Prender o cabelo de forma incorreta pode prejudicar os fios

Existem muitas dúvidas sobre o dia a dia dos cuidados capilares. Uma delas é se prender o cabelo faz mal.

A princípio, a questão parece irrelevante, mas o pior é que ela tem fundamento.

Apesar de ser algo simples e corriqueiro, o ato de amarrar o cabelo pode ser extremamente danoso à saúde capilar.

Por que prender o cabelo faz mal?

Ao amarrar o cabelo ou fazer um penteado, há dois possíveis agravos  ao fio: o atrito e a tração.

O atrito é um dos responsáveis pelos danos à superfície do fio, com consequente desgaste da fibra capilar.

Ele decorre do simples contato do fio com outras superfícies, acentuando-se conforme há fricção entre elas.

Assim, o ato de pentear o cabelo, escová-lo ou até mesmo secá-lo com a toalha pode gerar desgaste ao fio.

E, claro, amarrar o cabelo não é diferente. Dependendo do material do prendedor de cabelo, o dano pode ser ainda maior.

Dessa forma, deve-se evitar o uso de elásticos, xuxinhas ou scrunchies de tecidos ou materiais ásperos e duros.

A recomendação é optar por prendedores de cetim ou seda.

Além do material do amarrador de cabelo, outro ponto importante é a força de tração do penteado.

Ao prender o cabelo com muita tensão, há uma maior pressão sobre o fio e sobre o bulbo capilar.

Assim, as consequências desse ato para o cabelo podem ser:

  • quebra dos fios, principalmente em cabelos finos ou com química;
  • queda de cabelo. A pressão sobre os fios ajuda a desprender fios com raízes mais fracas;
  • alopecia cicatricial definitiva, ou seja, perda permanente de cabelo por alopecia de tração.

Como saber quando prender o cabelo faz mal?

Nem sempre prender o cabelo faz mal.

Aliás, em algumas situações é até bom deixá-lo preso.

Um desses exemplo é na praia. Como o Sol, vento e areia prejudicam o fio, manter o cabelo preso ajuda a diminuir sua exposição e desgaste.

Outra situação na qual é interessante manter os cabelos presos é durante a prática esportiva. Cabelos soltos dificultam a execução dos movimentos, aumentam a sudorese e embaraçam mais os fios. 

Portanto, é melhor mantê-los presos ao fazer exercícios.

Mesmo em situações do dia a dia, como no trabalho ou em casa, pode-se amarrar o cabelo sem culpa.

Mas é preciso ter cuidado, pois prender o cabelo faz mal em alguns casos.

Rabo de cavalo 

Embora prático, o rabo de cavalo, seja baixo ou alto, pode ser ruim para a saúde capilar.

Ao prender o cabelo todos os dias da mesma forma, ocorre uma sobrecarga tensional sobre determinado local.

Por sua vez, a tração do penteado pode ir aos poucos forçando a quebra e saída dos fios em pontos específicos.

Em casos mais graves, há um recuo do cabelo na testa, local onde geralmente há maior tensão sobre os fios.

Já que a força ao prender o cabelo faz mal, a dica para evitar esse tipo de problema é ter moderação.

É importante não fazer rabos de cavalo muito esticados ou tensos.

Além disso, é interessante alternar penteados e deixar o cabelo solto quando possível.

Por fim, deve-se optar por prendedores de tecido, como o de cetim, evitando os populares elásticos, mais danosos aos fios.

Tranças apertadas

As tranças são penteados práticos e sempre na moda.

Entretanto, mesmo sendo representativas, elas podem ser prejudiciais ao cabelo em algumas situações.

Isso porque as tranças causam alto grau de estresse no bulbo capilar, principalmente quando bem apertadas.

É o caso, por exemplo, da trança boxeadora (box braid), cornrows, nagô, mandraka e twist.

Algumas tranças como a espinha de peixe, lateral, embutida ou cascata causam menos tensão e, portanto, danos aos fios.

Entretanto, independentemente do tipo da trança, o importante é mantê-las frouxas e com o menor peso possível.

Coque

Como prender o cabelo faz mal, o coque pode ser um dos vilões da saúde capilar.

Em alguns tipos de coque, como o das bailarinas e atletas, ele exerce muita tração nos fios.

Com o passar do tempo, a tendência é ocorrer a perda gradual dos fios na linha de implantação do cabelo.

Nesse caso, a dica é deixar os cabelos com a mínima tração possível no dia a dia, ensaios ou treinos.

Fixadores como mousses, laquê ou leave-in podem ajudar a manter os fios alinhados sem ser preciso prendê-los com tanta força.

Cabelo molhado

Há alguns motivos pelos quais prender o cabelo úmido faz mal.

Uma das razões é porque a umidade aumenta o atrito do fio, causando mais desgaste da fibra.

Além isso, ao prender o cabelo úmido,  ele demora mais para secar.

Dessa forma, cria-se um ambiente favorável à proliferação de fungos e agravamento da dermatite seborreica.

Cuidados com o cabelo preso

Nem sempre prender o cabelo faz mal.

Os danos à saúde capilar ao amarrar o cabelo dependem de fatores como tipo, frequência e tensão do penteado.

Além disso, cabelos finos e fragilizados por química tendem a ser mais sensíveis aos efeitos da tração.

Como deixar o cabelo solto nem sempre é possível, pode-se adotar cuidados para minimizar os danos.

Alguns deles são:

  • alterne penteados: repetir sempre o mesmo tipo de penteado tende a concentrar os danos em locais específicos. Por isso, a dica é alternar a forma de prender os cabelos;
  • descanso: mesmo variando os penteados, é legal também deixar o cabelo descansar o máximo possível;
  • penteados soltos: quanto mais tenso está o cabelo, maior a tração no couro cabeludo e as chances de desenvolver alopecia. Portanto, ao prender o cabelo, sempre opte por versões mais soltas;
  • acessórios: procure usar acessórios mais flexíveis, que proporcionem menor atrito com o fio. Scrunchies e fronhas de cetim são boas opções;
  • autoexame: monitorar a saúde capilar é fundamental para fazer ajustes na rotina de cuidados com os fios.

Caso se identifique alterações como quebra ou  queda de cabelos, é importante buscar ajuda de um especialista.

Se prender o cabelo faz mal, o que fazer?

A saúde capilar depende de um conjunto de cuidados diários e o penteado é um deles.

Apesar de grave,  a alopecia por tração, costuma se manifestar após longos períodos de negligência e estresse capilar.

Antes disso, o cabelo dá diversos sinais de que está sofrendo.

O cuidado preventivo através de bons hábitos no dia a dia é a melhor de evitar problemas capilares futuros.

Se você quer aprender mais sobre sua saúde capilar, siga-nos ou faça-nos uma visita!

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Triconodose: como evitar?
A triconodose é uma situação literalmente embaraçante. Além de prejudicar a saúde capilar, essa condição... (Leia mais)
Terapeuta capilar, tricologista e médico especialista: qual a diferença?
Existem diversos termos para denominar os profissionais que lidam com problemas no cabelo ou couro... (Leia mais)
Finasterida ou minoxidil: qual é a diferença?
Parte dos pacientes com problemas capilares ficam em dúvida se devem usar finasterida ou minoxidil.... (Leia mais)

2 Responses

  1. Gostei das dicas.
    Gosto dos meus cabelos soltos ,me incomoda a pressão no couro cabeludo,,eles caem bastante, já sinto a parte da nuca bem fragilizado.
    Gratidão.

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *