Por que usar o minoxidil coça?
É muito comum ouvir pessoas reclamando que o minoxidil coça.
Mesmo sendo efetivo no tratamento da calvície masculina e feminina, boa parte dos usuários interrompe seu uso justamente pela coceira.
Se você é um deles e quer saber porque o minoxidil coça o couro, então, continue lendo esse artigo.

O que pode estar acontecendo quando o minoxidil coça?

Em geral, o minoxidil coça quando gera inflamação na pele.
A resposta inflamatória atrai para o local células de defesa, como os leucócitos, eosinófilos e mastócitos.
Além disso, como parte da reação inflamatória, há liberação de substâncias como a bradicinina e a histamina, produzida pelo mastócito.
Essas moléculas são capazes de estimular terminações nervosas livres responsáveis pela sensação de coceira na pele.
Portanto, o minoxidil coça por ativar receptores nervosos da pele através da inflamação.
Mas o que provoca essa inflamação cutânea pelo minoxidil tópico?
Há algumas possibilidades quando o minoxidil coça a cabeça.
Os principais motivos serão descritos a seguir.

Composição

O primeiro motivo pelo qual o minoxidil coça é a sua composição.
A maior parte dos produtos tópicos industrializados e mesmo manipulados contendo minoxidil incluem em sua formulação o propilenoglicol.
O propilenoglicol é um álcool usado na versão líquida do minoxidil para aumentar a sua absorção.
Por ser queratolítico, ou seja, amolecer a queratina, o propilenoglicol facilita a entrada do minoxidil no couro.
O problema é que essa substância também é irritante para a pele.
A irritação gera inflamação e, por conta disso, coceira.
Assim, uma das razões pelas quais o minoxidil coça é a presença de propilenoglicol em sua composição.
Produtos contendo minoxidil em espuma como o Rogaine foam não possuem propilenoglicol em sua fórmula. Por isso, eles são bem mais aceitos do que a versão em tônico ou solução líquida.

Seborreia

Outra causa bem frequente para explicar porque o minoxidil coça é a dermatite seborreica.
A seborreia é uma condição extremamente comum na população.
Seus principais sinais e sintomas incluem caspa, vermelhidão, sensibilidade, ardência, dor e, claro, coceira no couro cabeludo.
O processo inflamatório da dermatite seborreica por si só já causa prurido em muitos casos.
Ao pingar tópicos na pele inflamada, a tendência é piorar ainda mais a situação.
Além da irritação provocada pela química do produto, a própria umidade secundária ao uso do minoxidil colaboram para a coceira.
Isso porque um dos fatores agravantes da dermatite seborreica é a presença de fungos.
Fungos gostam de ambientes quentes e úmidos.
Ao ficar com o couro úmido pela aplicação do minoxidil, a tendência é aumentar a proliferação de fungos no local.
Mais fungo, mais dermatite e coceira.
Portanto, o minoxidil coça a cabeça por aumentar os fungos e agravar a inflamação do couro.

Alergia – dermatite de contato

Uma outra possível causa para justificar porque o minoxidil coça a cabeça é a dermatite de contato.
Popularmente chamada de alergia, a dermatite de contato por sensibilização ao minoxidil não é comum.
Não existem números exatos sobre essa ocorrência, mas os estudos científicos tratam o assunto como algo infrequente. Ou seja, é bem improvável ter alergia ao minoxidil.
Para se caracterizar um quadro de alergia é preciso primeiro já ter usado o produto por um tempo.
Isso porque o corpo precisa ser sensibilizado antes de gerar inflamação.
O mecanismo é mais ou menos semelhante ao de uma vacina.
Nos dois casos, o organismo precisa da exposição prévia ao antígeno, além de um tempo para organizar a resposta imune, seja ela de defesa ou alérgica.
Dessa forma, não faz sentido ter alergia ao minoxidil nos primeiros dias de uso do produto.
Para se comprovar que o minoxidil coça por alergia é preciso se fazer um teste de contato.
O patch test é um exame aplicado na pele com o intuito de reconhecer todas as substâncias às quais a pessoa tem alergias cutâneas.
Uma vez tendo o teste positivo para o minoxidil, a alergia pode então ser confirmada.

O que fazer quando o minoxidil coça a cabeça?

Na tentativa de economizar tempo e dinheiro, algumas pessoas criam o hábito de se automedicar.
Receitas caseiras, fitoterápicos e medicamentos tópicos são usados com esse propósito.
O pensamento é de que mal eles não causam e se não der certo, aí sim vale a pena buscar um auxílio médico.
Se tratando de medicamentos, no entanto, não é interessante seguir esse raciocínio.
Além de retardar o diagnóstico e tratamento corretos da condição, o uso por conta própria de remédios, sejam eles tópicos ou orais, podem acarretar consequências.
O minoxidil, por exemplo, pode agravar quadros de dermatite e queda de cabelo se não usado corretamente.
Então, não faça testes e espere ver se o minoxidil coça antes de procurar um médico especialista.
A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.
Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.
blank

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Mau cheiro no couro cabeludo: o que pode ser?
Algumas pessoas se queixam de sentir cheiro no couro cabeludo. O odor, principalmente quando se... (Leia mais)
Psoríase no couro cabeludo: causas, sintomas e tratamentos
Por ser uma doença crônica, a psoríase no couro cabeludo exige cuidados constantes. O que... (Leia mais)
O que diz a ciência sobre receitas com alimentos para o cabelo
Em busca de tratamentos caseiros naturais, algumas pessoas recorrem ao uso de receitas com alimentos... (Leia mais)

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *