tricorrexe nodosa

O que é tricorrexe nodosa e como tratar?

Apesar de pouco conhecida pelo nome científico, a tricorrexe nodosa é comum tanto em homens quanto e mulheres.

O que é a tricorrexe nodosa?

A tricorrexe nodosa é em um alteração da haste capilar que pode ser congênita (infantil) ou adquirida, mas que não é contagiosa.

Nessa condição, há formação de nós ao longo do fio de cabelo. Esses nódulos são causados pela separação parcial das fibras do córtex, ou seja, das fibras internas do fio.

A separação geralmente é acompanhada do rompimento da cutícula, a parte mais externa dos haste capilar.

A primeira descrição de um quadro compatível com tricorrexe nodosa foi feita por Samuel Wilks em 1852.

Entretanto, ela passou a ser chamada dessa forma somente após sua designação pelo especialista M. Kaposi em 1876.

Quando avaliada microscopicamente, é possível identificar esses nós na haste capilar, com a separação dos filamentos da haste.

A olho nu, o máximo que se consegue ver são pequenos pontos esbranquiçados nos fios.

Quando congênita, a tricorrexe nodosa é resultado de uma fragilidade anormal do cabelo, causando lesões em situações triviais, mesmo quando o fio não é exposto a nenhum dano externo .

A condição também pode ser adquirida e nesse caso está relacionada à exposição dos fios a situações indevidas e traumas repetidos, como:

A tricorrexe nodosa pode afetar não só o cabelo, mas também a região pubiana, barba e bigode, sendo que nessas regiões é mais motivada por fatores congênitos.

Estudos científicos estimam que até 18% das mulheres afro-americanas já tiveram tricorrexe nodosa adquirida em decorrência do uso de aparelhos térmicos.

De fato, afrodescendentes têm maior propensão em desenvolver a condição devido as características dos fios, hábitos capilares e penteados recorrentes.

Quais são as características dessa doença?

A tricorrexe nodosa é caracterizada por diversos pontos brancos ao longo da haste capilar que ocorrem em decorrência do rompimento da estrutura do fio.

A partir disso, o cabelo torna-se mais propenso a ter uma quebra progressiva que se inicia nesses pontos lesionados.

Dessa forma, o paciente que apresenta a condição tende a ter um fio com aspecto ressecado, danificado e, claro, quebradiço.

Apesar de os fios continuarem crescendo, a quebra constante das pontas faz com que ele seja menos perceptível ao paciente.

Como saber se tenho tricorrexe nodosa?

Apesar da percepção de abaulamentos ou nós brancos associados a quebra de cabelos ser bem sugestiva da condição, o diagnóstico definitivo depende de exame médico mais detalhado.

Utilizando-se de métodos de amplificação de imagens, como o microscopia óptica, dermatoscopia ou a tricoscopia digital, o médico pode identificar com mais segurança a presença dos nódulos característicos.

Esses exames são importantes para diferenciar a tricorrexe nodosa de outros quadros que podem ter aspecto semelhante como a piedra branca, lêndeas, nós verdadeiros ou outras doenças congênitas do fio, como a tricorrexe invaginata.

Como é realizado o tratamento?

Caso os exames confirmem a condição, é essencial levantar a história clínica para identificar a causa ou agente da fratura capilar.

O primeiro passo é saber se a origem é congênita ou devido traumas repetidos.

Ao se constatar que se trata de uma condição adquirida, é preciso determinar a agressão externa que originou o problema, para que se passe a evitar o agente responsável.

Por exemplo, para alguns pacientes é recomendada a substituição dos pentes usados, redução do uso de equipamentos térmicos ou intervalos maiores entre procedimentos químicos.

O uso de óleos e condicionadores também pode ser recomendado visando à redução dos danos à cutícula por diminui o atrito no momento da escovação.

A tricorrexe nodosa não tem cura.

Nenhum procedimento médico ou de salão é capaz de reparar a ruptura das fibras lesionadas.

Uma vez formada, resta apenas o corte do cabelo como alternativa terapêutica.

É possível prevenir a tricorrexe nodosa?

Após o tratamento o paciente pode adotar mudanças de hábitos que evitem que o problema ocorra novamente. Isso é possível por meio de recomendações como:

● reduzir o uso de secador, chapinha e babyliss e, quando utilizá-los, garantir a distância adequada dos fios, uso de protetor térmico e temperatura adequada;

● aumentar os intervalos entre os procedimentos químicos e, no caso da coloração, fazer a opção por tonalizante ou retoque apenas na raiz para evitar uma maior exposição da haste capilar;

● não aplicar dois ou mais tipos de química nos fios em um curto espaço de tempo;

● adotar um cronograma capilar que contemple a hidratação dos fios;

● ter uma alimentação adequada para garantir a ingestão adequada de nutrientes que serão necessários à saúde dos fios.

Tricorrexe nodosa: o que fazer?

A tricorrexe nodosa é uma condição caracterizada por abaulamentos ou pontos esbranquiçados ao longo dos fios de cabelos.

Ainda que os pontos esbranquiçados auxiliem o paciente na constatação de uma doença capilar, apenas uma avaliação especializada poderá confirmar o caso.

O diagnóstico ocorre pela microscopia da haste capilar e também por tricoscopia.

Caso haja alguma anormalidade com os fios ou problemas recorrentes, como queda e fios quebradiços, é essencial buscar auxílio de um médico especializado em cabelo para diagnóstico e tratamento.

A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

TÍTULO SEO
IMAGENS SEO
IMAGEM 1
tricorrexe nodosa
IMAGEM 2
fio tricorrexe nodosa
LINKS SEO
TEXTO SEO

Não há tratamento caseiro e nem remédio para tricorrexe nodosa do cabelo ou barba. O diagnóstico da tricorrexe nodoso piloso depende de exames.

WORDS SEO

Atendimento

  • Avenida Lavandisca, 777 - Moema, São Paulo, SP. CEP: 04515-011
  • Terça à Sexta: 09hs às 19hs.
    Sábado: 09h às 18hs
  • +55 (11) 3853-9175
Categorias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo protegido.