MMP capilar e outras técnicas de microinfusão do couro cabeludo

O MMP capilar é uma das diversas opções de tratamento para queda de cabelo e calvície.

O que é MMP capilar?

MMP significa Microinfusão de Medicamentos na Pele.

Também conhecido como mesoterapia ou intradermoterapia, o MMP capilar é uma técnica de injeção de ativos diretamente no couro cabeludo.

A aplicação pode ser feita através de seringas, canetas agulhadas ou pistolas de injeção percutânea.

A composição do que se injeta no MMP também é variável.

Existem desde fórmulas prontas de empresas do ramo até receitas de farmácias de manipulação.

No caso da versão manipulada, o médico escolhe quais e quanto de cada substância a ser injetável.

Em geral, esses coquetéis incluem:

  • medicamentos como, por exemplo, finasterida, dutasterida ou minoxidil;
  • fatores de crescimento;
  • prostaglandinas;
  • Saw Palmetto, Serenoa Serrulata ou Serenoa repens;
  • extratos de plantas;
  • vitaminas;
  • vasodilatadores;
  • agentes homeopáticos;
  • outros compostos sem comprovação científica.

Para que serve o MMP capilar?

A técnica de microinfusão no couro cabeludo vêm sendo usada como tratamento auxiliar em diversas patologias capilares, como:

  • alopecia androgenética masculina e feminina;
  • eflúvio telógeno;
  • alopecia areata;
  • alopecias cicatriciais;
  • outras causas de queda de cabelo.

Como funciona a intradermoterapia capilar?

Além da maior absorção e, portanto, ação dos compostos no folículo, a técnica MMP capilar também visa melhorar o microambiente perifolicular.

Na teoria, isso seria possível graças ao aumento da liberação de fatores de crescimento na região.

A produção dessas moléculas pelo corpo visa sinalizar processos de crescimento e reparação dos tecidos.

Assim, ao perfurar a pele para injetar ativos no couro, haveria ainda um estímulo extra à liberação desses fatores.

Por sua vez, a maior presença deles garantia um ambiente favorável e potencializaria a ação dos compostos injetados.

Além do MMP capilar, existem outras terapias de estímulo percutâneo e drug delivery no couro cabeludo.

Dentre elas, tem-se o microagulhamento e o laser fracionado de CO2.

Microagulhamento capilar

O microagulhamento capilar é um procedimento de micropuntura do couro cabeludo com agulhas.

Para realização da técnica, dois tipos de aparelhos são mais comuns: o Dermapen e o Dermaroller.

O Dermapen é uma caneta cuja ponta tem várias microagulhas.

Tanto o tamanho quanto a quantidade das agulhas é variável, com possibilidade de troca de acordo com a necessidade do procedimento.

No modelo elétrico, essa ponta do Dermapen se move dando milhares de picadas em um curto intervalo de tempo.

Já aparelho de Dermaroller é um pequeno rolo com 192 a 540 agulhas.

Essas microagulhas variam de 0,5 a 2,5 mm de comprimento e entre 0,1 e 0,25 mm de espessura.

MMP x microagulhamento capilar

É muito comum pacientes confundirem o MMP e microagulhamento.

Entretanto, apesar de ambas usarem agulhas, MMP e microagulhamento capilar não são a mesma coisa.

Diferentemente da intradermoterapia capilar, o objetivo das agulhas do microagulhamento não é injetar, mas aumentar a absorção de ativos tópicos.

Para isso, utiliza-se aparelhos como o Dermaroller para provocar diversas lesões no couro, facilitando a entrada dos compostos pelos canalículos.

Então, resumindo, o MMP injeta ativos enquanto o microagulhamento capilar cria pequenas aberturas para facilitar a absorção de produtos.

Laser fracionado para cabelo

Assim como o microagulhamento capilar, outra opção de drug delivery é o laser de CO2 fracionado.

No caso, ao invés de agulhas, os buraquinhos são abertos por finíssimos raios de laser. Esses atingem e perfuram a pele como um chuveiro.

Quais os benefícios do MMP capilar?

A partir dos possíveis efeitos da intradermoterapia, acredita-se haver seguintes os benefícios da técnica:

  • melhora da proliferação celular com aumento do crescimento capilar;
  • intensificação do fluxo sanguíneo, com maior disponibilidade de nutrientes e oxigênio;
  • melhora da resposta anti-inflamatória;
  • ampliação da fase anágena crescimento reduzindo a queda de cabelo.

Intradermoterapia capilar funciona?

Alguns estudos científicos têm sugerido um possível papel do MMP capilar no tratamento da alopecia e queda de cabelo.

Uma revisão sistemática considerando 12 estudos (527 participantes no total), por exemplo,  encontrou efeitos positivos da mesoterapia no couro.

Apesar do bom resultado antes e depois do MMP capilar, no entanto, os próprios autores reconhecem a necessidade de mais estudos.

Isso porque ainda há alguns problemas para atestar a eficácia da intradermoterapia capilar no tratamento da alopecia.

Um deles é a quantidade insuficiente de pacientes nos estudos. 

Para saber se uma técnica como a intradermoterapia capilar funciona é preciso avaliar o antes e depois em um grande número de pessoas.

A maior parte das pesquisas sobre MMP capilar envolve grupos pequenos de voluntários, não permitindo uma análise estatística mais precisa.

Outro problema é a falta de dados confiáveis para análise. Boa parte dos estudos existentes apresentam erros de padronização e metodologia no desenho da pesquisa.

Não há um protocolo padrão para tratamento da queda de cabelo e calvície com intradermoterapia capilar.

Com isso, cada profissional conduz o MMP capilar de uma forma, escolhendo substâncias, quantidades e frequência totalmente aleatórios.

Sem uma linha de raciocínio, fica difícil ter conclusões sobre mecanismo de ação, eficácia e segurança do procedimento.

O resultado final é a chance de apresentar mais riscos do que ganhos com a técnica.

MMP capilar: riscos e complicações

Parte das pesquisas sobre a intradermoterapia capilar apontam o método como seguro, com baixos índices de efeitos adversos.

De acordo com esses trabalhos, os principais efeitos colaterais do MMP capilar seriam:

  • inchaço local;
  • dor;
  • vermelhidão;
  • sangramento;
  • infecção;
  • dores de cabeça;
  • queda de cabelo.

Apesar de incômodos, todos esses problemas são bem administráveis.

Entretanto, nem sempre é assim.

Além desses sinais e sintomas, há ainda relatos de casos mais graves envolvendo perigos e complicações do MMP capilar.

Alguns exemplos incluem necrose subcutânea, abscessos no couro cabeludo, edema do rosto e alopecia cicatricial definitiva após o procedimento.

Quando realizar o MMP capilar?

A microinfusão do couro cabeludo ainda não é um consenso no meio médico.

Assim como há pessoas oferecendo o procedimento como opção terapêutica, parte da comunidade médica ainda não se convenceu dos seus benefícios.

Para o grupo contrário ao uso da técnica, pesam os riscos e a falta de estudos científicos confiáveis.

Além do pouco embasamento, destaca-se ainda a falta de padronização e avaliação racional das substâncias injetadas.

Tudo é possível, ficando a impressão de que se trata de algo mais comercial do que realmente efetivo.

Isso sem contar os riscos de complicações do procedimento, mais comuns e preocupantes quando a técnica é conduzida por pessoas não-habilitadas.

Tais aspectos deixam em aberto o uso do MMP capilar como tratamento da alopecia ou queda de cabelo.

Portanto, cabe ao médico responsável avaliar cada caso antes de indicar ou contraindicar o procedimento.

Para saber mais sobre essa e outras alternativas terapêuticas para calvície e queda de cabelo, faça-nos uma visita!

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Umectação capilar noturna: dormir com óleo no cabelo faz mal?
Alguns sites e blogs da internet vem sugerindo dormir com óleo no cabelo para fazer... (Leia mais)
Riscos e efeitos colaterais da dutasterida para tratamento capilar
Desde a sua aprovação para tratamento da calvície masculina pela ANVISA, aumentou-se o interesse por... (Leia mais)
É bom usar Adeforte para cabelo?
Alguns sites e blogs da internet vêm incentivando as pessoas a utilizarem o Adeforte para... (Leia mais)

5 Responses

  1. estou fazendo MMP! A primeira aplicação. tenhk 59 anos de idade. estou usando cápsula fortalecedoura clob x shampoo, dutasterida, minoxedil . vou fazer hidratação com ozônio, argila, óleos essenciais . Ainda, estou em pânico.

  2. Gostaria de saber se o sucesso é em todos os casos de mmp, ou seja, mesmo que não seja 100% todos tem resultado favorável? nasce cabelo mesmo? existem casos de não nascer?

  3. Esse ano comecei a fazer aplicação! A enfermeira fez as medicações junto com plasma! Meu Deus uns 15 ou 10 minutos depois da aplicação pensei que ia morrer! Senti uma forte dor no estômago e ia para o coração!coisa mais estranha nunca tinha passado por isso na vida ! A médica me socorreu lá minha pressão tava 7 ! Daí começou a me dar aquelas placas pelo corpo !Meu queixo ficou duro e muito dormente ! Fui correndo para o hospital ! Tô apavorada e não faço mais isso de jeito nenhum ! E não vi relatos de ngm que ficou do mesmo jeito ! O que será que aconteceu cmg !

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *