Testosterona e calvície: qual a relação?

Testosterona e calvície: qual a relação?

A associação entre testosterona e calvície tem forte evidência científica. Tanto é que o próprio termo médico para calvície, ou seja, alopecia androgenética, faz referência aos hormônios masculinos.

O que é alopecia androgenética?

A forma mais comum de perda de cabelos em humanos é a alopecia androgenética.

Ela afeta pelo menos 50% dos homens aos 50 anos e até 40% das mulheres após a menopausa.

Nessas pessoas geneticamente predispostas, a perda de cabelos ocorre por um processo dependente de hormônios masculinos, ou andrógenos, chamado miniaturização.

A miniaturização é caracterizada pelo afinamento e encurtamento progressivos dos fios, além de aumento da queda por redução do tempo de crescimento dos cabelos.

Os fios miniaturizados vão ficando semelhantes a cabelos de bebê, quando passam então a ser chamados de pelos velus.

A progressão do processo leva ao desaparecimento do fio, caracterizando a calvície.

Assim, a calvície é um processo de afinamento e encurtamento progressivos dos fios de cabelos provocados por hormônios masculinos em pessoas predispostas.

Um dos mais conhecidos hormônios andrógenos é a testosterona.

Como a testosterona é formada e eliminada?

Assim como outros hormônios esteróides sexuais, a testosterona é formada a partir do colesterol.

No entanto, para que isso ocorra, é preciso haver uma série de transformações estruturais na molécula do colesterol.

A cada etapa desse processo há formação de precursores da testosterona, como, por exemplo, a androstenediona e a dehidroepiandrosterona (DHEA).

Os principais locais de produção de testosterona nos homens são os testículos e nas mulheres os ovários.

Além desses locais, há uma pequena produção de testosterona  pelas glândulas adrenais

Uma vez formada, a testosterona atua em diversos processos de desenvolvimento e manutenção de características sexuais masculinas.

Além disso, ela também favorece, dentre outros, o anabolismo tecidual, com aumento da massa muscular e queima de gorduras.

A maior parte da testosterona formada é transformada em metabólitos inativos que são eliminados pelos rins ou fígado.

Uma pequena percentagem da testosterona, no entanto, é convertida em outros hormônios, como o estradiol e a diidrotestosterona (DHT).

Testosterona e calvície: qual a ligação?

A testosterona é convertida em DHT por uma enzima chamada 5-alfa-redutase.

Essa conversão acontece principalmente na próstata, mas também ocorre no fígado e na pele.

O DHT é o mais potente estimulador do receptores de andrógeno (AR) existentes no folículo piloso.

A ativação desses receptores é o principal responsável pela indução do processo de miniaturização dos fios que ocorre na alopecia androgenética.

Dessa forma, explica-se a relação entre testosterona e calvície.

Quanto mais testosterona maiores as chances de ficar calvo?

Considerando-se a participação dos receptores de hormônios masculinos na calvície, parece óbvio que quanto mais testosterona mais calvo.

Na maior parte dos casos, isso é verdade.

Entretanto, pode não ser bem assim.

Isso porque além do fator hormonal, é fundamental que se leve em conta a herança genética para a calvície.

Em pessoas sem predisposição familiar, o aumento dos hormônios masculinos pode não ser suficiente para que eles desenvolvam alopecia.

Além disso, outro fato interessante é que mesmo pessoas calvas não necessariamente têm níveis elevados de testosterona ou DHT.

Na verdade, na maioria das vezes, os níveis hormonais dessas pessoas estão normais.

Nesse sentido, um estudo alemão publicado em 2017 avaliou a relação entre nível de testosterona e calvície em 373 homens.

Os resultados dessa pesquisa mostraram não haver relação entre os níveis de hormônios sexuais e grau de calvície nos investigados.

Esse estudo, assim como outros anteriores sugerem que alopecia androgenética possa também estar associada à sensibilidade ou densidade dos receptores hormonais AR e não somente os níveis de androgênios isoladamente.

Testosterona e calvície: considerações finais

O crescente interesse pelo uso de anabolizantes e fórmulas manipuladas contendo testosterona ou derivados, seja em comprimido, gel ou injetável, fez com que aumentasse também o conhecimento sobre suas consequências.

Uma das mais clássicas alterações provocadas por esses hormônios masculinos é a alopecia, tanto em homens quanto em mulheres.

Como testosterona e calvície estão associadas, esse deve ser um dos aspectos a serem avaliados por profissionais de saúde como por exemplo, o médico do esporte, nutrólogo, ginecologista e endocrinologista, quando da prescrição de tais compostos.

Por sua vez, com ou sem uso de testosterona, ao se notar a rarefação capilar, o mais indicado é que se procure um médico especialista.

A Clínica Doppio, além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

6 respostas

  1. O aumento de testosterona tem a ver com a calvície? É quanto a barba? Se eu tomar um estimulante de testosterona como o tribulus por exemplo, ele causa queda de barba ou so de cabelo? Nao entendi a relação, pois se a testosterona faz crescer pelos no corpo pq ela faz cair cabelo?

    1. Olá, Clayton

      O aumento da testosterona acelera a calvície em pessoas predispostas.
      Portanto, se você tomar estimulante de testosterona, aumentam as suas chances e a velocidade com que você fica calvo.
      No corpo e barba é diferente, o aumento da testosterona estimula o aumento dos pelos.

    1. Olá, Rodrigo

      É difícil saber o que produtos como o que você citou realmente contém.
      Qualquer solução tópica ou medicamento oral que contenha testosterona ou derivados pode agravar quadros de calvície em pessoas com predisposição genética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *