Quais as melhores vitaminas para queda de cabelo?

As pessoas sempre questionam sobre o papel das vitaminas na saúde dos cabelos. Mas, além de saber quais as principais vitaminas para queda de cabelo, é importante saber como lidar com elas.

Isso porque a queda pode estar associada tanto à deficiência quanto ao excesso desses nutrientes.

Qual a função das vitaminas na saúde capilar?

O couro cabeludo tem cerca de 100 mil fios. Aproximadamente 90% deles estão em fase de crescimento, exigindo constante aporte de nutrientes como proteínas, vitaminas e minerais.

As vitaminas são elementos essenciais para que ocorram reações químicas envolvidas no crescimento e funcionamento normal das células.

Elas participam, por exemplo, do processo de metabolismo de alimentos, produção de hormônios e funcionamento do sistema imune, dentre outros.

Portanto, sem esses compostos não é possível que ocorram etapas fundamentais para manutenção da vida.

Entretanto, mesmo sendo vitais, a maioria das delas não é produzida pelo organismo, exigindo a ingestão por meio de alimentos.

Além disso, elas também podem ser repostas através do uso de suplementos nutricionais.

Mas cuidado! Isso não significa que elas podem ser tomadas indiscriminadamente.

O excesso de vitaminas também causa problemas para o organismo e compromete a saúde capilar.

Por isso, é importante saber quais são as vitaminas para queda de cabelo e como estão seus estoques no corpo antes de decidir pela suplementação ou restrição delas.

Vitaminas para queda de cabelo

A queda de cabelo pode ocorrer tanto pela deficiência quanto pelo excesso de vitaminas.

Mas antes de saber quais são as vitaminas para queda de cabelo, é preciso conhecer os principais mecanismos que levam o cabelo a cair.

Alopecia androgenética

A alopecia androgenética é uma condição hereditária de perda progressiva de cabelos em que há participação de hormônios masculinos.

Em pessoas predispostas, o hormônio masculino diidrotestosterona colabora para um processo gradual de afinamento e encurtamento dos fios.

Com a evolução, os pelos vão ficando muito finos, curtos até desaparecerem, determinando a alopecia permanente.

Apesar de não ser uma causa, o estresse oxidativo é um fator que parece contribuir para a evolução do quadro.

De acordo com um estudo de 2016, houve uma menor atividade antioxidante no sangue dos pacientes com alopecia quando comparado aos demais.

Dessa forma, concluiu-se que esse poderia ser um fator associado à evolução da calvície nesses pacientes.

Existem algumas vitaminas para queda de cabelo com poder antioxidante como, por exemplo, as vitaminas A, C e E.

Apesar de não corresponderem a um tratamento para calvície, a capacidade antioxidante dessas substâncias pode contribuir para amenizar o efeito do estresse sobre a progressão do quadro.

Além delas, a vitamina D também deve ser mencionada.

O papel da vitamina D na calvície ainda não está claro.

Apesar disso, a maioria dos estudos científicos sugerem repor vitamina D em pessoas com alopecia androgenética e deficiência dessa vitamina.

Alopecia areata

Outro tipo de queda de cabelo que pode se beneficiar da reposição de vitaminas, em especial da vitamina D, é a alopecia areata.

Esse tipo de queda de cabelo ocorre quando o sistema imunológico passa a não reconhecer o próprio fio e ataca o folículo piloso.

As causas desse ataque ainda não são totalmente conhecidas, mas alguns fatores parecem interferir na sua evolução.

De acordo com estudos, um desses fatores é a deficiência de vitamina D.

Várias pesquisas mostram que a correção da vitamina D deficiente pode melhorar a reposta e os resultados do tratamento da alopecia areata.

Sendo assim, é recomendado dosar a vitamina D em todos os pacientes com alopecia areata, sendo sua reposição feita naqueles que estiverem deficientes. 

Aliás, a vitamina D é considerada uma das principais vitaminas para queda de cabelo e deve ser dosada em todos os pacientes com cabelos caindo mais do que o normal.

Eflúvio telógeno

Se há uma condição em que o uso de vitaminas para queda de cabelo parece ser decisivo, essa situação é o eflúvio telógeno.  

O eflúvio telógeno é uma condição em que há aumento da quantidade de fios em fase de queda, chamada fase telógena.

No caso, a queda pode estar associada a diversos fatores orgânicos ou inflamações do couro cabeludo.

Dentre os fatores orgânicos, tanto a deficiência quanto o excesso de vitaminas podem estar relacionados.

Um dos exemplos em que o excesso provoca queda é o caso da hipervitaminose A.

Segundo estudos, o consumo diário de mais de 10.000 UI de vitamina A pode causar toxicidade e queda de cabelos.

Entre as vitaminas do complexo B, as mais associadas à queda de cabelo são a riboflavina (B2) e a biotina (B7 ou H).

A deficiência de qualquer uma delas pode provocar queda.

Assim, pessoas com queda de cabelo e deficiência dessas vitaminas se beneficiam da reposição.

Apesar disso, esse efeito não é observado na suplementação de pessoas com níveis normais delas.

A concentração de vitamina C parece não interferir na queda de cabelo.

Entretanto, a reposição de ferro em pessoas com deficiência desse mineral e queda de cabelo pode ser melhorada com o uso concomitante dessa vitamina.

Quais os alimentos que têm as vitaminas para queda de cabelo?

Não é incomum encontrar pessoas buscando composições com as vitaminas em dermocosméticos e produtos capilares.

É importante destacar, entretanto, que as vitaminas presentes em produtos tópicos como xampus e cremes não é capaz de nutrir os fios.

Essa aquisição de nutrientes só é feita por meio de alimentação ou suplementação.

Assim, é importante conhecer quais alimentos são fontes naturais desses compostos.

Alguns exemplos de alimentos com as vitaminas para queda de cabelo são:

  • vitamina A: alimentos de cor amarela ou alaranjada (como a cenoura, manga, abóbora), folhas de cor verde-escura (como couve, brócolis, espinafre), leite, óleo de peixe, gema de ovo e queijo;
  • complexo B: gérmen de trigo, sementes de girassol, castanha do Pará, fígado, amendoim, peixes e banana;
  • vitamina C: couve, pimentão, brócolis, couve-flor, espinafre, morangos silvestres, kiwi, groselha e frutas cítricas;
  • vitamina D: óleo de fígado de bacalhau, óleo de salmão e ostras;
  • vitamina E: óleo de gérmen de trigo, sementes de girassol e avelã.

Na escolha de quais alimentos escolher para se obter as vitaminas para queda de cabelo, alguns merecem destaque por conter grande de vitaminas essenciais para a saúde capilar.

Entre os alimentos mais ricos em vitaminas está o fígado, seja de galinha ou de boi. Ele contém nove dos 11 tipos de vitamina, não contendo apenas vitamina C e a E.

O ovo também é um alimento de alto valor nutricional, pois contém sete diferentes vitaminas que podem ser benéficas para o controle da queda.

Como escolher as vitaminas para queda de cabelo?

A queda de cabelo pode estar associada tanto à deficiência quanto ao excesso de nutrientes. Por isso, é importante saber quais as vitaminas para queda de cabelo.

Além de conhecer as vitaminas para queda de cabelo é importante usá-las corretamente de acordo com a necessidade de cada pessoa.

Isso porque, como foi visto, a ingestão inadequada, como por exemplo da vitamina A, pode levar à queda de cabelos.

Por essa razão, a investigação do déficit vitamínico e indicação de suplementos e dieta devem ser feitas por um médico especializado em cabelos.

A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Queda de cabelo por Ozempic e outros inibidores de apetite
A possibilidade de haver queda de cabelo por Ozempic é uma das preocupações das pessoas... (Leia mais)
Terapeuta capilar, tricologista e médico especialista: qual a diferença?
Existem diversos termos para denominar os profissionais que lidam com problemas no cabelo ou couro... (Leia mais)
Finasterida ou minoxidil: qual é a diferença?
Parte dos pacientes com problemas capilares ficam em dúvida se devem usar finasterida ou minoxidil.... (Leia mais)

5 Responses

  1. Boa noite.
    Gostei muito das orientações e dos esclarecimentos sobre queda de cabelo. Fui diagnosticada com FAPD e busco maior conhecimento sobre esta doença.

  2. Estou lendo sobre essa doença (FAPD), pois descobri ano passado. Tratava com dermatologista com shampoos, lição de minoxidil. O cabelo nascia é depois caia. Dois anos nesse sofrimento até que eu consegui com profissional tricologista e através de uma biopsia descobri q estava doente meu couro cabeludo. Alopecia fibrosante em padrão de distribuição q e a (fapd) associada a alipecia androgenetica. Descobri q não tem cura e isso me consome em tristeza. Tinha um cabelo lindo e longo, pois ficou caindo, caindo, ralando e não seiais o q fazer. Tomo o medicamento: minoxidil 0 5mg 01 por dia, finasteride 2,5mg 1 por dia, 1/2 comprimido Reuquinol 400mg. E meus cabelos caem do mêsmo jeito. E desesperador!!

  3. Boa tarde!! Gostaria de uma sugestão para prevenir a alopecia. O eu poderia usar, sem prescrição médica, inicialmente?? Que Tonico, shampoo eu poderia usar?? Obrigada!!

    1. Olá, Flávia

      É importante ter acompanhamento médico para fazer uso de medicamentos, xampus de tratamento ou mesmo tônicos.
      O uso sem orientação pode agravar quadros de dermatite do couro cabeludo e provocar queda de cabelo, por exemplo.
      Portanto, sugiro que agende uma consulta com um médico especialista.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-la.

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *