queda de cabelo após emagrecimento bariátrica

Por que o emagrecimento acentuado causa queda de cabelo?

Não há dúvida de que emagrecer traz muitos benefícios para pessoas obesas ou com sobrepeso. Entretanto, a forma com que se perde peso é tão importante quanto os quilos a menos na balança. Isso porque é preciso ter cuidado com possíveis consequências da perda abrupta de peso. Entre elas, está a queda de cabelo após emagrecimento exagerado.

Como o emagrecimento pode causar queda de cabelo?

O principal mecanismo associado à queda de cabelo após emagrecimento é o eflúvio telógeno.

O eflúvio telógeno consiste em uma ruptura do ciclo natural do cabelo.

Nessa condição, há um aumento da proporção de fios em fase de queda, também chamada de fase telógena.

Em pessoas sem queda, 10 a 20% dos fios encontram-se nessa fase.

Quando a quantidade de fios em queda supera os 25%, ou seja, cerca de 100 a 150 fios ao dia, tem-se o eflúvio telógeno.

Quais as causas da queda de cabelo após emagrecimento?

1. Fornecimento de energia

Buscando responder por que há queda de cabelo após emagrecimento, em 1976 pesquisadores americanos acompanharam por 5 meses 9 pacientes com emagrecimento acentuado.

Esses pacientes, durante o acompanhamento, apresentaram redução do peso entre 11,7 a 24,75 kilos.

No estudo, constatou-se que mesmo sem o uso de medicamentos, a perda de peso intensa causou eflúvio telógeno em 5 dos 9 pacientes monitorados.

Na época, os pesquisadores acreditavam que a queda de cabelo após emagrecimento não seria causada diretamente pela perda de peso, mas pela baixa ingestão calórica durante a dieta.

Segundo eles, o déficit calórico diminuiria o fornecimento de energia e levaria a uma redução da velocidade de multiplicação das células.

Uma vez que a raiz do cabelo tem uma intensa atividade proliferativa, a redução da ingestão calórica poderia afetar o cabelo diretamente, por diminuir seu ritmo de crescimento e precipitar a queda.

Outro fator que reforçou essa hipótese foi observar que houve melhora da queda e do crescimento capilar em alguns meses após retomada de uma ingestão calórica adequada.

2. Proteínas

No ano seguinte, no entanto, um outro pesquisador americano publicou uma carta sugerindo uma outra explicação para a queda de cabelos após emagrecimento intenso.

Segundo o autor, a queda de cabelo após emagrecimento com grande perda de peso não ocorre por diminuição da ingesta calórica, mas por um balanço de nitrogênio negativo.

O balanço de nitrogênio é a diferença de nitrogênio que é ingerido e a quantidade que é excretado. O nitrogênio é um dos principais componentes das proteínas. Portanto, esse índice é usado como medida da quantidade de proteínas que entram e saem do organismo.

Ele é negativo quando a ingestão de proteínas é menor do que a quantidade excretada. Isso ocorre em situações em que há menor consumo de proteínas na alimentação associado ou não a aumento da perda delas.

É o caso, por exemplo, do jejum prolongado, dieta pobre em proteínas, dietas restritivas ou doenças altamente catabólicas como o câncer.

Para chegar à conclusão que as proteínas eram responsáveis pela queda, o pesquisador se baseou no acompanhamento de 200 pacientes durante 40 a 330 dias.

Os participantes da pesquisa apresentaram emagrecimento de pelo menos 250 gramas ao dia.

No estudo, observou-se que a queda de cabelo ocorria quando a perda de peso era acompanhada de um balanço negativo de nitrogênio.

Outro fato que colaborou com a hipótese do autor foi que a ingestão adequada de proteínas durante o jejum, a fim de preservar o balanço de nitrogênio positivo, resultava na melhora quase completa da queda de cabelo após emagrecimento.

Assim, ele sugeriu que a queda de cabelo após emagrecimento intenso ocorre por um redirecionamento dos estoques proteicos corporais.

E outras palavras, em situações de falta de proteína, o organismo provavelmente reduz seu gasto proteico em atividades secundárias como o crescimento capilar, resultando, portanto, em uma queda por eflúvio telógeno.

As proteínas são compostos estruturais, ou seja, elas funcionam como tijolos ou vigas em uma construção.

Dessa forma, assim como uma casa ou um prédio ficam mais sujeitos a cair sem uma sustentação adequada, o cabelo também fica mais fraco, quebradiço e propenso à queda sem um aporte adequado de proteínas.

Isso porque as proteínas, em especial a queratina, são o principal componente cabelo, correspondendo a aproximadamente 85% da composição da fibra capilar.

No estudo, a restauração de uma alimentação adequada e reposição de massa celular corporal devolveu as características capilares anteriores.

Nele verificou-se que a queda de cabelo após emagrecimento estava associada à perda de massa magra corporal, resultado de um balanço de nitrogênio negativo.

3. Outros nutrientes: vitaminas e minerais

O cabelo, assim como o restante do organismo, depende do fornecimento contínuo de nutrientes.

Além das proteínas, outros elementos também são importantes para os cabelos, como os carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais.

As vitaminas são compostos essenciais para que ocorram reações químicas responsáveis pelo crescimento e funcionamento normal das células.

A carência de vitaminas prejudica a metabolização de alimentos, produção de hormônios e funcionamento do sistema imune, dentre outros.

Por sua vez, o comprometimento dessas e de outras funções pode afetar os cabelos e ser mais um dos motivos para queda de cabelo após emagrecimento intenso.

4. Exercícios físicos

Além de mudanças na alimentação, pessoas que buscam a perda peso costumam associar ou aumentar a prática de exercícios físicos.

Claro que essa é a forma mais racional e saudável de perder peso e não há nada de errado com isso.

O raciocínio é que os exercícios acelerem a queima das reservas de gordura, que tendem a diminuir porque, por outro lado, também ocorre redução da reposição graças a dieta.

Tudo certo! Mas, mesmo assim, é preciso ter moderação nesse processo de emagrecimento.

Isso porque na ânsia de perder peso rapidamente, algumas pessoas exageram na intensidade das atividades físicas.

Entretanto, o aumento abrupto e intenso da carga de exercícios gera estresse ao organismo, que não está preparado para tamanha carga de esforço físico.

O corpo precisa de tempo para se acostumar ao aumento de exercícios.

Assim, é preciso que eles sejam orientados para que de forma progressiva o organismo vá se adaptando à maior demanda.

A sobrecarga de atividade física leva ao estresse que, associado ou não a situações de jejum prolongado, leva a acentuação da queda de cabelo após emagrecimento.

5. Remédios

O uso de remédios para emagrecimento faz parte da rotina de boa parcela da pessoas que fazem dieta.

Algumas pessoas justificam seu uso pela necessidade de um empurrãozinho inicial no controle do apetite ou mesmo como um complemento quando a dieta e os exercícios não estão produzindo os efeitos desejados.

Existem uma série de medicamentos usados para perder peso, com diferentes propostas e mecanismos de ação.

Os inibidores de apetite, por exemplo, são também chamados de anorexígenos por diminuírem a fome.

Outra classe de medicamentos, os ansiolíticos, são usados para controlar a compulsão de comer em pacientes ansiosos.

Há ainda medicações que mudam o metabolismo do organismo e aquelas que diminuem a absorção de determinados componentes, como por exemplo a gordura.

O problema dessas medicações é que a maior parte delas leva à queda de cabelo.

Seja pela ação direta do fármaco ou por alterações metabólicas provocadas por seu uso, remédios para emagrecer causam queda de cabelo.

Apesar de serem de uso frequente, muitas vezes os pacientes esquecem de relatar o uso dessas medicações.

Por isso, o médico deve sempre perguntar sobre seu uso na investigação da queda de cabelo após emagrecimento.

6. Queda de cabelo após emagrecimento por cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica talvez seja uma das cirurgias que mais provoquem queda de cabelo.

Um estudo espanhol verificou que 40,5% dos pacientes submetidos à gastrectomia apresentaram queda de cabelo no período pós-operatório.

Em geral, a queda se iniciou entre 3 e 6 meses após o procedimento.

As causas para queda de cabelo pós cirurgia bariátrica são diversas e muitas delas independem de ter sido feita redução do estômago ou cirurgia de bypass, ou seja, de transposição de alças intestinais.

Só de ser uma cirurgia de grande porte, a cirurgia bariátrica já causa queda de cabelo. Os fatores associados à cirurgia são diversos. Dentre eles, a anestesia, o ato operatório, o estresse cirúrgico, sangramento, dieta, remédios e até possíveis complicações do pós-operatório.

E não tem jeito! Por mais que a pessoa queira ou se beneficie do emagrecimento provocado pela cirurgia, para o corpo a cirurgia é uma mutilação.

Com isso, ele responde ao estresse provocado pela cirurgia com a queda do cabelo.

Além das causas inerentes à cirurgia, outros fatores contribuem para fazer com que o cabelo caia tanto após a cirurgia bariátrica.

Um deles é a redução da absorção de vitaminas e minerais.

Sobre esse assunto, um estudo fez o acompanhamento de pacientes operados para ver quais as principais deficiências nutricionais associadas à queda de cabelo.

O primeiro nutriente avaliado foi o zinco.

No grupo que relatou a perda de cabelo, a concentração de zinco era menor do que naquele que não teve o problema.

Os três pacientes com menores níveis de zinco relataram queda de cabelo acentuada.

Além do zinco, houve diferença também nos níveis de ferro entre pacientes com e sem queda de cabelo pós-cirurgia.

Apesar de apresentarem níveis mais baixos de ferro, nenhum participante foi diagnosticado com anemia.

Outro fato interessante foi que todos os participantes com deficiência nos níveis de zinco e ferro relataram queda de cabelo.

Assim, conclui-se que a falta de ferro e zinco são agravantes da queda de cabelo após emagrecimento por cirurgia bariátrica.

Queda de cabelo após emagrecimento intenso: o que fazer?

A perda de peso e a queda de cabelo podem estar associadas de diferentes formas, como a falta de nutrientes, uso de remédios, estresse ou mesmo jejum prolongado.

A perda de muito peso exige cuidados especiais. Por isso é importante ter sempre o acompanhamento multidisciplinar. Isso inclui supervisão médica (cirurgião e endocrinologista), nutricional (nutricionista) e emocional (psicólogo).

Já o tratamento da queda de cabelo após emagrecimento deve se iniciar com a identificação das causas e possíveis déficits nutricionais.

Quanto antes eles forem identificados, mais rapidamente eles podem ser corrigidos.

Por isso é importante que se faça uma avaliação médica com exames de sangue assim que a queda se inicia.

Portanto, ao notar queda de cabelo após emagrecimento, o paciente deve buscar o quanto antes o auxílio de um médico especialista em cabelo.

A Clínica Doppio possui uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Atendimento

  • Avenida Lavandisca, 777 - Moema, São Paulo, SP. CEP: 04515-011
  • Terça à Sexta: 09hs às 19hs.
    Sábado: 09h às 18hs
  • +55 (11) 3853-9175
Categorias

2 respostas

  1. Boa noite Dr.
    Moro em Brasília e acompanho seu blog.
    Gostaria de saber se o senhor já estudou sobre o sfígone e sua eficácia tópica na Alopecia Androgenetica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *