre o uso da Latanoprosta para alopecia foi realizado em Berlim, Alemanha.

O trabalho foi publicado em 2012 na revista científica Journal of American Academy.

Nessa pesquisa foram avaliados 16 homens com alopecia androgenética, graus II e III de Hamilton.

A Latanoprosta 0,1% e um tópico sem efeito, chamado placebo, foram aplicados diariamente por 24 semanas em 2 áreas do couro cabeludo desses voluntários.

Os resultados do estudo mostraram aumento da densidade capilar na área tratada com Latanoprosta.

A percepção visual de melhora dos participantes também foi avaliada: 50% consideraram boa a resposta ao tratamento com Latanoprosta, 44% não notaram diferença e 6% consideraram o placebo melhor.

Os efeitos adversos da medicação nesse estudo foram foliculite, vermelhidão e sensação de queimação.

Estudos posteriores, no entanto, não confirmaram os resultados acima.

Um estudo clínico realizado pela Allergan, fabricante do colírio Lumigan, contendo Bimatoprost foi interrompido sem publicação dos resultados.

Esse ensaio clínico comparava diferentes formulações de Bimatoprost com minoxidil para tratamento da alopecia feminina.

O uso da Latanoprosta para mesoterapia também foi relatado.

Injeções semanais de latanoprosta 0,03% foram aplicadas em uma mulher de 59 anos com alopecia androgenética, sem sucesso.

Na Itália, em 2015, verificou-se a ocorrência de lesões com pus e feridas no couro cabeludo, condição chamada dermatose pustular erosiva, após uso de Latanoprost para tratar alopecia.

Assim, apesar de sido considerada por muitos como uma nova e promissora alternativa ao tratamento da calvície e queda de cabelo, ainda não há comprovação científica suficiente para dar suporte a sua indicação para esse fim.

Além de não comprovar que realmente funciona para calvície, as possíveis complicações do seu uso desestimulam a indicação Latanoprosta.

Agências reguladoras

A Bimatoprosta 0,03%, presente no Latisse, foi aprovada pela agência americana FDA e ANVISA para tratamento da rarefação de cílios.

Seu uso para tratamento da calvície, no entanto, ainda não foi liberado.

Já o Xalatan, com contém Latanoprosta, só tem aprovação para uso oftálmico.

Não há produto comercial regularizado pela ANVISA ou FDA contendo Latanoprost para tratamento de queda de cabelo ou calvície.

Latanoprosta para alopecia: considerações finais

A busca pela cura da calvície tem trazido uma série de novas propostas terapêuticas.

A maioria dessas, no entanto, continuam ainda como promessas, carecendo de estudos que comprovem sua possível eficácia.

A Latanoprosta, anunciada como possível alternativa tópica para tratamento da alopecia, é um desses casos.

A ineficiência em se comprovar os benefícios da Latanoprosta para alopecia não significa que não existam tratamentos eficazes para queda de cabelo.

Eles existem e estão disponíveis.

Para saber mais sobre o assunto, converse a respeito com um médico especialista.

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *