Tratamentos para alopecia em estudo ou não liberados

Tratamentos para alopecia em estudo ou não liberados

Existem muitos tratamentos para alopecia que vem sendo apresentados.

Muitas dessas terapias parecem promissoras, outras nem tanto. Entretanto, o que elas têm em comum é o fato de que carecem de mais estudos para que se estabeleça um consenso quanto aos seus riscos e benefícios.

Além de medicações em estudo, também será comentado sobre medicações não aprovadas para o uso em tratamentos capilares.

Seguem abaixo as principais considerações.

Tratamentos para alopecia: medicações ainda em estudo

Latanoprost

Análogo da prostaglandina F2- alfa, a latanoprosta é um colírio usado para tratamento de glaucoma.

Após se observar que ele tinha como efeitos colaterais o crescimento de pelos e escurecimento da pele, iniciaram-se estudos para avaliar a possibilidade de seu uso para tratamento das alopecias androgenética e areata.

Apesar de promissor, até o momento existem poucos estudos publicados, sem repostas conclusivas sobre indicações, formas de uso, eficácia e principalmente, segurança.

Tofacitinibe

O Tofacitinibe é uma medicação oral comercializada no Brasil como Xeljanz.

Seu princípio ativo, o citrato de tofacitinibe é um inibidor das citocinas JAK 1 e 3 (Janus kinase).

As citocinas são substâncias que permitem a comunicação celular, determinando funções vitais como respostas inflamatórias ou imunes.

Ao bloquear algumas vias dessas respostas, esse medicamento permite a modulação e controle de doenças inflamatórias ou auto-imunes, como a artrite reumatóide.

O tofacitinib ganhou em notoriedade em 2014 após reverter o quadro de alopecia areata universal em um paciente tratado na Universidade de Yale, nos EUA.

A alopecia areata universal é uma doença auto-imune em que o organismo “rejeita” e elimina todos os pelos do corpo.

No caso do paciente relatado, o tofacitinib foi usado para tratamento de psoríase, doença inflamatória crônica da pele. Durante o tratamento, observou-se a completa recuperação dos cabelos do paciente. Isso levantou a possibilidade do uso dessa medicação como “cura milagrosa” da alopecia areata.

Em estudos posteriores, ele também se mostrou eficaz em tratar casos de vitiligo.

A partir dos relatos, diversos estudos têm mostrado resultados promissores como um dos possíveis tratamentos para alopecia.

Uma das dificuldades encontradas é o fato de não haver sustentação da resposta após a suspensão do tratamento, ou seja, os cabelos voltam a cair quando se interrompe o uso.

Como não pode ser usado continuamente, pelo risco de predispor infecções graves, tuberculose e câncer, seu uso ainda é limitado.

Outras limitações são o alto custo da medicação e liberação da ANVISA para tratar alopecia areata e, portanto, não inclusão da medicação na lista de tratamentos para alopecia disponíveis pelo SUS.

Tratamentos para alopecia: técnicas envolvendo agulhas e injeções

Microagulhamento capilar: Derma roller, Derma pen

O microagulhamento capilar é um procedimento feito com um rolo de microagulhas que variam entre 0,5 a 3 mm.

Quem defende seu uso, acredita que o trauma provocado pelas microagulhas liberaria fatores de crescimento no couro cabeludo, o que colaboraria para estimular o crescimento dos fios. Além disso, esse procedimento facilitaria a absorção de formulações tópicas usadas no tratamento.

Por outro lado, contra o procedimento, defende-se que o trauma provocado pelo microagulhamento poderia aumentar a queda dos fios.

Apesar das propostas, faltam estudos que comprovem benefícios ou prejuízos com a técnica.

Mesoterapia, MMP ou Intradermoterpia

A mesoterapia, MMP ou intradermoterapia é um procedimento de infusão de ativos diretamente na área a ser tratada, através de aplicações periódicas com dispositivos variados.

O método de infusão assim como as formulações a serem usadas variam de acordo com a prescrição do médico.

Além de não haver consenso entre que ativos poderiam ser benéficos, o próprio método carece de mais embasamento científico.

Plasma rico em plaquetas (PRP)

O PRP consiste na retirada de sangue do paciente, seguido de centrifugação e separação de solução contendo plaquetas e plasma, ou seja, do líquido do sangue.

As plaquetas são elementos do sangue responsáveis pela coagulação. Além disso, elas também carregam diversos fatores de crescimento  que poderiam ser benéficos para o crescimento e desenvolvimento capilar.

Apesar de parecer promissor, o método ainda precisa de mais comprovação científica.

Implante de células-tronco

Técnica que procura recuperar os fios através de aplicações de células embrionárias retiradas do próprio paciente.

Essas células indiferenciadas, chamadas células-tronco, são capazes de originar diferentes tipos de célula tecidual, como de músculo, pele ou cabelo.

A diferenciação é feita por mecanismos e substâncias ainda não esclarecidos.

Devido à dificuldade de se conseguir a diferenciação correta e segura em fios de cabelo, esse promissor e revolucionário método ainda está em estudo.

Tratamenos para alopecia: Medicações não liberadas

Flutamida

Não é mais usada como um dos tratamentos para alopecia desde que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) relatou casos de óbito por hepatite fulminante causada pela medicação.

Dutasterida

Assim como a finasterida, a dutasterida atua bloqueando a enzima 5-alfaredutase, responsável pela conversão da testosterona em dihidrotestosterona (DHT).

O DHT é o principal agente da calvície masculina.

Por bloquear tanto a enzima 5-alfaredutase tipo I quanto a tipo II, teoricamente ela teria uma ação mais potente do que a finasterida para o tratamento da calvície.

Entretanto, seu uso não foi aprovado pela ANVISA para tratamentospara alopecia, mantendo sua indicação apenas para problemas prostáticos.

Tratamentos para alopecia em estudo ou não liberados: considerações finais

A calvície é um quadro progressivo e há tratamentos para alopecia efetivos disponíveis.

Assim, enquanto se aguarda o avançar das pesquisas, o melhor é procurar por avaliação médica para início do tratamento.

A calvície pode ser controlada, quanto antes for reconhecida e tratada.

A Clínica Doppio além de possuir uma estrutura apropriada para avaliação e tratamento de queda de cabelos e calvície, conta ainda com um médico especialista em cabelos e profissionais preparados para ajudar com seu problema.

Faça uma avaliação e obtenha as informações e cuidados para o seu caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *