Tratamento da calvície: medicamentos ou transplante capilar

A calvície, também conhecida como alopecia androgenética, é uma causa comum de perda de cabelos em homens e mulheres. Existem diversas possibilidades de tratamento da alopecia.

Os resultados dependem tanto do diagnóstico preciso quanto da indicação de tratamento correta.

Tratamento da alopecia com medicamentos

A forma mais natural de se restabelecer os cabelos é através da recuperação dos seus próprios fios. O tratamento da alopecia, ou calvície, com medicamentos e procedimentos, também chamado tratamento clínico, visa estimular o crescimento e aumento do calibre dos fios comprometidos.

A duração e os resultados dependem do grau de evolução do quadro e da resposta individual ao tratamento da alopecia.

De maneira geral, quando há rarefação capilar sem o couro cabeludo estar completamente liso é possível que o tratamento clínico possa ser indicado.

Transplante capilar

O transplante capilar é o procedimento cirúrgico em que há extração de folículos capilares de um local do couro cabeludo chamado de área doadora e transferência para regiões calvas ou com rarefação capilar.

As duas técnicas mais conhecidas de extração foliculares são a FUT e a FUE. Na FUT, Follicular Unit Transplantation, retira-se uma faixa de pele do couro cabeludo, de onde então serão extraídos os folículos.

A FUE, Follicular Unit Extraction, é a retirada individual da unidade folicular, contendo de 1 a 4 fios de cabelo cada, diretamente do couro cabeludo. Na FUE, essa retirada pode ser feita pelo cirurgião ou, mais recentemente, pelo robô Artas.

A melhor indicação do transplante, seja pela técnica FUE ou FUT, é para pequenas áreas com completa ausência de cabelos. É o caso das “entradas” ou para quando há avanço da calvície na linha frontal de implantação dos cabelos, fazendo com que se tenha a impressão que houve aumento da testa.

Áreas de calvície extensas, doenças inflamatórias e autoimunes em atividade, ou quadros de rarefação difusa, mais frequentemente observado em mulheres, são alguns exemplos em que os transplantes não costumam ter resultados satisfatórios.

Tratamento da alopecia: clínico x transplante

Mesmo quando há indicação para transplante, o tratamento clínico é frequentemente indicado por pelo menos 6 meses antes da cirurgia.

O objetivo é preparar melhor tanto a área doadora quanto as áreas que receberão o implante.

O preparo prévio permite o controle da queda e recuperação de áreas com rarefação. Dessa forma, pode até haver uma potencial redução da quantidade de fios a serem implantados.

O tratamento clínico, inclusive, pode ser suficiente para reverter quadros de calvície, dependendo do grau e extensão do comprometimento.

Um plano terapêutico adequado pode trazer resultados promissores, fazendo com que muitas vezes o transplante seja evitado.

Se após esse período, a cirurgia ainda for necessária, a continuação do tratamento da alopecia proporcionará os melhores resultados possíveis.

Transplante capilar

O transplante capilar, seja pela técnica FUE ou FUT, é mais frequentemente realizado em homens com calvície ou alopecia androgenética.

Na alopecia androgenética há afinamento e encurtamento progressivo dos fios de cabelo por um processo chamado de miniaturização.

A miniaturização ocorre pela ação da diidrotestosterona, ou DHT, potente hormônio derivado da testosterona.

Alopecia androgenética: calvície progressiva

Cada fio de cabelo tem uma sensibilidade diferente à ação do DHT. Os fios localizados na parte superior da cabeça geralmente mais propensos à miniaturização do que os localizados na nuca ou nas laterais da cabeça, o que fazem com que elas acabem sendo as áreas doadoras.

Por serem originários de áreas mais resistentes aos efeitos do DHT, os fios da transplantados da área doadora tendem a não sofrer miniaturização como os fios originais que estão ao seu redor, na área que recebeu o implante. Com isso, eles tendem a ser mais espessos do que os fios miniaturizados ao redor. Essa diferença pode causar um efeito cosmético ruim.

Além disso, com o passar do tempo, a tendência é que ocorra progressão do quadro. Com o afinamento e encurtamento do restante dos fios que não foram transplantados, os implantes ficam cada vez mais evidentes. Assim, acabam sendo necessárias mais mega sessões cirúrgicas para cobrir as áreas que vão ficando calvas.

Entretanto, a cada vez que se submete a um novo procedimento cirúrgico, o resultado vai se tornando menos natural, pois os fios vão ficando mais afastados, produzindo um efeito estético não satisfatório.

Portanto, o melhor resultado com um transplante capilar depende não só de uma boa indicação e execução cirúrgica como também de um seguimento médico adequado.

Sendo assim, na maioria das vezes, é necessário manter o tratamento da alopecia com medicamentos, mesmo após um transplante capilar bem-sucedido.

Desse modo, o tratamento da alopecia com implante capilar não elimina a necessidade de seguimento com terapias clínicas.

Tratamento da alopecia: terapias clínicas ou transplante capilar?

A alopecia androgenética é uma condição contínua e progressiva.

Sendo assim, um importante ponto a ser considerado após um transplante capilar é que quase sempre há áreas com cabelos ainda susceptíveis ao processo de miniaturização próximas aos locais dos implantes.

Portanto, é essencial que a alopecia não avance e essas áreas sejam mantidas através de um tratamento capilar preventivo adequado.

Por isso, é interessante o acompanhamento médico antes e após o procedimento.

A Clínica Doppio, localizada em São Paulo, além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Dr. Nilton de Ávila Reis

CRM: 115852/SP | RQE 32621


Posts Relacionados

Riscos e efeitos colaterais da dutasterida para tratamento capilar
Desde a sua aprovação para tratamento da calvície masculina pela ANVISA, aumentou-se o interesse por... (Leia mais)
Fototerapia capilar: ações, indicações, efeitos e resultados
As diversas possibilidades de uso da fototerapia capilar justificam seu crescente emprego na medicina. O... (Leia mais)
Foliculite queloidiana da nuca: causas, sintomas, prevenção e tratamento
Embora não apresente riscos à saúde, a foliculite queloidiana da nuca pode gerar um incômodo... (Leia mais)

4 Responses

    1. Olá, Reginaldo

      A alopecia avançada é justamente a indicação para transplante capilar.
      Mas precisa ver se essa é a melhor opção para seu caso.
      Caso queira mais informações, entre em contato conosco pelo número (11) 38539175.
      Estamos à disposição para ajudá-lo.

  1. Boa tarde! Mimha testa esta cada vez maior, penso que preciso de transplante capilar. Gostaria de saber o preço. Grata.

Deixe um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *