Tratamento da alopecia areata com sinvastatina e ezetimiba

A associação de sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata é mais uma das tentativas de encontrar tratamentos para a doença.

Atualmente, já existem algumas opções terapêuticas, inclusive com aprovação dos órgãos de saúde, mas nada ainda completamente eficaz.

Por isso, é interessante se fazer testes com alternativas como a da sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata.

Alopecia areata

A alopecia areata é uma doença autoimune relativamente frequente, pois acomete cerca de 1 e 2% da população mundial.

A condição afeta pessoas de diferentes faixas etárias, gêneros e etnias.

Embora se conheça sua natureza autoimune, pouco se sabe sobre sua patogênese.

A teoria mais aceita é a multifatorial, ou seja, com a participação de diversos elementos, como o estresse, genética e fatores ambientais.

O quadro clínico típico é o aparecimento súbito de falhas circulares lisas sem cabelo.

Entre 70 e 90% dos pacientes com alopecia areata apresentam falhas no couro cabeludo, sendo 80% dos casos uma falha única.

Na evolução, no entanto, pode haver acometimento de todo o cabelo, caracterizando a alopecia totalis.

Há ainda quadros mais graves, como na alopecia universalis, com queda da sobrancelha, cílios, barba e demais pelos corporais.

Tratamento da alopecia areata

Embora ocorra remissão espontânea em boa parte dos casos, não existe cura para alopecia areata.

Nada é capaz de impedir o aparecimento de novas áreas calvas no couro para sempre.

Apesar disso, é possível fazer o cabelo voltar nos locais onde ele caiu.

Assim, existem tratamentos disponíveis para reversão do quadro, mas com resultados bem variáveis entre os pacientes.

Um marco importante foi a aprovação da medicação baricitinibe pela agência de saúde americana FDA em junho de 2022. Esse foi o primeiro remédio com indicação em bula para tratamento da alopecia areata.

Além do baricitinibe, outros medicamentos similares também estão em testes, como, por exemplo, o tofacitinibe, ruxolitinibe e ritlecitinibe.

Uma outra opção de tratamento eficiente e por isso, muito utilizada são os corticoides.

Uso de sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata

Uma das linhas de pesquisa sobre tratamentos para alopecia areata envolve estatinas e ezetimiba.

Esses medicamentos são clássicos remédios de controle do colesterol e triglicérides.

Além de reduzir o risco de doenças cardiovasculares, eles têm ação imunomoduladora, ou seja, ajudam a regular a resposta imune.

Por isso, tem lógica testar o uso da sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata. 

E é isso que vem sendo feito.

Resultados a favor

Um dos casos de resposta terapêutica à combinação dos remédios foi o de um rapaz com alopecia areata universal.

Nesse paciente, iniciou-se usando somente com a sinvastatina, sem melhoras. Mas, ao se introduzir o ezetimiba ao esquema, notou-se crescimento capilar significativo depois de um mês.

Um estudo mais amplo, com 29 pacientes, também apresentou resultados positivos da sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata.

Participaram dessa pesquisa voluntários com alopecia areata comprometendo de 40 a 70% do couro cabeludo.

Dos 29 participantes, 19 completaram o tratamento e 14 apresentaram resposta positiva à medicação a partir da 16ª semana.

Em seguida, esses pacientes foram divididos em dois grupos. Dos 7 pacientes que continuaram com a medicação, 5 mantiveram o crescimento capilar.

Já no grupo que interrompeu o uso da medicação após as 24 semanas 5 dos 7 pacientes apresentaram recaída.

Resultados contra

Embora existam estudos com resultados favoráveis, o tratamento com sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata ainda não é um consenso.

Um estudo envolvendo pacientes com alopecia areata crônica grave, por exemplo, não obteve respostas satisfatórias com tratamento.

Além disso, há até um relato de 2 familiares com aparecimento de alopecia areata universal após iniciarem sinvastatina e ezetimiba.

Efeitos colaterais

Os principais efeitos adversos da sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata são:

  • fraqueza;
  • rigidez muscular;
  • miopatia autoimune,
  • lesão hepática,
  • perda de apetite;
  • indigestão, empachamento;
  • náusea, vômitos;
  • dores abdominais;
  • constipação;
  • icterícia, ou seja, cor amarela nos olhos ou pele;
  • dor articular;
  • alergia na pele;
  • inchaço nas pálpebras;
  • palpitação;
  • febre;
  • calafrios.

Vale a pena usar de sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata?

Os trabalhos científicos mostram que o tratamento conjunto de sinvastatina e ezetimiba para alopecia areata têm potencial.

Mas, assim como em outras abordagens para o tratamento da doença, os resultados podem ser bem variáveis.

Portanto, essa não deve ser uma terapia de escolha, mas uma alternativa a ser considerada em casos específicos.

Por isso, é indispensável o acompanhamento de um médico especialista de confiança.

Além de avaliar riscos e benefícios de cada tratamento, o médico faz adaptações conforme a resposta do paciente à terapia.

A Clínica Doppio  possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície. Além disso, contamos ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Queda de cabelo por Ozempic e outros inibidores de apetite
A possibilidade de haver queda de cabelo por Ozempic é uma das preocupações das pessoas... (Leia mais)
Terapia com células estaminais para calvície
A alopecia androgenética, popular calvície, pode ter na terapia com células estaminais a resposta que... (Leia mais)
Minoxidil com propilenoglicol faz mal?
Nos últimos tempos, vem aumentando o interesse em saber se o propilenoglicol faz mal. Foi... (Leia mais)

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *