Queda de cabelo por excesso de vitaminas e minerais

Queda de cabelo por excesso de vitaminas e minerais

Um adequado aporte de nutrientes é importante para a saúde do organismo. Entretanto, o consumo excessivo de vitaminas e minerais pode causar efeitos colaterais, incluindo a queda de cabelos. Não é mito, pode ter mesmo queda de cabelo por excesso de vitaminas e minerais.

Devido a uma crescente tendência de alimentos “fortificados”, tornou-se mais fácil incrementar vitaminas à dieta. Essas receitas “enriquecidas” podem, no entanto, fazer com que se ultrapasse a dose diária recomendada de certos nutrientes.

Soma-se ao hábito de muitas pessoas de tomar complexos polivitamínicos ou suplementos alimentares sem orientação médica, tem-se uma situação propícia para quadros de excesso de vitaminas e minerais.

Queda de cabelo por excesso de vitaminas e minerais: causas mais comuns

Serão descritos alguns exemplos de substâncias que são bons para a saúde dos cabelos e couro cabeludo quando usados com moderação, mas que podem causar aumento da queda quando tomadas em excesso.

Vitamina A

A vitamina A e seus derivados retinóides  são fundamentais para o desenvolvimento e manutenção de múltiplos tecidos epiteliais, incluindo pele, cabelos e glândulas sebáceas.

Suas principais fontes naturais são carnes, produtos lácteos e algumas frutas e legumes como mamão, manga, cenoura e abóbora.

A ingestão diária recomendada para adultos é de 600 mcg por dia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso corresponde ao encontrado em uma cenoura média.

A vitamina A também está disponível na forma de suplementos e de medicação oral, chamada isotreitinoína. A isotretinoína, nome comercial Roacutan, é muito usada para tratamento de acne.

A vitamina A é lipossolúvel, sendo, portanto, melhor absorvida com gorduras. O fígado é o seu principal local de armazenamento. Por ser uma vitamina de depósito, seu acúmulo pode levar a quadros de excesso de vitamina.

Apesar de ser benéfica para os cabelos quando ingerida em quantidades adequadas, tanto a sua deficiência quanto o seu excesso podem provocar aumento da queda dos fios.

Outros sintomas de hipervitaminose A são visão borrada, vômitos, sonolência e alterações cutâneas como pele ressecada, com descamação, coceira e tom amarelado.

Ferro

Assim como o excesso de vitaminas pode gerar queda de cabelo, quantidades elevadas de minerais também podem levar ao aumento da queda.

Um dos principais minerais envolvidos no processo de desenvolvimento capilar, pode provocar queda quando em excesso no organismo.

O acúmulo de ferro pode ocorrer por desordem hereditária, na hemocromatose, ou adquirida, por consumo excessivo de carne, suplementação inadequada ou transfusões.

Os principais sintomas são: cansaço crônico, dor articular, arritmias, diabetes, cólica abdominal, irregularidade menstrual, perda de libido, alterações da cor da pele e queda de cabelo.

Selênio

É um mineral necessário para a saúde capilar e controle de funções vitais no organismo, como o combate a radicais livres.

Suas principais fontes são alimentos como castanha do Pará, frutos do mar e cereais integrais.

Por ser uma fonte muito abundante de selênio e estar presente na culinária e em produtos alimentícios brasileiros, a castanha do Pará deve ser sempre lembrada como uma das possíveis causas de excesso de vitamina e minerais.

A ingestão diária recomendada para adultos é de 55 mcg por dia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso corresponde ao encontrado em 1 castanha do Pará.

Quantidades elevadas de selênio podem levar a fraqueza, cansaço, problemas gastrointestinais, unhas frágeis e queda de cabelo.

Zinco

Mineral envolvido em diversas atividades fisiológicas, como imunidade, visão, funções neurológica e sexual, além da manutenção da saúde dos cabelos.

Nesse sentido, estudos recentes têm demonstrado benefícios no tratamento da alopecia areata em pacientes com deficiência de zinco após correção de seus níveis.

Suas principais fontes alimentares são frutos do mar, carnes e ovos.

A ingestão diária recomendada para adultos é de 7 mg por dia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso corresponde ao encontrado em 2 gemas de ovos ou 100 gramas de carne vermelha.

Quantidades elevadas de zinco podem levar a cefaléia, problemas gastrointestinais e queda de cabelo.

Considerações sobre a queda de cabelo por excesso de vitaminas e minerais

Como se pode observar, mesmo nutrientes vitais para o cabelo podem, paradoxalmente, ser a causa de sua queda excessiva.

Baseados na premissa de que vitaminas são boas para a saúde do organismo e na ânsia de obter bons resultados, muitas pessoas optam pela automedicação com polivitamínicos ou suplementos alimentares.

Esse aporte somado a dietas inadequadas podem predispor a uma situação de risco para o desenvolvimento de quadros de excesso de vitaminas e minerais.

Por se tratar de processos que levam longos períodos para se tornarem evidentes, muitas vezes, a queda de cabelo pode ser seu primeiro sintoma.

Por isso é recomendado procurar um médico ao se notar os primeiros sinais de problemas capilares ao invés de se automedicar, mesmo com os aparentemente inócuos suplementos para cabelos.

Afinal de contas, a automedicação pode causar queda de cabelo por excesso de vitaminas e minerais.

Cuidar dos cabelos também significa cuidar da saúde.

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento da queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com o seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Atendimento

Categorias